90% dos tubarões foram extintos em evento misterioso há 19 milhões de anos

Pesquisa afirma, no entanto, que é improvável que essa perda possa ser atribuída a outro predador, a menos que seja um que não tenha nenhum registro fóssil

Alaa Elassar, da CNN*
13 de junho de 2021 às 12:16 | Atualizado 13 de junho de 2021 às 12:19
Tubarão mais velho da Groelândia
Tubarão mais velho do mundo tem 400 anos e é típico da Groenlândia
Foto: Divulgação

Cerca de 19 milhões de anos atrás, cerca de 90% dos tubarões de oceano aberto morreram, e os cientistas não sabem o que ocorreu. A recente descoberta deixou os pesquisadores atordoados, incapazes de explicar a imensa perda ou o motivo da morte de um dos predadores mais poderosos do oceano.

Tudo começou quando a cientista Elizabeth Sibert e sua equipe estavam tentando descobrir mais sobre a abundância de peixes e tubarões nos últimos 80 milhões de anos, de acordo com um estudo divulgado em 3 de junho.

"Nós tropeçamos nisso completamente por acidente porque o que vimos foi que tudo era bastante estável até cerca de 20 milhões de anos, quando os tubarões diminuíram em abundância em mais de 90%", disse Sibert, oceanógrafo e paleontólogo da Universidade de Yale, à CNN.

"Descobrimos que os tubarões estavam se saindo incrivelmente bem em mar aberto até o momento em que praticamente desapareceram. Não tínhamos ideia porque ninguém nunca havia olhado para isso."

Na época, havia dez vezes mais tubarões nadando nos oceanos do mundo do que vemos hoje. A perda também foi o dobro do número de tubarões que foram extintos durante a extinção em massa do Cretáceo-Paleógeno, 66 milhões de anos atrás, "que exterminou três quartos das espécies vegetais e animais da Terra", de acordo com o comunicado do estudo.

"Nós realmente não sabemos de nada", disse Sibert. "Este intervalo particular na história da Terra não é tão bem preservado nos sedimentos do fundo do mar que olhamos. É difícil encontrar locais adequados para fazer estudos adicionais." Sibert e sua equipe têm poucas teorias.

Como os tubarões estão intimamente ligados ao ambiente em que vivem, é provável que tenha ocorrido uma intensa mudança ambiental que exterminou milhões de espécies. É improvável que a perda possa ser atribuída a outro predador, a menos que seja um que não tenha nenhum registro fóssil existente.

"É possível que algo grande tenha acontecido, mas o que quer que seja, foi muito rápido", disse Sibert. "O sistema da Terra foi capaz de corrigir isso, mas esses grandes predadores, esses tubarões que viviam em mar aberto, devem ter sido muito suscetíveis a essa rápida mudança ambiental. Mas isso ainda é apenas uma hipótese."

Os pesquisadores não sabem quanto tempo levou para erradicar os tubarões. Pode ter acontecido em um único dia, ou talvez 50 anos, ou mesmo 100 mil anos, de acordo com Sibert.

Como os tubarões viviam nas profundezas do oceano e longe da terra, e como o fundo do mar não preserva os corpos de uma forma que possam ser levantados e expostos na terra, as amostras que os cientistas encontraram descobriram organismos que nunca tinham visto antes.

Embora os fósseis encontrados confirmem que se tratam de tubarões, os pesquisadores não têm como saber como eram os tubarões.

"Como a maioria dos empreendimentos de pesquisa, este primeiro artigo oferece mais perguntas do que pode responder, e planejamos investigar a amplitude dos dentículos de dados (escalas em forma de V) oferecidos por meio de um conjunto variado de lentes, da hidrodinâmica à ecologia", disse Leah Rubin, coautora do estudo.

"O estado atual do declínio das populações de tubarões é certamente motivo de preocupação", disse ela, "e este artigo ajuda a colocar esses declínios no contexto das populações de tubarões nos últimos 40 milhões de anos. Este contexto é um primeiro passo vital para entender quais repercussões pode seguir declínios dramáticos nesses predadores marinhos nos tempos modernos."

A descoberta deixou os pesquisadores com muitas perguntas sem resposta: esse fenomônio impactou outros tubarões em outras partes do oceano ao mesmo tempo? Ele impactou outras criaturas que vivem no oceano ou na terra? E, mais importante, o que aconteceu exatamente?

"Esperamos que nosso estudo desperte o interesse do resto da comunidade científica para explorar este intervalo de tempo", disse Sibert. "Algo realmente grande deve ter acontecido porque impactou este grupo realmente incrível de organismos que existiram e, francamente, sobreviveram a grandes mudanças globais nos últimos 400 milhões de anos."

*Este texto é uma tradução; para ler o original em inglês, clique aqui.