Tóquio registra 1.149 novos casos de Covid-19, maior número em seis meses

Variantes de vírus altamente contagiosas alimentaram a última onda de infecções, e a falha em vacinar as pessoas rapidamente tornou a população mais vulnerável

Da Reuters
14 de julho de 2021 às 07:21 | Atualizado 14 de julho de 2021 às 07:24
Pessoa com máscara e face shield em frente à símbolos das Olimpíadas, em Tóquio
A pandemia mudou as expectativas para as Olimpíadas de Tóquio
Foto: REUTERS/Issei Kato

Tóquio, cidade-sede das Olimpíadas do Japão, onde um estado de emergência foi imposto até o final dos Jogos, em 8 de agosto, registrou 1.149 novos casos de Covid-19 nesta quarta-feira (14), o maior em quase seis meses. Variantes de vírus altamente contagiosas alimentaram a última onda de infecções, e a falha em vacinar as pessoas mais rapidamente tornou a população mais vulnerável.

Os especialistas médicos estão preocupados de que as "bolhas" olímpicas, impostas pelos oficiais olímpicos de Tóquio 2020 em um esforço para impedir a entrada da Covid-19, possam não ser completamente estouradas, já que a movimentação de funcionários que prestam serviços aos Jogos pode criar oportunidades de infecção.

As Olimpíadas perderam muito apoio público no Japão por causa do temor de que causariam um surto de infecções, embora nenhum espectador tenha permissão para entrar nas instalações esportivas.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, elogiou os organizadores e o povo japonês por organizarem os Jogos em meio à pandemia.

"Estes serão Jogos Olímpicos históricos ... pela maneira como o povo japonês superou tantos desafios nos últimos dois anos, o grande terremoto no leste do Japão e agora a pandemia de coronavírus", disse Bach a repórteres após se encontrar com o primeiro-ministro Yoshihide Suga.

Quando o Japão foi premiado com os Jogos em 2013, esperava-se que fossem uma celebração da recuperação de um terremoto mortal, tsunami e acidente nuclear em 2011.

Quando os jogos foram adiados no ano passado, os líderes japoneses esperavam que fosse uma celebração da vitória mundial sobre o coronavírus, mas essas comemorações foram suspensas porque muitos países lutam com novos surtos de infecções.

Bach reiterou que medidas estritas contra o coronavírus estavam "em vigor e são aplicadas e estão funcionando", referindo-se a extensos testes.

Olimpíada ‘perde’ estrelas

O aglomerado de coronavírus no hotel dos brasileiros foi encontrado durante a triagem de rotina exigida antes que a equipe começasse a trabalhar, disse o funcionário municipal Yoshinobu Sawada.

Muitas delegações olímpicas já estão no Japão e vários atletas tiveram resultados positivos na chegada.

Membros da equipe sul-africana de rúgbi estão isolados após a chegada, pois se acredita terem tido contatos próximos com um caso em seu voo, disse a cidade de Kagoshima, que está hospedando a equipe.

Os 21 membros da equipe sul-africana deveriam permanecer na cidade a partir de quarta-feira, mas o plano foi interrompido até novo conselho das autoridades de saúde, disse o oficial da cidade Tsuyoshi Kajihara.

O interesse global nas Olimpíadas de Tóquio tem diminuído, uma pesquisa da Ipsos em 28 países mostrou, em meio a preocupações com a Covid-19 no Japão e retiradas de atletas de alto perfil, com o país anfitrião entre os mais desinteressados.

A pesquisa divulgada na terça-feira encontrou uma média global de 46% de interesse nos Jogos, e no Japão 78% de as pessoas eram contra a realização dos Jogos.

Com os espectadores impedidos de participar de todos os eventos olímpicos em Tóquio e nas regiões vizinhas, as autoridades estão pedindo às pessoas que assistam aos Jogos pela televisão e mantenham seus movimentos o mínimo possível.

"Bilhões de pessoas em todo o mundo ficarão grudadas em suas telas e admirarão o povo japonês pelo que conquistaram nessas circunstâncias tão difíceis", disse Bach.

Entre os que não irão competir no Japão está o ex-jogador de golfe número um do mundo, Adam Scott. Ele questionou se realizar as Olimpíadas de Tóquio foi uma decisão responsável, apontando para o medo entre as pessoas no Japão enquanto luta contra o ressurgimento de infecções.

Roger Federer, da Suíça, se tornou o último grande nome do tênis a se retirar das Olimpíadas de Tóquio, depois que o 20 vezes campeão do Grand Slam disse na terça-feira que havia contraído uma lesão no joelho durante a temporada de grama.

O estado de emergência de Tóquio, o quarto da capital, vai até 22 de agosto, pouco antes do início das Paraolimpíadas.

(Reportagem de Ju-min Park, Antoni Slodkowski, Joseph Campbell e Sam Nussey; Edição de Michael Perry, Robert Birsel e Simon Cameron-Moore.)