Pelo menos 64 pessoas morrem em incêndio em hospital no Iraque

Sistema de saúde do país tem lutado para lidar com a crise da Covid-19, que matou 17.592 pessoas e infectou mais de 1,4 milhão

Por Ahmed Rasheed e Maher al-Saih, da Reuters
13 de julho de 2021 às 07:33 | Atualizado 13 de julho de 2021 às 07:46

Pelo menos 64 pessoas morreram e 67 ficaram feridas em um incêndio provavelmente causado pela explosão de um tanque de oxigênio em um hospital de coronavírus na cidade de Nassiriya, no sul do Iraque, disseram autoridades de saúde e policiais na segunda-feira.

Enquanto as equipes de resgate vasculhavam o prédio carbonizado em busca de mais corpos, o primeiro-ministro Mustafa al-Kadhimi manteve reuniões urgentes com ministros e ordenou a suspensão e prisão de gerentes de saúde e defesa civil em Nassiriya, disse seu gabinete em um comunicado.

O gerente do hospital também foi suspenso e condenado à prisão, acrescentou o comunicado.

Já dizimado pela guerra e sanções, o sistema de saúde do Iraque tem lutado para lidar com a crise do coronavírus, que matou 17.592 pessoas e infectou mais de 1,4 milhão.

"Equipes de saúde carregaram corpos carbonizados para fora do hospital em chamas enquanto muitos pacientes tossiam com a fumaça que subia", disse um repórter da Reuters no local do incêndio.

Autoridades de saúde em Nassiriya disseram que as operações de busca no hospital al-Hussain coronavirus continuaram depois que o incêndio foi controlado, mas a fumaça densa estava dificultando a entrada em algumas das enfermarias queimadas.

"Incêndios violentos prenderam muitos pacientes dentro da enfermaria de coronavírus e as equipes de resgate estão lutando para alcançá-los", disse um trabalhador da saúde à Reuters antes de entrar no prédio em chamas.

Relatórios policiais iniciais sugeriram que uma explosão no tanque de oxigênio dentro das enfermarias Covid-19 do hospital foi a causa provável do incêndio, disse um policial no local do incêndio.

"Eu ouvi uma grande explosão dentro das enfermarias do coronavírus e então o fogo irrompeu muito rapidamente", disse Ali Muhsin, um guarda do hospital que estava ajudando a afastar pacientes feridos de incêndios.

Em abril, um incêndio causado pela explosão de um tanque de oxigênio em um hospital Covid-19 em Bagdá matou pelo menos 82 pessoas e feriu outras 110.

Fontes de saúde disseram anteriormente que o número de mortos no incêndio de segunda-feira pode aumentar, já que muitos pacientes ainda estão desaparecidos. Dois trabalhadores da saúde estavam entre os mortos, disseram.

Parentes furiosos se reuniram em frente ao hospital e entraram em confronto com a polícia, colocando fogo em dois veículos policiais, disse uma testemunha da Reuters.

Cansados da violência política, os iraquianos também sofrem acidentes frequentes devido ao subinvestimento, corrupção e infraestrutura destruída. Durante a crise do coronavírus, os hospitais lutaram com um fluxo de pacientes e suprimentos escassos.

"Funcionários corruptos devem ser responsabilizados pelo incêndio e pela morte de pacientes inocentes. Onde está o corpo do meu pai", disse um jovem enquanto procurava entre os corpos carbonizados enrolados em cobertores no pátio do hospital.

(Reportagem de Maher al-Saih em Nassiriya e Ahmed Rasheed em Bagdá; reportagem adicional de Alaa Swilam e Nayera Abdallah no Cairo; escrita de Ahmed Rasheed; Edição de Richard Pullin e Stephen Coates)