Trump critica Fauci e flerta com eleições em 2024

Ex-presidente dos EUA falou durante convenção do partido Republicano, na Carolina do Norte, neste sábado (6); ele voltou a atacar a China e os democratas

Reuters
06 de junho de 2021 às 13:08 | Atualizado 06 de junho de 2021 às 13:13
Ex-presidente dos EUA Donald Trump durante conferência em Orlando
Ex-presidente dos EUA Donald Trump durante conferência em Orlando
Foto: Joe Skipper/Reuters (28.fev.2021)

Em evento do partido Republicano, o ex-presidente dos EUA Donald Trump atacou duramente um dos maiores especialistas em doenças infecciosas do país, Anthony Fauci, exigiu reparações da China e denunciou uma investigação sobre suas finanças na noite deste sábado (5).

Discursando em Greenville, na Carolina do Norte, durante a convenção estadual do Partido Republicano, Trump se juntou a um coro de políticos republicanos que estão criticando Fauci por pedir aos americanos que usem máscaras para se proteger contra o coronavírus e que, às vezes, tem se mostrado cético quanto à teoria de que o vírus escapou de um laboratório em Wuhan, naa China.

Trump chamou Fauci de "não um grande médico, mas um grande promotor" por suas frequentes aparições na televisão. "Ele estava errado em quase todos os problemas e ele estava errado sobre Wuhan e sobre o laboratório também", disse Trump. A origem do vírus segue fortemente contestada e é estudada pelas agências de inteligência dos Estados Unidos.

A maneira como Trump lidou com a pandemia, na qual quase 600 mil pessoas morreram nos Estados Unidos e ele próprio foi infectado, foi um fator em sua derrota para o presidente democrata, Joe Biden, nas eleições de novembro de 2020. Trump pediu à China que pague US$ 10 trilhões em indenizações aos Estados Unidos e ao mundo por seu próprio tratamento do vírus e disse que as nações deveriam cancelar sua dívida com Pequim.

A aparição de Trump no evento tinha todas as características de seus comícios de campanha.

O presidente do Partido Republicano da Carolina do Norte, Michael Whatley, apresentou Trump como "nosso presidente", um aceno às alegações infundadas do ex-presidente de que a eleição de 2020 foi roubada por meio de fraude eleitoral, o que Trump classifica como "o crime do século".

Trump disse que uma investigação criminal lançada pelo gabinete da procuradora-geral de Nova York é "a derradeira" tentativa dos democratas de derrubá-lo após duas sagas por seu impeachment quando ele era presidente.

"Foi uma caça às bruxas de cinco anos, farsa após farsa", disse Trump. "Eles nunca vão parar até novembro de 2024." A procuradora-geral de Nova York, Letitia James, tem investigado se a Trump Organization relatou falsamente os valores das propriedades para garantir empréstimos e obter benefícios econômicos e fiscais.

Trump prometeu ajudar os Republicanos nas eleições legislativas de 2022 e endossou o representante dos EUA, Ted Budd, para uma cadeira no Senado dos EUA na Carolina do Norte depois que sua nora, Lara Trump, disse que ela não iria concorrer.

Donald Trump
Foto: Carlos Barria/Reuters (13.nov.2020)

No evento, ele ainda acenou para uma possível candidatura à presidência em 2024, dizendo que estava ansioso. Os conselheiros dizem que Trump, que enfrenta uma potencial acusação em Nova York por causa de seus negócios, tem discutido a possibilidade de outra campanha presidencial.

Trump saiu da reclusão para o evento deste sábado, o primeiro de uma série planejada de palestras neste verão. “A sobrevivência da América depende de nossa capacidade de eleger republicanos em todos os níveis, começando com as eleições do próximo ano”, disse Trump.

Lara Trump anunciou no palco que havia considerado concorrer à cadeira no Senado da Carolina do Norte, mas optou por não fazê-lo em 2022 para cuidar de seus filhos pequenos. Ela, no entanto, não descartou uma corrida no futuro.