Trump falou em perdoar filhos e legisladores republicanos

O presidente dos foi avisado que os perdões que ele esperava conceder a sua família e até a si mesmo iriam colocá-lo em uma posição legalmente perigosa

Kevin Liptak e Pamela Brown, da CNN
20 de janeiro de 2021 às 09:31
Trump fala a jornalistas antes de viajar ao Texas
Trump fala a jornalistas antes de viajar ao Texas
Foto: Kevin Lamarque/Reuters (12.jan.2021)

O presidente Donald Trump recebeu um aviso perturbador em sua última noite de sábado (16) na Casa Branca.

Fechado para uma longa reunião com seus consultores jurídicos, o presidente dos Estados Unidos foi avisado que os perdões que ele esperava conceder a sua família e até a si mesmo iriam colocá-lo em uma posição legalmente perigosa, transmitiria a aparência de culpa e potencialmente o tornaria mais vulnerável a represálias.

Assim, também, Trump foi advertido de que perdoar os legisladores republicanos que os procuraram por seu papel na insurreição do Capitólio irritaria os próprios republicanos do Senado que vão determinar seu destino no julgamento do impeachment.

O advogado da Casa Branca, Pat Cipollone, e outro advogado que representou Trump em seu primeiro julgamento de impeachment, Eric Herschmann, fizeram as graves advertências na presença de Trump, a filha Ivanka e o marido dela, Jared Kushner. Outros advogados juntaram-se por telefone. Todos disseram a Trump que ele não deveria perdoar a si mesmo, sua família ou qualquer legislador republicano de maneira prospectiva, a menos que estivesse preparado para listar crimes específicos.

Cipollone e o ex-procurador-geral William Barr alertaram Trump no início deste mês que não acreditavam que ele deveria perdoar a si mesmo, disseram várias fontes familiarizadas com o assunto à CNN na semana passada. Barr transmitiu esta posição a Trump antes de renunciar ao cargo no mês passado.

 

Trump continuou a trazer o assunto à tona nos dias seguintes, mesmo depois que as autoridades acreditaram que o problema estava resolvido. Mas a reunião séria na noite de sábado na Casa Branca pareceu colocar uma pedra sobre o tema. 

Embora Trump frequentemente descarte conselhos com os quais não concorda – em particular aqueles dados por Cipollone, com quem tem um relacionamento conflituoso –, a mensagem de sábado ressoou. A conversa assustou o presidente como poucas vezes, disse uma pessoa familiarizada com sua reação à CNN.

Agora, Trump vai deixar o cargo mudo e desanimado por não ser capaz de exercer o poder que ele mais valorizou enquanto presidente. Encaixotado por suas próprias ações que ajudaram a desencadear os distúrbios no Capitólio, Trump se viu restringido de uma forma que ele evitou durante todo o seu mandato.

Esperava-se que seu lote final de indultos contivesse poucos dos criminosos controversos ou inesperados que caracterizaram seu uso anterior de seus poderes de clemência.

Trump ainda pode mudar de ideia e reter seus amplos poderes de clemência até o meio-dia de quarta-feira (20). O presidente continua a trazer indultos que os assessores antes pensavam que estavam fora de questão, inclusive para o ex-estrategista Steve Bannon, levando à incerteza geral sobre se Trump continuará seguindo os conselhos de seus advogados.

Havia uma disputa frenética acontecendo nos bastidores sobre a concessão do perdão a Bannon, que acabou acontecendo na noite de terça. Uma preocupação era a possível conexão de Bannon com a rebelião de apoiadores de Trump no Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro.

Trump conversa com Steve Bannon
Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado de Steve Bannon em 2017
Foto: REUTERS/Carlos Barria

Trump estava em dúvida sobre o perdão até a última hora, segundo fontes.

Na terça-feira, funcionários da Casa Branca e outras pessoas familiarizadas com o assunto descreveram um presidente mudo, preocupado com seu julgamento de impeachment pendente e problemas legais recorrentes, que foi dissuadido de suas noções longamente discutidas após a insurreição do Capitólio.

Vários legisladores republicanos que supostamente estiveram envolvidos no comício que precedeu o tumulto mortal no Capitólio dos EUA pediram clemência de Trump antes de ele deixar o cargo. Porém, depois de se reunir com seus consultores jurídicos por várias horas no sábado, o presidente decidiu que iria não concedê-los, de acordo com duas pessoas familiarizadas com seus planos. 

O medo da exposição legal não se limita aos republicanos que promoveram ou falaram no comício, incluindo os deputados Andy Biggs, Mo Brooks e Paul Gosar. Aqueles que participaram, organizaram e arrecadaram fundos também estão preocupados, disseram fontes à CNN, incluindo seu filho mais velho, Donald Trump Jr. e sua namorada Kimberly Guilfoyle, que falaram no comício.

As principais figuras associadas aos grupos que ajudaram a organizar o evento – incluindo Women for America First e Turning Point Action, o braço do comitê de ação política da Turning Point USA – também expressaram preocupação privada sobre as repercussões legais, uma pessoa conhecida disse à CNN.

Vários dos conselheiros mais próximos de Trump também pediram que ele não concedesse clemência a ninguém que tenha invadido o Capitólio dos Estados Unidos, apesar da posição inicial de Trump de que os envolvidos não fizeram nada de errado.

Como a CNN relatou anteriormente, um dos principais organizadores do movimento que pretendia reverter os resultados da eleição afirmou que trabalhou em estreita colaboração com os congressistas republicanos. Ali Alexander, líder do grupo Stop the Steal, disse em vários vídeos ao vivo que planejou o comício com os deputados Gosar do Arizona, Brooks do Alabama e Biggs do Arizona.

A ideia de perdoar a si próprio cativou Trump quase todo o período de sua presidência. Ele viu a perspectiva como uma varinha mágica unilateral que ele acreditava que poderia aliviar seus problemas legais, se não fazê-los desaparecer completamente.

Quase tão atraente quanto isso seria clemência preventiva para membros de sua família, que Trump há muito lamenta estarem sendo injustamente alvos de seus inimigos. Torná-los imunes seria como um gesto de erguer o dedo médio para seus detratores.

 

A situação legal de qualquer um dos movimentos era questionável, e Cipollone tinha sido “direto e forte”, o que dificilmente um perdão a si mesmo levaria ao tribunal, disse uma pessoa familiarizada com o assunto. Internamente, acredita-se que um dos itens do legado do advogado Cipollone seja sua tentativa de dissuadir Trump de se perdoar.

Outros apelaram para Trump, advertindo que ele deveria estar mais preocupado com o efeito que isso teria em seu legado, não com a situação legal dos indultos.

A decisão de não perdoar nenhum legislador republicano ou membros de sua família foi de última hora. Depois de inicialmente defender a ideia de que ele pode perdoar a si mesmo ou aos membros de sua família por temer que eles sejam visados quando ele sair do cargo, Trump decidiu no sábado à noite que não perdoaria ninguém em sua família ou a si mesmo.

O presidente concordou com os advogados e outros consultores que isso aumentaria a aparência de culpa e poderia torná-los mais vulneráveis, mas ficou desapontado com o resultado, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.

Trump parecia mais interessado na mensagem de poder não controlado que poderia enviar a seus opositores do que na proteção real contra responsabilidades. Seu poder de perdão estava entre os pontos que considerava mais vantajoso em seu trabalho. 

Trump deixará o cargo enfrentando questões jurídicas significativas que só aumentaram durante seus últimos dias no cargo. Seu telefonema para o secretário de Estado da Geórgia pedindo-lhe que “encontrasse” votos e seu discurso encorajando sua multidão a “mostrar força” em sua marcha ao Capitólio o colocaram sob um microscópio legal.

A nova possível exposição criminal vem no topo das investigações em andamento do estado de Nova York sobre as finanças do presidente e vários processos por difamação relacionados à negação de Trump por acusações de agressão sexual por mulheres. O gabinete do procurador do distrito de Manhattan tem em sua mesa uma ampla investigação criminal para investigar alegações de fraude em seguros e fraude fiscal. Há uma investigação civil para saber se a Trump Organization inflou indevidamente o valor de seus ativos.

O atual presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca
O atual presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca
Foto: Hannah McKay - 24.nov.2020 / Reuters

O grande depósito legal em que o presidente agora entra fornecia o pano de fundo iminente para sua discussão em curso sobre perdões, que começou para valer no ano passado.

Nas últimas semanas, Trump discutiu incessantemente sobre perdões com associados, muitas vezes perguntando se as pessoas que não haviam sido acusadas de nenhum crime queriam um antes de ele deixar o cargo. As discussões enervaram alguns assessores, que não acreditavam que eles estivessem na fila para um processo.

Mesmo na segunda-feira (18), com horas restantes em sua presidência, Trump parecia obcecado por perdões.

Enquanto ele estava considerando perdões preventivos para seus filhos e seu advogado pessoal Rudy Giuliani, uma fonte próxima ao processo disse que eles não são mais esperados. 

Trump também não deve perdoar Edward Snowden ou Julian Assange, cujos papéis na revelação de segredos dos EUA enfureceram autoridades em Washington.

Embora uma vez ele tivesse considerado a ideia, Trump decidiu contra ela porque não queria irritar os republicanos do Senado, que logo determinarão se ele foi condenado durante seu julgamento no Senado. Vários legisladores republicanos enviaram mensagens por meio de assessores que acreditavam fortemente em não conceder clemência a Assange ou Snowden.

Ao deixar o cargo, Trump expressou preocupação real de que os republicanos possam se voltar contra ele. Uma condenação no julgamento de impeachment do Senado limitaria suas futuras atividades políticas e o privaria de algumas das vantagens do governo de ser ex-presidente.

Trump está menos preocupado em ser impedido de disputar o cargo novamente e mais preocupado com a ótica de ser condenado pelo Senado, disseram pessoas a par do assunto.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).