EUA vão impor restrições para viajantes que visitaram países com surto de Ebola

Na próxima semana, o governo dos EUA começará a direcionar viajantes da Guiné e da República Democrática do Congo para seis aeroportos americanos

Madeline Holcombe, Lauren Mascarenhas e Maggie Fox, da CNN
27 de fevereiro de 2021 às 10:38
Aviões Aeroporto EUA
Foto: Joshua Roberts/Reuters

 

Restrições de viagem serão impostas a indivíduos que viajam da Guiné e da República Democrática do Congo — dois países que lutam contra surtos recentes do vírus Ebola — para os Estados Unidos, de acordo com anúncio do Controle e Prevenção de Doenças na sexta-feira (26).

Na próxima semana, o governo dos EUA começará a direcionar viajantes da Guiné e da República Democrática do Congo para seis aeroportos americanos.

Além disso, companhias aéreas coletarão informações de todos os passageiros que embarcarem em voos para os EUA que estiveram nesses países nos 21 dias anteriores e compartilharão os dados com o CDC e os departamentos de saúde locais para fins de monitoramento.

As medidas surgem no momento em que os EUA e outras nações lutam com a pandemia de Covid-19, com uma preocupação crescente de que as variantes possam aumentar as taxas novamente. Também segue dois surtos anteriores de Ebola na África que começaram em 2014 e 2018, resultando na morte de milhares.

Durante o surto de 2014, precauções semelhantes foram aplicadas. Passageiros que chegavam em aeroportos dos EUA vindos da Guiné, Libéria e Serra Leoa — os países mais afetados durante o surto — tinham a sua temperatura medida e eram questionados se tinham tido contato com alguém com Ebola.

O CDC observou que os surtos deste ano ocorrem em áreas remotas, e o risco para os EUA é extremamente baixo. A agência disse que as restrições a viagens estão sendo implementadas por excesso de cautela.

Na quinta-feira (25), a Organização Mundial da Saúde informou que havia nove casos de Ebola e cinco mortes relatados na Guiné, além de oito casos e quatro mortes na República Democrática do Congo.

A Guiné declarou um surto de ebola em uma de suas regiões no início deste mês, dias depois que a República Democrática do Congo declarou seu 12º surto de sua história.

A Cruz Vermelha disse em um comunicado que uma rede de mais de 700 voluntários treinados foi "ativada como parte de uma primeira onda de resposta e o governo pediu às pessoas que respeitem as medidas de higiene e prevenção e relatem os sinais da doença à saúde autoridades".

A Organização Mundial da Saúde ajudou a controlar o recente surto na República Democrática do Congo com vacinas e está ajudando a obter doses para a Guiné.