Anti-golpistas de Mianmar recuam de cidade enquanto os EUA fazem apelo

Combatentes de uma milícia local deixaram cidade enquanto Estados Unidos e Grã-Bretanha exortaram o exército a evitar baixas civis

Da Reuters
16 de maio de 2021 às 17:06 | Atualizado 16 de maio de 2021 às 17:21
Manifestantes se protegem contra o exército de Mianmar
Manifestantes se protegem contra o exército de Mianmar
Foto: Hkun Lat/Getty Images

Os combatentes de uma milícia local que se opõe à junta de Mianmar retiraram-se da cidade de Mindat, no noroeste, após dias de ataque por tropas de combate apoiadas pela artilharia, disse um membro do grupo neste domingo (16).

Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha exortaram o exército a evitar baixas civis e um governo de Unidade Nacional formado por partidários do líder eleito detido em Mianmar, Aung San Suu Kyi, apelou por ajuda internacional. Um porta-voz da junta não respondeu a pedidos de comentários.

Os combates na cidade montanhosa de Mindat, a cerca de 100 km (60 milhas) da fronteira indiana no estado de Chin, são alguns dos mais pesados desde que o golpe mergulhou Mianmar no caos com protestos diários, greves e o surgimento de novas milícias locais.

"Para evitar o confronto, recuamos por causa da preocupação com os danos à cidade", disse um lutador, acrescentando que apenas mulheres e crianças permaneceram na cidade de mais de 40.000 habitantes, que agora está amplamente ocupada pelo exército.

"Como todos os meninos e homens estão envolvidos nessa luta, todos eles estão fugindo."O site RFA (Radio Free Asia), financiado pelos EUA, citou um membro do grupo dizendo que cinco de seus combatentes foram mortos, mas acreditava que havia infligido perdas várias vezes mais do que o exército, amplamente conhecido como Tatmadaw.

O site de notícias local Chinworld disse que a Força de Defesa de Chinland capturou três policiais de trânsito e um "informante" e os executaria se o exército não libertasse os prisioneiros jin.

A Reuters não conseguiu entrar em contato com o grupo para comentar e não houve confirmação independente de que havia feito prisioneiros.

A televisão Myawaddy, controlada pelo exército, disse no sábado que algumas forças de segurança foram mortas e outras desaparecidas após ataques de "pessoas sem escrúpulos" em Mindat.

No domingo, ele relatou dois outros ataques às forças de segurança no último dia - um em Kanpetlet, também no estado de Chin, e outro em Shwegu, no norte de Mianmar.

Chin é um estado de maioria cristã em um país predominantemente budista.

Nova força

Os combates em Mindat marcam o surgimento da Força de Defesa de Chinland, um dos vários novos grupos que surgiram em oposição à junta em um país que já tinha cerca de duas dezenas de grupos armados étnicos.

Os combatentes também dizem que fazem parte das Forças de Defesa Popular do governo sombra, que apelou à ajuda da comunidade internacional.

"Estamos tristes por não podermos proteger as pessoas em Mindat. Saúdo os heróis em Mindat, bem como as pessoas em Mianmar que arriscam suas vidas para resistir à opressão brutal da junta", disse seu primeiro-ministro, Mahn Win Khaing Than, em uma mensagem.

"Esperamos que o povo entenda que levará tempo para treinar e equipar o exército."As embaixadas dos EUA e do Reino Unido em Mianmar expressaram preocupação com os civis em Mindat." O uso de armas de guerra pelos militares contra civis, incluindo esta semana em Mindat, é mais uma demonstração das profundezas que o regime irá afundar para se manter no poder", disse a embaixada dos EUA em um comunicado.

“Apelamos aos militares para que cessem a violência contra os civis”.A missão britânica disse que as evidências das atrocidades devem ser enviadas aos investigadores da ONU "para que os perpetradores possam ser responsabilizados".

A Human Rights Watch, sediada em Nova York, temia prisões arbitrárias, tortura, retaliação contra famílias de militantes e outros abusos, disse o vice-diretor da Ásia, Phil Robertson, em um comunicado.

As nações ocidentais lideraram a condenação da junta e aplicaram sanções limitadas desde que ela assumiu o poder, alegando fraude em uma eleição vencida pelo partido de Suu Kyi em novembro.

Suas alegações de irregularidades foram rejeitadas pela comissão eleitoral. Pelo menos 790 pessoas foram mortas pelas forças de segurança da junta em repressão aos protestos contra seu governo, afirma o grupo ativista Associação de Assistência a Presos Políticos.

Os militares, que contestam esse número, impõem restrições rígidas à mídia, à informação e à Internet. A Reuters não pode verificar de forma independente o número de prisões e vítimas.

*Edição de Matthew Tostevin, Clarence Fernandez e Alex Richardson.