Seringa inadequada coloca em risco aplicação total de doses da Pfizer no Japão

Cada frasco do imunizante é capaz de oferecer seis doses, mas a última delas precisa de um seringa especial

Raphael Coraccini, colaboração para a CNN Brasil
10 de fevereiro de 2021 às 12:35 | Atualizado 10 de fevereiro de 2021 às 16:22


Um problema de comunicação pode colocar em risco o uso de alguns milhões de doses da vacina da Pfizer no Japão. O país comprou 144 milhões de doses para vacinar contra o novo coronavírus, só que o uso de seringas inadequadas impede o uso desse total.

Segundo a agência de notícias Jiji Press, cada frasco da Pfizer é capaz de fornecer seis aplicações. O problema é que a última delas só pode ser acesada por seringas especiais — e que o Japão não possui em número suficiente. 

Essa seringa é diferente porque tem êmbolos estreitos e também o chamado espaço morto, que permite empurrar sobras de vacina sem que elas se percam entre o êmbolo e a agulha. 

 

Vacina contra Covid-19 da Pfizer/BioNTech
Foto: Charles Platiau/Reuters (30.dez.2020)


Em reunião com os governos locais em 25 de janeiro, cinco dias depois da compra das vacinas, o Ministério da Saúde do Japão explicou aos governos locais que era possível administrar seis doses de cada frasco. Faltou explicar, entretanto, as condições para que isso fosse possível.

A falta de seringas adequadas coloca em risco o uso de 24 milhões de doses — que poderiam imunizar 12 milhões de pessoas. O ministro da Saúde, Norihisa Tamura, disse que há algumas seringas que podem reduzir essa perda, “mas, é claro, não será suficiente à medida que mais injeções forem administradas”, disse a autoridade japonesa à agência Kyodo. 

O Japão já está solicitando aos fabricantes de materiais hospitalares a produção de novas seringas que possam reduzir o desperdício. E não é apenas o Japão que está preocupado com o desperdício de doses da Pfizer: os Estados Unidos e a União Europeia também relataram escassez de seringas especiais. 

Vacinação para as Olimpíadas 

O programa de imunização do Japão contra a Covid-19 está marcado para começar no dia 17 de fevereiro. Para isso, o governo ainda aguarda a aprovação dos órgãos de saúde do país sobre a segurança da vacina da Pfizer e das outras adquiridas. Se o programa conseguir atender todos os prazos definidos, o Japão espera vacinar a todos até julho, quando começam as Olimpíadas. O Japão tem uma população de 126 milhões e adquiriu vacina suficiente para 157 milhões de pessoas.