Colisão entre dois trens deixa ao menos 32 mortos e 165 feridos no Egito

Foram enviados dois aviões, 72 ambulâncias e 52 equipes médicas de reforço ao local do acidente

Por Mostafa Salem, Magdy Samaan e Lina Wardani, da CNN
26 de março de 2021 às 22:31 | Atualizado 26 de março de 2021 às 22:34
	**This image is for use with this specific article only**
Foto: Mahmoud Maqboul/picture alliance/Getty Images

Pelo menos 32 pessoas morreram e 165 ficaram feridas depois que dois trens colidiram, nesta sexta-feira (26), na província de Sohag, no Alto Egito. As informações foram confirmadas pelo Ministério da Saúde do país.

Para o local do incidente, foram enviadas 72 ambulâncias e equipes médicas de reforço. 

O ministro da Saúde, Hala Zayed, explicou em entrevista coletiva que dois aviões foram despachados do Cairo, capital do Egito, com 52 equipes médicas de várias especialidades a bordo para tratar os feridos.

Imagens da cena mostram multidões reunidas em torno dos destroços dos trens.

Em comunicado, a autoridade ferroviária egípcia disse que a colisão aconteceu depois que uma pessoa não identificada puxou o freio de emergência.

Segundo a autoridade, às 11h42 (6h42, no horário de Brasília), um trem que ia de Aswan para o Cairo atingiu a traseira de outro que ia de Luxor para Alexandria, que ficou preso na linha ferroviária depois que um freio de emergência foi ativado.

O presidente egípcio, Abdel Fattah el-Sisi, disse que “quem quer que tenha causado o acidente de trem em Sohag receberá a pena de dissuasão”.

O primeiro-ministro Mostafa Madbouly acrescentou, enquanto inspecionava o local, que qualquer “erro ou negligência não será tolerado e o autor do crime será responsabilizado pelo acidente”. Segundo ele, as instalações ferroviárias do país passaram por “décadas de abandono, falta de desenvolvimento e manutenção, deixando-as em um estado que conduz ao perigo”.

“Os sistemas de controle operam manualmente, os vagões estão desatualizados”, disse.

O envelhecido sistema ferroviário do Egito testemunhou um acidente mortal quase todos os anos nas duas últimas décadas. De acordo com dados publicados pela Agência Central de Mobilização Pública e Estatística, em 2018, o Egito registrou 2.044 acidentes de trem; em 2017, 1.793 acidentes. 

Há dois anos, pelo menos 25 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas em um incêndio na estação de Ramses, no centro do Cairo, a mais movimentada do país, depois que um trem colidiu com a plataforma, causando a explosão de seu tanque de combustível.

Uma colisão entre dois trens em Alexandria, a segunda maior cidade do Egito, em agosto de 2017, deixou mais de 40 mortos e muitos mais feridos.

Em 2012, 44 crianças morreram depois que um trem bateu em um ônibus escolar na província de Asyut.

Mas o acidente mais letal da história ferroviária egípcia ocorreu em 2002, quando um incêndio em um trem de passageiros viajando do Cairo ao sul para Luxor matou mais de 360 pessoas.