Centenas de Tigrayans detidos na Etiópia são liberados após reportagem da CNN

Centenas de homens estavam detidos por forças da Etiópia e Eritreia na região do Tigray

Nima Elbagir, Barbara Arvanitidis, Katie Polglase e Gianluca Mezzofiore, da CNN
28 de maio de 2021 às 12:25
Imagem de satélite mostra multidão fora de centro em Shire, Etiópia
Imagem de satélite mostra multidão fora de centro em Shire, Etiópia
Foto: Satellite image ©2021 Maxar Technologies (27.mai.2021)

Centenas de homens na região inquieta de Tigray, na Etiópia, foram libertados na noite de quinta-feira (27), disseram testemunhas e trabalhadores humanitários, após uma reportagem da CNN sobre a detenção deles que gerou protestos internacionais.

Falando à CNN em condição de anonimato, temendo por sua segurança, as fontes disseram que os soldados haviam libertado todos, exceto um "punhado" dos homens, que foram detidos na segunda-feira por forças da Etiópia e da Eritreia que operam na região.

Uma reportagem da CNN publicada na quinta-feira descobriu que centenas de homens foram presos em Shire, uma cidade em Tigray, na segunda-feira desta semana. Testemunhas descreveram, sob condição de anonimato, como soldados etíopes e eritreus espancaram e assediaram os homens. Eles também disseram que os soldados invadiram pelo menos dois abrigos para pessoas desabrigadas pelo conflito, incluindo uma escola abandonada, antes de gritarem: "Vamos ver se a América vai salvá-lo agora!"

Um trabalhador humanitário disse à CNN que os soldados acusaram os detidos de serem membros da Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), o grupo rebelde que lidera a resistência contra as forças do governo etíope e seus aliados.

"Os soldados ficavam nos dizendo que eles faziam isso porque esses homens eram TPLF, mas a invasão foi indiscriminada. Como você sabia quem era TPLF e quem não era?" disse o trabalhador humanitário.

Um detido libertado descreveu abusos físicos cometidos por soldados etíopes e eritreus enquanto estavam sob custódia.

"Eles nos tiram um por um e nos torturam", disse o homem. "Esta é a terceira vez que sou derrotado por soldados como este. As pessoas aqui começam a correr e ficam assustadas cada vez que vêem alguém vestindo uniforme militar. O mundo tem que ouvir nossos gritos e fazer alguma coisa - estamos vivendo no terror".

Testemunhas e trabalhadores humanitários dão crédito aos relatos da mídia e ao clamor internacional que se seguiu pela libertação dos homens.

"O fato de a CNN ter relatado isso, a ONU e o então senador [Coons] falaram sobre isso, claramente os fez saber que estão sendo vigiados", disse ele, referindo-se ao senador norte-americano Chris Coons, que viajou à Etiópia em março como emissário pessoal do presidente Joe Biden.

A CNN compartilhou seu relatório com Coons na quinta-feira (27). O senador então levantou a questão durante uma audiência do Comitê de Relações Exteriores do Senado sobre a Etiópia, pedindo "responsabilidade" pela detenção em massa.

Babar Baloch, porta-voz do Acnur, a agência de refugiados da ONU, disse a repórteres em Genebra na sexta-feira que as autoridades haviam indicado que mais detidos seriam libertados nos próximos dias, dizendo que a agência de refugiados estava "profundamente alarmada" com os relatos das detenções. A ONU disse que não foi capaz de verificar esta afirmação de forma independente.

“Como a agência encarregada de liderar a proteção dos deslocados internos, o Acnur entrou imediatamente em contato com as autoridades etíopes e continuamos a levantar preocupações urgentes com as autoridades pela segurança das pessoas removidas do campo”, disse Baloch.

Ele pediu a todas as partes no conflito que garantam que os civis deslocados em abrigos permaneçam protegidos lá.

(Texto traduzido, leia o original em inglês)