Prestes a deixar o comando de Israel, Netanyahu luta para permanecer no poder

A linguagem do mandatário lembra os infundados argumentos do ex-presidente Donald Trump após perder a eleição de 2020 nos EUA

Oren Liebermann, da CNN*
12 de junho de 2021 às 11:25 | Atualizado 12 de junho de 2021 às 11:33
Binymin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Binymin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Foto: Gali Tibbon / Reuters (16.fev.2020)

No que pode vir a ser seu último fim de semana como primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu está se preparando para uma luta final para permanecer no poder e estender seus 12 anos consecutivos no comando do país.

Na semana passada, Netanyahu acusou o homem designado para substituí-lo, Naftali Bennett, de cometer "a maior fraude eleitoral da história do país" e de estabelecer um governo "perigoso".

A linguagem do mandatário lembra os infundados argumentos do ex-presidente Donald Trump após perder a eleição de 2020 nos EUA. O partido Likud, do qual Bibi faz parte, suavizou as alegações de fraude eleitoral na quinta-feira, mas apenas ligeiramente.

Em vez de dizer que houve erros na contagem de votos ou fraude sistêmica, o partido postou no Twitter que "Bennett sequestrou votos da direita e os mudou para a esquerda, em contradição direta com suas promessas [de campanha]. Se isso não é fraude, não sabemos o que é. "

Em outra postagem do Twitter compartilhada por Netanyahu, o Likud disse que haveria uma transição pacífica de poder para um novo governo. "Sempre houve uma transferência pacífica de poder em Israel e sempre haverá", escreveu o Likud. O partido afirmou, sem apontar culpados, que as palavras de Netanyahu foram "distorcidas".

Mas isso não significa que o primeiro-ministro esteja resignado com sua derrota ou deixando a residência oficial na rua Balfour em Jerusalém. Netanyahu repetidamente se retratou como o único que pode manter Israel a salvo de inimigos no Irã, Gaza e Líbano.

No Knesset (Parlamento) de Israel, que possui 120 postos, Bennett tem uma maioria mínima de 61 assentos.

Netanyahu e seus aliados têm trabalhado para pressionar os políticos dos partidos de direita Yamina e New Hope a votarem contra o novo governo de Bennett em uma votação marcada para a tarde de domingo (13).

Se Bennett perder a votação, seu esforço para destituir o homem para quem trabalhou terá fracassado, provavelmente enviando Israel à sua quinta eleição em dois anos e meio. Mas o fracasso deixaria Netanyahu como primeiro-ministro interino, um título que ele manteve durante a maior parte da recente turbulência política de Israel.

Como parte de sua campanha de pressão contra Bennett, Netanyahu tweetou no início desta semana: "Quem está certo não vota por um governo de esquerda, e quem quer que seja por um governo de esquerda não está certo."

Bennett apoiou sua coalizão quando um membro de seu próprio partido Yamina, considerado um dos mais propensos a desertar e afundar o governo nascente, prometeu seu apoio na terça-feira (8).

No domingo (6), Bennett exortou o antigo líder de Israel a apoiar uma transição ordenada de poder e não deixar "terra arrasada" para trás.

"Isso não é uma catástrofe, não é um desastre. É uma mudança de governo. Um evento comum e usual em qualquer país democrático", disse Bennett em uma entrevista coletiva na noite de domingo no Parlamento. "O sistema no estado de Israel não é monárquico. Ninguém tem o monopólio do poder."

Netanyahu ainda não admitiu publicamente a derrota a seu ex-chefe de gabinete, plenamente ciente das oportunidades que ainda tem de encontrar fissuras para explorar no governo de Bennett. A coalizão deve ser a mais diversa da história de Israel, incluindo partidos de direita, esquerda e árabes.

Mas a aliança de oito partidos diferentes, cada um com seus próprios interesses díspares, pode ter poucos pontos em comum para mantê-la unida, exceto seu desejo de remover Netanyahu do cargo.

A unidade do governo de Bennett enfrentará seu primeiro grande teste na tarde de domingo, quando o Knesset se reunirá para debater as prioridades e políticas da coalizão antes da tomada de posse.

O debate deve durar algumas horas, durante as quais Netanyahu e seus aliados tentarão encontrar pontos de pressão para afastar um partido do outro. Só então o presidente do Knesset, membro do partido Likud de Netanyahu, dará o voto de confiança.

Será um momento crítico, que não só decide o líder do país, mas também revela se Netanyahu, há muito considerado o "mágico" da política israelense, tem mais uma peça para jogar.

*Texto traduzido, clique aqui para ler o conteúdo original