Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aborto causa racha entre Itália e França nos debates do G7

    Premiê italiana exigiu a retirada das referências aos direitos reprodutivos no texto final da cúpula

    Crispian BalmerJohn Irishda Reuters

    A Itália exigiu a remoção de uma referência ao “aborto seguro e legal” da declaração final da cúpula do Grupo dos Sete desta semana, disseram diplomatas na quinta-feira (13), provocando uma repreensão do presidente francês, Emmanuel Macron.

    A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, reagiu rapidamente, acusando Macron de tentar ganhar pontos políticos antes das eleições nacionais em França, no final deste mês.

    A disputa entre os dois líderes europeus, que têm visões políticas muito diferentes, minou os esforços para mostrar a unidade ocidental na reunião anual do G7, realizado neste ano no sul de Itália.

    O comunicado do G7 de 2023 divulgado após a cúpula dos líderes em Hiroshima, no Japão, que acolheu o evento no ano passado, apelou ao “acesso ao aborto seguro e legal e aos cuidados pós-aborto”.

    Uma linguagem semelhante ou um pouco mais dura foi proposta por diplomatas franceses e canadenses durante as negociações habituais que tiveram lugar antes da reunião de 2024, organizada pela primeira-ministra conservadora de Itália, Giorgia Meloni.

    “Todos os outros países os apoiaram, mas era uma linha vermelha para Meloni, por isso está ausente do texto final”, disse um diplomata à Reuters.

    Mais tarde, Macron disse aos repórteres que lamentava a decisão.

    “Você não tem as mesmas sensibilidades no seu país”, disse Macron a um repórter italiano. “A França tem uma visão de igualdade entre mulheres e homens, mas não é uma visão partilhada por todo o espectro político.”

    Macron surpreendeu a sua nação no domingo ao dissolver o Parlamento e ordenar eleições antecipadas depois do seu partido ter sido derrotado pela extrema-direita nas eleições da União Europeia.

    “Profundamente errado”

    Meloni lidera um partido conservador nacional cujas raízes remontam a um grupo neofascista, e ela entrou em conflito com Macron no passado, nomeadamente por causa da sua linha dura em relação à imigração.

    Na quinta-feira, ela disse que não havia motivo para gerar polêmica sobre o assunto.

    “Penso que é profundamente errado, em tempos difíceis como estes, fazer campanha (para uma eleição) utilizando um fórum precioso como o G7”, disse Meloni aos jornalistas.

    Um alto diplomata italiano confirmou que a palavra “aborto” não apareceria no comunicado final, mas disse que isso acontecia apenas porque a declaração deixava claro que o G7 continuava a apoiar os objetivos da Declaração de Hiroshima.

    “Esta história foi inventada e não tem substância”, disse o diplomata.

    No entanto, sinalizando que houve um desconforto mais amplo relativamente à posição de Itália, um alto funcionário dos EUA disse aos jornalistas que o Presidente Joe Biden também não queria que a referência ao aborto desaparecesse do texto.

    “O presidente sentiu fortemente que precisávamos de ter pelo menos uma linguagem que fizesse referência ao que fizemos em Hiroshima sobre a saúde das mulheres e os direitos reprodutivos”, disse o responsável.

    Ele confirmou que se a palavra “aborto” não aparecesse, então o comunicado de 2024 reiteraria de fato o compromisso assumido há um ano no Japão.

    O aborto é uma questão extremamente sensível nos Estados Unidos, com Biden prometendo retomar o direito disseminado ao aborto se for reeleito em novembro, alertando que o seu adversário republicano, Donald Trump, poderá assinar uma proibição nacional da prática.

    Meloni é firmemente contra o aborto, revelando em uma autobiografia recente que sua mãe esteve perto de abortá-la antes de decidir manter a gravidez.

    A coligação governante de Itália provocou indignação em alguns setores em abril, depois de ter aprovado legislação que permite a grupos que “apoiam a maternidade” entrar em clínicas de aconselhamento sobre aborto para tentar dissuadir as mulheres de interromperem a gravidez.