Após Capitólio, Casa Branca anuncia medidas contra o extremismo violento nos EUA

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, anunciou uma série de ações

Jason Hoffman, da CNN
22 de janeiro de 2021 às 17:01
Manifestantes invadem o Capitólio, sede do Congresso dos EUA
Manifestantes invadem o Capitólio, sede do Congresso dos EUA
Foto: Stephanie Keith/Reuters

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, anunciou uma série de ações que o governo Biden tomará para combater o extremismo violento doméstico após o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos Estados Unidos.

“O governo Biden enfrentará essa ameaça com os recursos e determinação necessários. Estamos empenhados em desenvolver políticas e estratégias baseadas em fatos, em análises objetivas e rigorosas e em nosso respeito pela liberdade de expressão e atividades políticas protegidas constitucionalmente”, disse Psaki em uma coletiva de imprensa na Casa Branca nesta sexta-feira (22).

Trabalho inicial em três áreas

  • Primeiro, Psaki anunciou que o presidente Biden encarregou o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional de compilar uma “avaliação abrangente de ameaças, coordenada com o FBI e o DHS sobre o extremismo violento doméstico”, acrescentando que a análise virá de agências governamentais e não governamentais.

  • Ela também disse que o governo desenvolverá a capacidade do Conselho de Segurança Nacional de se concentrar no combate ao extremismo doméstico.

    “Como parte disso, o NSC empreenderá um esforço de revisão de políticas para determinar como o governo pode compartilhar melhor as informações sobre essa ameaça, apoiar os esforços para prevenir a radicalização, interromper redes extremistas violentas e muito mais”, disse Psaki.

  • Finalmente, Psaki disse que o governo estará “coordenando partes relevantes do governo federal para aprimorar e acelerar os esforços para lidar com a DVE”.

    “Este processo convocado pelo NSC se concentrará em abordar ameaças em evolução, radicalização, o papel da mídia social, oportunidades para melhorar o compartilhamento de informações, respostas operacionais e muito mais”, disse a secretária de imprensa.