Lukashenko afirma que 'malfeitores' tentam prejudicar Belarus

O presidente do país defendeu ainda a forma como a ex-república soviética lidou com o pouso forçado do vôo da Ryanair no domingo (23)

Reuters
26 de maio de 2021 às 11:31 | Atualizado 26 de maio de 2021 às 19:44

O presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, acusou os "malfeitores" de seu país nesta quarta-feira (26) de tentar 'estrangular' Belarus, em seus primeiros comentários desde o pouso forçado de um avião de passageiros que gerou indignação internacional.

Lukashenko defendeu a forma como a ex-república soviética lidou com o pouso forçado do voo da Ryanair no domingo e acusou aqueles que criticaram a ação de "cruzar as linhas vermelhas" e abandonar o bom senso em seus ataques a Belarus.

As companhias aéreas redirecionaram os voos para evitar o espaço aéreo do país na terça-feira e os aviões bielorrussos enfrentaram uma possível proibição da Europa, enquanto a indignação internacional aumentava sobre o pouso forçado de um avião e a prisão de um jornalista que estava a bordo.

O controle aéreo bielorrusso aconselhou o voo da Ryanair de Atenas a Vilnius a desviar para Minsk, de acordo com uma transcrição, devido ao que acabou sendo uma ameaça de bomba fraudulenta. Belarus também ordenou um jato de combate MiG-29 para escoltar o avião de passageiros.

Presidente de Belarus, Alexander Lukashenko discursa em Minsk
Foto: Stringer/Reuters (16.ago.2020)

As autoridades bielorrussas detiveram rapidamente Roman Protasevich, um jornalista dissidente que viajava a bordo do avião, junto com sua namorada. Ambos enfrentam acusações criminais.

Protestos em massa eclodiram contra o presidente Alexander Lukashenko no verão passado depois que ele declarou vitória em uma eleição presidencial que seus oponentes disseram ter sido fraudada. Os atos perderam força após forte repressão do governo.

O líder exilado da oposição Sviatlana Tsikhanouskaya disse na quarta-feira que a oposição estava se preparando para encenar uma nova fase de protestos ativos contra o governo em Belarus.