China poderá em breve ter o improvável apoio do Talibã na Ásia Central

Interesses da China na região criam possibilidade de apoio ao grupo extremistra afegão

Ben Westcott, da CNN, em Hong Kong
14 de julho de 2021 às 08:49
Musa Qala, cidade no Afeganistão controlada pelo Talibã
Musa Qala, cidade na província de Helmand, no Afeganistão, é controlada pelo Talibã
Foto: CNN

Uma coisa é um governo acusado de deter mais de 1 milhão de muçulmanos em um vasto sistema de campos de internamento. O outro é um dos grupos militantes islâmicos mais rígidos do mundo. No entanto, apesar de suas diferenças, o Partido Comunista Chinês e o Talibã podem em breve trabalhar juntos, pelo menos provisoriamente.

Após a retirada das tropas americanas do Afeganistão, o Talibã está novamente ressurgindo, assumindo o controle de grandes áreas do país.

 A velocidade com que as forças de segurança afegãs perderam o controle para o Talibã chocou muitos e gerou temores de que a capital Cabul possa ser a próxima a cair.

O grupo islâmico já está planejando esse futuro, com um porta-voz do Talibã dizendo ao South China Morning Post de Hong Kong no início desta semana que a China era um "amigo bem-vindo" e que as conversas sobre a reconstrução deveriam começar "o mais rápido possível".

A possibilidade de o governo chinês cooperar com o Talibã em um Afeganistão pós-EUA não é tão improvável quanto pode parecer à primeira vista.

O Afeganistão continua sendo um componente-chave nos planos de desenvolvimento regional de longo prazo de Pequim.

Em maio, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que Pequim estava em negociações com Islamabad e Cabul para estender o Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC) ao Afeganistão, incluindo a expansão das redes de transporte e comércio entre os três países.

A China também não se opõe a lidar com o Talibã, tendo dado as boas-vindas públicas ao grupo militante em Pequim em setembro de 2019 para negociações de paz.

O Talibã, entretanto, deixou claro que estaria disposto a ignorar quaisquer queixas percebidas, com um porta-voz dizendo ao Wall Street Journal no início deste mês que o grupo não tinha interesse em criticar a China por sua suposta repressão às minorias muçulmanas em Xinjiang.

"Nós nos preocupamos com a opressão dos muçulmanos ... Mas o que não vamos fazer é interferir nos assuntos internos da China", disse ele.

O senador paquistanês Mushahid Hussain, presidente do Instituto Paquistão-China, disse à CNN que o Talibã foi mais "castigado e pragmático" do que durante seu tempo anterior no poder, e os islamistas viam a China como um "participante confiável" no Afeganistão.

"(Se eles assumissem o poder), eles precisariam do apoio chinês para a estabilidade e reconstrução do Afeganistão. Irritar a China é uma receita de desastre para o Talibã", disse ele.

Qualquer deterioração na situação de segurança do Afeganistão também seria uma preocupação significativa para Pequim, que investiu pesadamente na Ásia Central através de seu esquema de comércio e infraestrutura de Belt and Road.

Nos últimos anos, militantes islâmicos atacaram cidadãos chineses e seus interesses na província paquistanesa de Baluchistão, que faz fronteira com o Afeganistão.

A perspectiva de mais violência provavelmente criará inquietação em Pequim, assim como o espectro de militantes chineses locais encontrando refúgio nas áreas de fronteira sem lei do Afeganistão.

Até agora, o governo chinês não respondeu publicamente aos avanços do Talibã. O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, está visitando o Turcomenistão, o Tadjiquistão e o Uzbequistão esta semana e deve discutir a questão do Afeganistão com seus colegas durante a viagem.

No entanto, em uma postagem amplamente compartilhada na mídia social, Hu Xijin, editor do tabloide nacionalista estatal Global Times, disse que o Talibã considerava a China um "amigo".

Seu jornal, por sua vez, sugeriu que os meios de comunicação ocidentais estavam tentando arruinar o relacionamento do Talibã com Pequim, levantando questões sobre Xinjiang.

"O Ocidente realmente não se importava com os direitos humanos dos uigures de Xinjiang. Em vez disso, esperava semear a discórdia entre Pequim e o Talibã", disse o artigo.

*Reportagem adicional de Sophia Saifi.

(Textro traduzido. Leia aqui o original.)