EUA afirmam ter recusado pedidos de outros países por vacinas contra Covid-19

Segundo Casa Branca, 'prioridade e o foco do presidente Biden é garantir que o povo americano seja vacinado' antes de entregar as vacinas a outros países

Kevin Liptak, da CNN
12 de março de 2021 às 17:18 | Atualizado 12 de março de 2021 às 17:27
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden
Segundo a Casa Branca, foco do presidente Joe Biden é vacinar a população americana
Foto: Kevin Lamarque/Reuters

Os Estados Unidos receberam pedidos de "todo o mundo" para que entregassem doses da vacina contra a Covid-19, mas, até agora, não atenderam a nenhum deles, informou a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki.

Segundo Psaki, a "prioridade e o foco do presidente Biden é garantir que o povo americano seja vacinado" antes de entregar as vacinas a outros países.

A afirmação foi feita por Psaki ao responder uma pergunta sobre por que os Estados Unidos estão tomando dezenas de milhões de doses da vacina feita pela AstraZeneca, que ainda não foi autorizada pela Food and Drug Administration (FDA) - a agência de regulação de medicamentos dos Estados Unidos -, mas foi aprovada para uso em dezenas de outros países.

A situação tem causado preocupação em locais que lutam para garantir o fornecimento suficiente de vacinas, principalmente na Europa.

Vacinas estocadas

Mesmo com a compra de milhões de doses das três vacinas com autorização de uso emergencial no país - Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson - os Estados Unidos também mantêm um estoque da AstraZeneca que não pode ser distribuído, à medida que o imunizante avança pelo processo do FDA.

"Queremos ter certeza de que temos o máximo de flexibilidade, que estamos com excesso de suprimentos e preparados, e que temos a capacidade de fornecer vacinas - sejam quais forem as mais eficazes - para o público americano", disse Psaki. “Ainda há 1.400 pessoas morrendo em nosso país todos os dias.”

"Neste momento, tem havido pedidos de todo o mundo - é claro - uma série de países que solicitaram doses dos Estados Unidos e não fornecemos doses do governo dos Estados Unidos a ninguém. Não se trata da Europa, trata-se de nosso foco e prioridade ", disse ela.

Psaki disse que, embora as empresas americanas tenham obrigações contratuais para entregar as doses ao governo dos Estados Unidos, elas ainda estão livres para fazer acordos com outros países.

Questionada se Biden achava que tinha uma obrigação moral de entregar vacinas a outros países, ela disse que seu foco era conter a crise nos Estados Unidos.

"Ele quer ter, como líder deste país, o máximo de flexibilidade", disse ela, acrescentando que ele ainda deseja sinalizar que os Estados Unidos desejam ser "colaborativos e cooperativos" com a comunidade global.