EUA e China concordam em enfrentar crise climática após negociações em Xangai

Após dois dias de reuniões, EUA e China comunicam trabalho em conjunto para fortalecer a implementação do Acordo de Paris

Ben Westcott e Jennifer Hansler, da CNN
19 de abril de 2021 às 09:10
Ministério de Ecologia e Ambiente dos Estados Unidos
O Enviado Especial da Presidência dos EUA para o Clima, John Kerry, e o Enviado Especial da China para as Mudanças Climáticas, Xie Zhenhua, mantiveram reuniões de dois dias em Xangai.
Foto: Ministério de Ecologia e Ambiente dos Estados Unidos

Os EUA e a China concordaram em cooperar com as mudanças climáticas após dois dias de reuniões de alto nível em Xangai, apesar do aumento das tensões entre os dois países.

Em comunicado conjunto divulgado no último domingo (18), Washington e Pequim disseram que a crise climática “deve ser tratada com seriedade e urgência” e concordaram em trabalhar juntos para “fortalecer” a implementação do Acordo de Paris.

“Os Estados Unidos e a China continuarão a discutir, tanto no caminho para a COP-26 (26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas) como depois, ações concretas na década de 2020 para reduzir as emissões com o objetivo de manter o limite de temperatura alinhado ao Acordo de Paris dentro do alcance”, informou o comunicado.

O anúncio ocorreu após dois dias de negociações entre o enviado especial da presidência dos EUA para o clima, John Kerry, e o enviado especial da China para as mudanças climáticas, Xie Zhenhua, em Xangai, na quinta (15) e sexta-feira (16) da semana passada.

 O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que assumiu uma postura mais forte sobre como lidar com as mudanças climáticas do que seu antecessor Donald Trump, espera que os Estados Unidos consigam trabalhar com Pequim para tratar das emissões de carbono, mantendo uma postura firme em questões de comércio, tecnologia e recursos humanos.

A China é o maior emissor de carbono do mundo, tornando a participação do seu governo uma parte vital de qualquer plano de sucesso para enfrentar a crise climática.

Em uma declaração no domingo, o Ministério da Ecologia e Meio Ambiente da China disse que as conversas entre Kerry e Xie foram “francas, profundas e construtivas”.

“Ambos os lados reconhecem que a mudança climática é uma ameaça séria e urgente à sobrevivência e ao desenvolvimento da humanidade”, explicou o ministério, acrescentando que a China e os EUA “fortalecerão a cooperação, trabalharão em conjunto com outras partes para enfrentar a crise climática”.

O ministério também afirmou que os dois países irão consolidar “ainda mais os intercâmbios e a cooperação em áreas como o fortalecimento de medidas políticas, promoção de transições verdes e de baixo carbono e apoio ao desenvolvimento de energia e baixo carbono nos países em desenvolvimento”.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler a versão original em inglês)