Austríaco deixa fortuna para vila francesa que salvou sua família dos nazistas

Em testamento, o refugiado judeu Erich Schwam mostrou gratidão à vila francesa de Le Chambon-sur-Lignon, que abrigou sua família em 1943, durante a II Guerra

Por Eoin McSweeney e Arnaud Siad, da CNN
31 de janeiro de 2021 às 00:05
Le Chambon-sur-Lignon, em fevereiro de 2016
Le Chambon-sur-Lignon, em fevereiro de 2016
Foto: Luc Olivier/Alamy/ CNN


Um austríaco que morreu em dezembro deixou uma fortuna não revelada para a vila francesa de Le Chambon-sur-Lignon para agradecer aos residentes por esconderem sua família dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Erich Schwam, um refugiado judeu que chegou à aldeia com a mãe e o pai em 1943, legou uma quantia estimada em pelo menos algumas centenas de milhares de euros para a comuna do centro-sul da França, segundo o tabelião encarregado de seu testamento .

"Estamos extremamente honrados e usaremos a soma de acordo com a vontade do Sr. Schwam", disse a vice-prefeita da cidade, Denise Vallat, à CNN no sábado.

 

No testamento, datado de 9 de novembro de 2020, Schwam escreveu que queria "agradecê-los [aos residentes da aldeia] pela recepção que muitos me deram no campo da educação". Ele pediu que o dinheiro fosse usado para financiar bolsas de estudo e escolas na vila.

Grandes contribuições também serão feitas para três fundações que apoiam trabalhadores de saúde, crianças com leucemia e direitos dos animais, de acordo com um comunicado de imprensa da prefeitura.

Le Chambon e vilas vizinhas receberam refugiados judeus, a maioria crianças, depois de 1940, de acordo com o site da prefeitura. Barack Obama mencionou o local em seus comentários na Cerimônia dos Dias de Memória do Holocausto em abril de 2009 e Yad Vashem, o Centro Mundial de Memória do Holocausto, concedeu à comuna um título de honra em 1990.

O pai de Schwam era médico e sua mãe ajudou a estabelecer uma biblioteca no campo de Rivesaltes, uma das muitas criadas pelo regime de Vichy para aprisionar judeus. Milhares foram transportados de lá para Auschwitz, de acordo com a Biblioteca Virtual Judaica.

Friedel Reiter, uma jovem assistente social suíça que voluntariamente ajudou refugiados na época, registrou as informações da família e é provável que ela tenha ajudado a transferi-los para Le Chambon quando o campo de Rivesaltes foi fechado em 1942, disse a prefeitura.

Quando ele tinha apenas 12 anos, Schwam foi levado aos cuidados da Secours Suisse, um subsetor da Cruz Vermelha da Suíça que se especializou em ajudar crianças durante a guerra, onde sua mãe também trabalhava. Schwam se inscreveu em um curso de farmácia na Universidade de Leon em 1950, graduando-se em 1957.

A prefeitura não tem certeza se ele voltou a Le Chambon regularmente e está pedindo mais informações sobre "o menino judeu vienense" que foi tão generoso mais de 75 anos depois.

“Não conhecíamos o senhor Schwam, agora estamos tentando estabelecer quem ele era e o que aconteceu com ele aqui”, disse Vallat.