Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Número de mortos em acidente de trem na Índia sobe para 15

    Dois comboios colidiram na região montanhosa de Calcutá, no leste do país

    Rhea MogulEsha Mitrada CNN*

    Pelo menos 15 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas depois que um trem de carga colidiu com um trem de passageiros no leste da Índia nesta segunda-feira (17), segundo as autoridades locais.

    O Expresso Kanchenjunga, que circula entre a cidade de Calcutá e Silchar, no nordeste do estado de Assam, foi atingido por um trem de carga ao sul da cidade de Siliguri, de acordo com o ministro-chefe de Bengala Ocidental, Mamata Banerjee.

    As equipes de emergência correram para o local do acidente, que fica ao lado de uma cadeia de montanhas que leva a Darjeeling, um popular destino turístico, famoso por suas plantações de chá e vistas deslumbrantes do Himalaia.

    Fotos da mídia local e vídeos da cena mostraram pelo menos um vagão tombado de lado, partes dele esmagadas em uma massa de metal retorcido. Outro carro pode ser visto subindo no ar em um ângulo íngreme acima de uma locomotiva.

    Inicialmente, o porta-voz da Northeast Frontier Railway, Sabyasachi De, disse à CNN que pelo menos oito pessoas morreram no acidente. Mais tarde, entretanto, a polícia confirmou que o episódio causou 15 mortes.

    Cerca de 30 pessoas ficaram feridas, disse o superintendente da polícia de Darjeeling, Abhishek Roy, aos repórteres. Os passageiros estavam sendo transferidos para New Jalpaiguri, a cidade mais próxima e o maior entroncamento ferroviário do nordeste da Índia, acrescentou.

    Banerjee, o ministro-chefe local, escreveu no X que “médicos, ambulâncias e equipes de desastres foram levados às pressas para o local para resgate, recuperação e assistência médica”.

    Imagens ao vivo do local do acidente, transmitidas pelo canal de notícias local TV 9, mostraram pessoas reunidas do lado de fora dos vagões, algumas filmando em seus telefones.

    O acidente ocorre mais de um ano depois de a Índia ter vivido um dos piores desastres ferroviários da história do país, quando mais de 280 pessoas morreram numa colisão tripla, envolvendo dois comboios de passageiros e um comboio de mercadorias, no estado de Odisha, no leste.

    Esse incidente chocou o país, renovando os apelos às autoridades para que enfrentem as questões de segurança num sistema ferroviário que transporta mais de 13 milhões de passageiros todos os dias.

    A extensa rede ferroviária da Índia, uma das maiores do mundo, foi construída há mais de 160 anos sob o domínio colonial britânico. Hoje, cerca de 11 mil trens circulam todos os dias em mais de 107 mil quilômetros de trilhos no país mais populoso do mundo.

    Mas a degradação da infraestrutura é frequentemente citada como causa de atrasos e de numerosos acidentes ferroviários. Embora as estatísticas governamentais mostrem que os acidentes e descarrilamentos têm diminuído nos últimos anos, ainda são tragicamente comuns.

    Nesta segunda-feira (17), o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, classificou o acidente de Bengala Ocidental como “entristecedor” e enviou uma mensagem de condolências às famílias afetadas.

    “Rezo para que os feridos se recuperem o mais rápido possível. Falei com autoridades e fiz um balanço da situação. As operações de resgate estão em andamento para ajudar os afetados”, escreveu Modi no X.

    A modernização da infraestrutura de transportes da Índia é uma prioridade fundamental para Modi no seu esforço para criar uma economia de 5 trilhões de dólares até 2025. No ano passado, o seu governo aumentou os gastos de capital em aeroportos, construção de estradas e outros projetos de infraestruturas, chegando a US$ 122 bilhões, ou 1,7% do seu PIB.

    Uma parte significativa desses gastos destina-se à introdução de mais comboios de alta velocidade nas ferrovias notoriamente lentas da Índia.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original