EUA: Esnobado por Trump, Brasil pode ser usado como 'saco de pancadas' por Biden

Doutor em Relações Internacionais, Carlos Gustavo Poggio analisou cenário da política americana com o novo presidente em entrevista à CNN

Da CNN, em São Paulo
20 de janeiro de 2021 às 08:52


O Brasil nunca foi uma prioridade para a política externa dos Estados Unidos e o governo de Donald Trump reforçou isso ao esnobar a relação bilateral entre os países. Com a entrada do democrata Joe Biden na presidência americana, isso pode mudar de figura, porém ainda de forma desfavorável para o Brasil. A avaliação é do doutor em Relações Internacionais Carlos Gustavo Poggio.

Em entrevista à CNN, o especialista em política americana explicou que, apesar do atual governo brasileiro priorizar os EUA nas relações e política externas, o fato de Trump ter sido o primeiro presidente desde Jimmy Carter (1977-1981) a não visitar Brasília demonstra que o país não faz o mesmo.

"Do Carter ao Obama, todos os presidentes americanos vieram ao Brasil. Donald Trump é o primeiro a não se dar ao trabalho de colocar os pés em Brasília, a despeito daquilo que o governo brasileiro dizia", disse Poggio.

"Mesmo com o Brasil colocando os EUA no topo das suas relações e política externas, os EUA de Trump acabaram não dando muito bola para isso, o que significa que o Brasil não é uma prioridade"

Carlos Poggio, doutor em Relações Internacionais

Para o professor, Joe Biden mudará esse cenário trazendo a política ambiental brasileira para o debate americano como um exemplo negativo.

"No caso do Joe Biden, o Brasil pode se tornar um tipo de prioridade, mas por um aspecto negativo", afirmou Poggio. "Creio que na política externa do Biden, se o Brasil vai ser servir de alguma coisa, será de saco de pancadas para poder ilustrar o que Biden vai fazer do ponto de vista do meio ambiente."

A relação entre os dois países daqui pra frente, segundo Poggio, é preocupante, já que o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) ainda não demonstrou interesse em se aproximar do novo presidente americano.

"Temos visto de sinais do governo brasileiro e parece que eles estão desconfortáveis com a vitória de Joe Biden e ainda insistem em aproximação com o Donald Trump, por incrível que pareça, mesmo com ele fora do poder."

Trump e Biden disputam a Casa Branca
Donald Trump deixa oficialmente o governo dos EUA nesta quarta-feira (20), dia em que Joe Biden assume a Casa Branca
Foto: Carlos Barría/Reuters (Trump) e Jonathan Ernst/Reuters (Biden)

(Publicado por: André Rigue)