Desigualdade: 3 a cada 4 vacinas contra Covid estão em apenas 10 países, diz ONU

Segundo António Guterres, enquanto 75% das doses vacinas são administradas em 10 países, outras 130 nações sequer receberam as primeiras doses

Scottie Andrew, da CNN
19 de fevereiro de 2021 às 02:15
Vice-presidente dos EUA recebe 2ª dose de vacina contra Covid-19
Vice-presidente dos EUA, Kamala Harris recebe 2ª dose de vacina contra Covid-19
Foto: Reprodução/CNN (26.jan.2021)

 


Dez países administraram 75% do fornecimento mundial de vacina contra a Covid-19, enquanto mais de 130 nações nem mesmo receberam suas primeiras doses, de acordo com o secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres.

"É injusto", disse Guterres, "que tão poucos países devam controlar a maior parte dos suprimentos mundiais de vacinas".

Para enfrentar essa desigualdade, o secretário-geral propôs que os membros do G20 criassem uma força-tarefa de emergência para promover o acesso global às vacinas.

 

"Neste momento crítico, a igualdade da vacina é o maior teste moral perante a comunidade global", disse ele em uma reunião virtual na quarta-feira com o Conselho de Segurança da ONU.

Cerca de 188 milhões de doses de vacina foram administradas em todo o mundo, de acordo com o banco de dados digital Our World in Data. Dezenas de milhões dessas doses foram para os Estados Unidos, China, Reino Unido e Israel.

Guterres não citou os 10 países que administraram três quartos de todas as vacinas Covid-19. Mas os EUA certamente estão entre eles - mais de 72,4 milhões de vacinas foram distribuídas lá, e mais de 56 milhões delas foram administradas, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças d país.

A força-tarefa proposta incluiria membros do Grupo dos 20, que é formado pelos países com as maiores economias do mundo, o que forneceria o dinheiro e a experiência científica para tornar as vacinas mais acessíveis para as nações do chamado "Sul Global", que inclui países do África, América Latina e América do Sul.

A força-tarefa desempenharia funções semelhantes às da Covax, uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), criada para comprar vacinas a granel e enviá-las às nações mais pobres que não podem competir com os países ricos na obtenção de contratos com as principais empresas farmacêuticas.

A Covax está trabalhando para distribuir 2 bilhões de doses de vacinas em países do Sul Global.

A sugestão de Guterres veio na mesma semana em que o México indicou que registraria uma queixa no Conselho de Segurança da ONU sobre o lançamento "injusto" da vacina, que o chanceler Marcel Ebrard disse favorecer os países mais ricos.

O México, que assinou contratos de compra para a entrega final de mais de 230 milhões de doses de várias vacinas Covid-19, entregou 750.000 doses até agora.

Em janeiro, Guterres exortou os países a se comprometerem a compartilhar as doses excessivas da vacina, chamando especificamente os países mais ricos do mundo que receberam milhões de doses.

"As principais economias do mundo têm uma responsabilidade especial. No entanto, hoje estamos vendo um vácuo de vacinas. As vacinas estão alcançando países de alta renda rapidamente, enquanto os mais pobres do mundo não têm nenhuma", disse Guterres em uma mensagem de vídeo no mês passado.