Filipinas oferecem enfermeiros a Reino Unido e Alemanha em troca de vacinas

As Filipinas querem garantir 148 milhões de doses de vacinas ao todo, enquanto o Reino Unido encomendou mais de 400 milhões de doses, seis vezes a sua população

Da Agência Reuters
24 de fevereiro de 2021 às 05:23 | Atualizado 24 de fevereiro de 2021 às 05:28

 

Enfermeira cuida de paciente internado após contrair variante do novo coronavírus
Foto: Reuters

 

As Filipinas se dizem abertas a permitir que milhares de profissionais de saúde, a maioria enfermeiros, trabalhem no Reino Unido e na Alemanha se os dois países concordarem em doar ao país vacinas contra a Covid-19, disse Alice Visperas, diretora do escritório de assuntos internacionais do Ministério do Trabalho filipino, nesta terça-feira (23).

O Ministério da Saúde do Reino Unido declarou que não está interessado em tal acordo e que sua prioridade é usar vacinas no mercado interno, mas acrescentou que compartilhará o excedente de vacinas internacionalmente no futuro.

As Filipinas, que têm um dos maiores números de casos do novo coronavírus da Ásia, relaxou recentemente a proibição de envio de profissionais de saúde para o exterior, mas ainda limita o total de profissionais médicos que deixam o país a 5 mil por ano.

 

A diretora do escritório de assuntos internacionais do Ministério do Trabalho disse que as Filipinas estão abertas a levantar o limite em troca de vacinas do Reino Unido e da Alemanha, que seriamusadas para inocular trabalhadores que saem do país e centenas de milhares de repatriados filipinos.

Os enfermeiros estão entre os milhões de filipinos que trabalham no exterior, fornecendo mais de US$ 30 bilhões por ano em remessas vitais para a economia do país.

"Estamos considerando o pedido de levantamento do limite de implantação, sujeito a acordo", disse Visperas à agência Reuters.

O Reino Unido tem o quinto maior número de mortes por coronavírus do mundo, enquanto a Alemanha tem o décimo maior número de infecções no planeta.

O Reino Unido divulgou que hoje tem 11 mil enfermeiros a mais trabalhando no Serviço Nacional de Saúde (NHS) do que no ano passado. O Ministério da Saúde do país afirmou que, embora fosse grato aos 30.000 filipinos que trabalham para o NHS, não precisava trocar vacinas por mais desses profissionais.

"Não temos planos para o Reino Unido chegar a um acordo de vacina com as Filipinas vinculado ao recrutamento de enfermeiros", disse uma porta-voz do ministério da saúde, citando a promessa do primeiro-ministro Boris Johnson de compartilhar vacinas extras no final do ano.

"Confirmamos que compartilharemos quaisquer vacinas excedentes no futuro - por exemplo, por meio do pool de compras internacionais da Covax."

As Filipinas querem garantir 148 milhões de doses de vacinas ao todo, enquanto o Reino Unido encomendou mais de 400 milhões de doses, seis vezes a sua população.

Embora Reino Unido e Alemanha tenham inoculado um total de 23 milhões de pessoas, as Filipinas ainda não iniciaram sua campanha para imunizar 70 milhões de adultos, ou dois terços de seus 108 milhões de habitantes. O país espera suas primeiras vacinas nesta semana, doadas pela China.

Em 2019, quase 17.000 enfermeiros filipinos assinaram contratos de trabalho no exterior, mostraram dados do governo.

Embora os enfermeiros filipinos tenham lutado para suspender a proibição de implantação para escapar das más condições de trabalho e dos baixos salários no próprio país, o plano de trocar trabalhadores por vacina não foi bem aceito por alguns profissionais da área médica.

"Estamos indignados com a forma como enfermeiras e profissionais de saúde estão sendo tratados pelo governo, como commodities ou produtos de exportação", disse à Reuters Jocelyn Andamo, secretária-geral do Filipino Nurses United.