Após mais de um ano, israelenses saem às ruas sem máscara

Governo suspendeu medida após 81% dos cidadãos ou residentes com mais de 16 anos terem recebido ambas as doses da vacina contra Covid-19

Reuters
18 de abril de 2021 às 12:01 | Atualizado 18 de abril de 2021 às 14:20

 

Os moradores de Israel saíram às ruas neste domingo (18) sem máscara depois do fim da obrigatoriedade de uso dispositivo ao ar livre em mais um passo em direção à normalidade, graças à vacinação em massa contra Covid-19 no país.

Com cerca de 81% dos cidadãos ou residentes com mais de 16 anos — a faixa etária elegível para a vacina Pfizer/BioNTech em Israel — tendo recebido ambas as doses, o contágio e as hospitalizações diminuíram drasticamente.

Mas a entrada de estrangeiros ainda é limitada e os israelenses não imunes que retornam do exterior devem se isolar, devido à preocupação com as variantes do novo coronavírus. O Ministério da Saúde local disse ter detectado sete casos de uma nova variante indiana em Israel, cuja potência está sendo avaliada.

"Estamos liderando o mundo agora no que diz respeito a emergir do coronavírus", disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a repórteres. "(Mas) ainda não terminamos com o coronavírus. Ele pode voltar."

O uso obrigatório de máscaras de proteção ao ar livre, ordenado há um ano para atividades que não sejam exercícios físicos, foi suspenso. Mas o Ministério da Saúde disse que a exigência ainda se aplica a espaços públicos fechados e pediu que os cidadãos mantenham as máscaras à mão.

Respirando livremente, dizia a manchete do jornal de maior circulação no país, o Israel Hayom.

"Ficar sem máscara pela primeira vez em muito tempo é estranho. Mas é um estranho bom", disse Amitai Hallgarten, de 19 anos, enquanto se bronzeava em um parque. "Se eu precisar ficar de máscara em ambientes fechados para isso terminar, farei tudo o que puder."

Israel suspendeu uso obrigatório de máscara ao ar livre
Israel suspendeu uso obrigatório de máscara ao ar livre após imunizar mais de 80% de sua população acima de 16 anos
Foto: Reuters

O uso de máscara nas escolas continua obrigatório, e os professores foram orientados a continuar ventilando as salas de aula e a manter o distanciamento social nas aulas e nos intervalos. Atividades extracurriculares, como teatros infantis, permanecem proibidas.

"Esta ainda é uma população não vacinada (crianças menores de 16 anos) que queremos salvaguardar", disse Sharon Alroy-Preis, funcionária do Ministério da Saúde, à Rádio do Exército de Israel.

Israel conta com os palestinos de Jerusalém Oriental entre sua população de 9,3 milhões, que também foram vacinados.

Os 5,2 milhões de palestinos na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza controlada pelo Hamas estão recebendo suprimentos limitados de vacinas fornecidas por Israel, Rússia, Emirados Árabes Unidos, e pelo  esquema global de compartilhamento de vacinas Covax, além da China.