EUA se preparam para colapso total do sistema de saúde após aumento da Covid-19

Ao menos 123.639 pessoas foram hospitalizadas com a doença nesse sábado, marcando 32 dias consecutivos em que esse número ficou acima de 100 mil

Da CNN
03 de janeiro de 2021 às 12:21
Fila de ambulâncias do lado de fora de hospital em Nova York
Fila de ambulâncias do lado de fora de hospital em Nova York
Foto: Brendam McDermid - 25.set.2020 / Reuters

Os hospitais dos Estados Unidos correm para lidar com o aumento de pacientes com Covid-19 a um número nunca antes visto em momento algum da pandemia.

Ao menos 123.639 pessoas em todo o país foram hospitalizadas com a doença nesse sábado (2), marcando 32 dias consecutivos em que esse número ficou acima de 100 mil, de acordo com informações do Covid Tracking Project, que acompanha esses dados.

Assista e leia também: 
Anvisa aprova importação de 2 milhões de doses de vacinas da Fiocruz
Governo do Rio diz que vacinação contra Covid-19 no estado começa ainda este mês
Cachorros vão a velório do dono, enfermeiro do Samu que foi vítima de Covid-19

A temporada de festas no fim do ano continua tendo consequências. Os diagnósticos positivos para o novo coronavírus dispararam nos EUA após o feriado de Ação de Graças, e os impactos das celebrações de Natal e Ano-Novo ainda estão em desdobramento.

Até sábado, mais de 20,4 milhões de pessoas foram infectadas no país e ao menos 350.186 morreram, segundo dados da Universidade de Medicina Johns Hopkins. Especialistas em saúde temem o que vai acontecer com esses números se as infecções continuarem a se espalhar.

"Se tivermos outro pico, será o colapso total do sistema de saúde", disse Brad Spellberg, médico chefe no Centro Médico da Universidade do Sul da Califórnia

"E nós, no hospital, não podemos frear isso. Só podemos reagir a isso. É a população que tem o poder de parar a disseminação desse vírus ao seguir as orientações de saúde pública", afirmou ele.

Nos últimos três dias de 2020, ao menos 10.901 mortes por Covid-19 foram registradas nos EUA. Trata-se de cerca de 3.633 óbitos por dia – mais do que o número de vítimas dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Em menos de 11 meses, a doença matou mais de 349 mil pessoas no EUA, e outros 115 mil norte-americanos podem morrer no próximo mês, conforme projeções do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Universidade de Washington.

(Com informações de Madeline Holcombe, da CNN Internacional)