EUA inicia exportação de doses da Pfizer fabricadas no país; México é 1º da fila

Estados Unidos preveem não ser mais necessário contar a vacina AstraZeneca para cumprir sua meta de vacinar todos os americanos até o verão

Reuters
30 de abril de 2021 às 09:47 | Atualizado 30 de abril de 2021 às 14:50

O embarque da vacina da Pfizer contra a Covid-19 para o México nesta semana inclui doses feitas em sua fábrica nos EUA, a primeira remessa do que se espera que sejam as exportações em larga escala de suas vacinas dos Estados Unidos, conforme informações de fonte familiarizada reveladas à Reuters na quinta-feira (30).

A remessa da vacina, produzida na fábrica da Pfizer em Kalamazoo, Michigan, marca a primeira vez que a farmacêutica entrega no exterior doses fabricadas a partir das instalações dos EUA, depois que uma restrição da era Trump sobre as exportações de doses expirou no final de março.

O governo dos EUA tem estado sob crescente pressão nas últimas semanas para fornecer vacinas excedentes a outras nações que precisam desesperadamente, à medida que avança rapidamente na vacinação de seus próprios residentes. Muitos países onde o vírus ainda é galopante estão lutando para adquirir suprimentos de vacinas para ajudar a controlar a pandemia.

Governos ricos têm tentado estocar injeções de Covid-19 da Pfizer e Moderna Inc por causa de sua eficácia extremamente alta e depois de preocupações de segurança e problemas de produção que marginalizaram temporariamente as vacinas da AstraZeneca Plc e Johnson & Johnson.

A Pfizer já despachou mais de 10 milhões de doses para o México, tornando-se seu maior fornecedor de vacinas contra a Covid-19.

A Pfizer e o parceiro alemão BioNTech têm fornecido a outros países doses de sua principal fábrica de produção europeia, na Bélgica.

O ministério da saúde do México disse que está recebendo 2 milhões de doses da Pfizer esta semana. E já recebeu mais de um milhão de doses da Bélgica desde quarta-feira e espera cerca de outro milhão esta semana. A Reuters não pôde confirmar se todas as doses restantes da Pfizer viriam de Michigan.

A Pfizer usará capacidade extra em suas instalações nos EUA para entregar injeções no exterior enquanto continua a cumprir seu compromisso de fornecer aos Estados Unidos, disse a fonte, acrescentando que a farmacêutica também fará remessas da Bélgica.

A Pfizer disse que produzirá até 25 milhões de doses por semana nos Estados Unidos até o meio do ano, o que é mais do que precisa para cumprir seu compromisso de entregar 300 milhões de doses aos Estados Unidos até o final de julho.

A empresa espera produzir até 2,5 bilhões de doses de vacina em 2021 e já tem acordos para fornecer mais de um bilhão a governos em todo o mundo.

Um acordo que a Pfizer assinou com a Casa Branca no ano passado a impedia de enviar doses feitas nos Estados Unidos para outros países até depois de 31 de março, de acordo com a fonte e uma autoridade americana, que não quis ser identificada porque não estava autorizada a falar para a imprensa.

A campanha de vacinação dos EUA está entre as mais rápidas e bem-sucedidas do mundo, com quase 240 milhões de vacinas administradas a mais de 140 milhões de residentes até agora, de acordo com dados federais atualizados na quinta-feira.

A Casa Branca disse na segunda-feira que exportaria até 60 milhões de doses da vacina COVID-19 da AstraZeneca, que foram feitas em uma instalação dos EUA, para países necessitados.

Autoridades disseram na segunda-feira (26) que os Estados Unidos preveem não ser mais necessário contar a vacina AstraZeneca para cumprir sua meta de vacinar todos os americanos até o verão

O governo dos EUA disse no domingo que enviará imediatamente matérias-primas para as vacinas Covid-19, equipamentos médicos e equipamentos de proteção para a Índia, que se tornou o mais recente epicentro da pandemia com seu sistema de saúde à beira do colapso. No entanto, o país ainda não prometeu embarques de vacinas concluídas para a Índia.