Youtubers podem ser deportados após gravarem pegadinha sem máscara na Indonésia

Josh Paler Lin e Leia Se tiveram os passaportes apreendidos pelas autoridades locais de Bali; a dupla removeu o vídeo do YouTube e se desculpou nas redes

Lilit Marcus, CNN
29 de abril de 2021 às 08:49 | Atualizado 29 de abril de 2021 às 08:51
Na Indonésia, youtubers gravaram vídeos sem máscaras
A youtuber Leia Se teve o rosto pintado por seu amigo Josh Paler Lin; o casos ocorreu em Bali e o vídeo viralizou na região
Foto: Reprodução/CNN

Dois youtubers tiveram os passaportes apreendidos e correm o risco de serem deportados da Indonésia após um deles pintar uma máscara no rosto para tentar burlar as exigências do país contra a Covid-19. A “brincadeira” de Josh Paler Lin e Leia Se ocorreu em Bali e foi publicada nas redes sociais da dupla. 

Na gravação, Leia Se tenta entrar em uma mercearia, mas é impedida por estar sem a máscara facial. Em seguida, Lin pinta o acessório no rosto da garota e ela consegue entrar na loja. O vídeo, postado em 22 de abril, se tornou viral. Lin tem 3,4 milhões de inscritos em seu canal no YouTube.

A Indonésia tem cumprido rigorosamente as determinações para o uso de máscara. A polícia pode aplicar multas na primeira ocorrência e deportar estrangeiros na segunda.

Embora esta tenha sido a primeira ofensa conhecida de Lin e Se, a confusão em torno do vídeo atraiu tanta atenção que as autoridades balinesas confiscaram os passaportes de ambos. Lin é supostamente de Taiwan, mas vive nos Estados Unidos, enquanto Se (que atende pelo nome de Lisha online) é um cidadã russo, de acordo com um comunicado da polícia.

"Eles serão examinados pela Imigração para tomar a decisão de deportá-los ou não", confirmou à mídia local I Putu Surya Dharma, porta-voz do escritório regional do Ministério de Direito e Direitos Humanos em Bali.

Lin removeu o vídeo de seu canal no YouTube. Em 24 de abril, ele fez uma publicação no Instagram na qual ele, Se e seu advogado se desculpam pela gravação. O vídeo tem legendas em inglês e indonésio.

“A intenção de fazer o vídeo não foi de forma alguma desrespeitar ou convidar todos a não usarem máscara”, diz Lin. "Eu fiz o vídeo para entreter as pessoas porque sou um criador de conteúdo e é meu trabalho entretê-las." Depois, ele acrescenta: "prometemos não fazer de novo". No vídeo em que pedem desculpas, os dois influencers estão de máscaras.

Flexões como punição

Enquanto isso, alguns policiais parecem ter adotado uma abordagem mais criativa para punir aqueles que infringem a lei: um canal de notícias australiano relatou que dois turistas foram obrigados a fazer flexões como punição por terem afrouxado a máscara.

As autoridades confirmaram ao canal que emitiram 8.864 multas por descumprimento de máscara em Bali em uma única semana. A ilha é muito popular entre os turistas estrangeiros e muitos optaram por enfrentar a pandemia lá, em vez de retornar aos seus países de origem.

A Indonésia tem mais de 1,6 milhão de casos diagnosticados do vírus e cerca de 45 mil mortes. Bali, que depende muito do turismo, esperava começar a permitir visitantes estrangeiros em setembro de 2020, mas a situação da pandemia até agora deixou a ilha sem um plano de reabertura.

(Esse texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)