Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    ‘Achei que tinha morrido’, diz brasileira que mora em Beirute

    Latife Nakad conta que o único hospital onde conseguiu atendimento estava a 45 km de distância da capital

     

    A explosão que deixou centenas de mortos e milhares de feridos em Beirute, no Líbano, assustou moradores da região. A brasileira Latife Nakad contou à CNN que estava em um restaurante com duas amigas quando foi lançada da cadeira no momento da explosão. 

    “Foi terrível, eu achei que tinha morrido. Estava no restaurante com duas amigas em uma reunião perto do porto. A explosão foi tão forte que a cadeira me jogou para longe. Os vidros todos quebraram e eu fiquei ferida nos braços, na perna, escorria sangue do meu nariz e da minha boca. Todo mundo corria tentando se abrigar. Depois de uma hora sangrando, pedi para que alguém dirigisse o meu carro até algum hospital, que no final, acabamos indo em três, pois estavam todos lotados”, relembrou. 

    Ela conta que o único hospital onde conseguiu atendimento estava a 45 km de distância da capital. Latife se feriu com o impacto da explosão e levou dez pontos no rosto e está com vários hematomas. 

    Assista e leia também:
    Veja imagens aéreas de Beirute após a explosão
    Explosão em Beirute: o que se sabe até agora

    “Eu me abaixei achando que era outra bomba ou ataque. A gente não sabia o que era, todo mundo corria para entrar na cozinha. O barulho foi semelhante ao de uma bomba atômica. Não consigo explicar, mas eu escuto o barulho no meu ouvido até agora. Dizem que a explosão poderia ter sido ainda pior, poderia ter destruído toda a Beirute.”

    Latife Nakad é brasileira e mora na cidade desde 1972. “A cidade está um tumulto enorme. Pediram para que não saíssemos de casa, pois a fumaça do nitrato faz mal, e que ficássemos com as janelas fechadas. Tem muitos mortos nos escombros, pessoas desaparecidas, 300 mil casas destruídas. Já tive que fugir das guerras outras três vezes e agora, mais esse episódio. Espero que seja o último”, finalizou.

    (Edição: Leonardo Lellis)

    Tópicos

    Tópicos