Com vacinação, EUA podem alcançar imunidade de rebanho até o final de julho

Análise de dados federais feita pela CNN mostra que 70% da população americana poderá estar totalmente imunizada até o fim do verão

Deidre McPhilips, da CNN
06 de março de 2021 às 09:16
Fila de vacinação drive-thru nos Estados Unidos
Fila de vacinação drive-thru nos Estados Unidos: imunidade de rebanho pode estar próxima
Foto: Reprodução/CNN

 O ritmo de aplicação das vacinas contra a Covid-19 nos Estados Unidos continua subindo a cada dia aproximando o país da imunidade de rebanho. Ou seja, o ponto em que um número suficiente de pessoas está protegido contra uma doença fazendo com que ela não se dissemine de maneira acelerada.

Uma análise de dados federais feita pela CNN mostra que a imunidade coletiva provavelmente não está muito longe.

No ritmo atual de cerca de 2 milhões de aplicações por dia – a média dos últimos sete dias –, o país poderia alcançar a imunidade de rebanho no final do verão, contando apenas com a vacinação. Provavelmente será ainda mais cedo, ao se levar em consideração indivíduos que podem ter alguma imunidade natural devido à infecção anterior.

 De acordo com os últimos dados do CDC, mais de 8% da população – quase 28 milhões de pessoas – já está totalmente vacinada.

No ritmo atual, contando apenas as vacinas da Pfizer/BioNTech e Moderna, 70% da população dos EUA estará totalmente vacina até meados de setembro. Com a entrada da vacina da Johnson & Johnson, aprovada recentemente, esse ritmo deve acelerar.

Também ajuda o fato de parte da população já ter sido infectada pelo vírus e, consequentemente, ter criado uma resistência a reinfecções.

O CDC estima que mais de um quarto da população pode ter sido infectado pela Covid-19, elevando a parcela de pessoas já protegidas para quase um terço. Supondo que não haja sobreposição entre as pessoas com imunidade natural e aquelas protegidas pela vacinação, a imunidade de rebanho poderia ser alcançada já em junho.

Riscos

Porém, o limiar para a imunidade de rebanho contra a Covid-19 é apenas uma estimativa até agora. Os especialistas concordam que algo entre 70% e 85% da população deve ser protegida para suprimir a disseminação do vírus.

Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas e uma das maiores autoridades americanas sobre o assunto, citou esses percentuais recentemente.  

Os especialistas observam ainda que algumas novas variantes ameaçam esse progresso, potencialmente diminuindo a proteção oferecida pelas vacinas e contornando algum grau de imunidade natural, e a hesitação da população quanto a vacina também pode criar algumas limitações.