Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aborto ocupa o centro das atenções no início dos debates presidenciais dos Estados Unidos

    Campanha de Biden aposta no tema para convencer eleitorado e aumentar possibilidade de vencer em 2024

    Republicanos como Mike Pence, Ron DeSantis e Vivek Ramaswamy estiveram em debate do partido, que irá escolher o candidato para a eleição dos EUA
    Republicanos como Mike Pence, Ron DeSantis e Vivek Ramaswamy estiveram em debate do partido, que irá escolher o candidato para a eleição dos EUA Brian Snyder/Reuters

    Beatriz Gabrieleda CNN*

    São Paulo

    Um ano após a Suprema Corte dos Estados Unidos anular o caso Roe x Wade, de 1973, que permitia o aborto até a viabilidade fetal, candidatos republicanos seguem divididos na discussão sobre o aborto.

    No debate presidencial da última quarta-feira (23), a divisão do partido republicano foi revelada. Alguns candidatos apoiaram a proibição do aborto de 15 semanas, adiaram os estados ou tentaram dividir a diferença.

    VÍDEO – Caso de 1973 determinou a conduta dos EUA sobre aborto; entenda

    Os democratas planejam explorar o tema, independente do republicano que for escolhido para disputar a eleição. Isso fica claro com a divulgação de um novo anúncio digital dos democratas.

    Os principais candidatos do campo de oposição estão pintados como extremistas. O anúncio também reafirma a posição de Biden sobre o aborto: os Estados Unidos deveriam manter o padrão estabelecido na decisão histórica Roe x Wade.

    Os eleitores apoiaram iniciativas e candidatos eleitorais pelo direito ao aborto em várias eleições importantes no ano passado. Grupos anti-aborto e evangélicos exigem que os candidatos presidenciais partam para a ofensiva e sejam específicos acerca do assunto.

    Após a decisão do Supremo Tribunal, o acesso ao direito passou a ser determinado por cada estado. O resultado foi uma onda de proibições completas ou quase totais do aborto por legislaturas estaduais lideradas por republicanos. Quase duas dúzias de estados tomaram medidas para proibir ou restringir o aborto.

    Pesquisas apontam que os americanos apoiam algum aborto legal, mas com limites. Setenta e três por cento dos entrevistados numa pesquisa do Centro de Pesquisa de Assuntos Públicos da Associated Press-NORC, divulgada no mês passado, disseram que o aborto deveria ser permitido durante as primeiras seis semanas de gravidez, incluindo 88% dos democratas e 56% dos republicanos entrevistados.

    Questionados se os estados deveriam permitir o aborto às 15 semanas, 51% dos inquiridos disseram que sim, incluindo 75% dos democratas e 29% dos republicanos. Apenas 27% dos entrevistados apoiaram a permissão do aborto até as 24 semanas de gravidez.

    Trump, cujos indicados para o Senado em Nevada, Arizona, Pensilvânia e Geórgia perderam as disputas, escreveu uma postagem nas redes sociais em janeiro e culpou as derrotas do partido no meio do mandato pela “questão do aborto”, mal tratada por muitos republicanos.

    A expectativa dos democratas é que o acesso ao direito continue a ser um assunto que influencie os eleitores. Desde que a decisão que derrubou Roe, os democratas e ativistas pelos direitos ao aborto acumularam um número de vitórias em eleições especiais e iniciativas eleitorais, e o partido teve um desempenho superior nas eleições intercalares de 2022.

    *Com informações de Arit John, da CNN Internacional

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original