Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Administradoras de funerária, mãe e filha são condenadas por vender partes de corpos ilegalmente nos EUA

    Megan Hess foi condenada a 20 anos de prisão e sua mãe, Shirley Koch, recebeu 15 anos por seu envolvimento no esquema de venda de restos humanos para serviços de intermediação de corpos

    Administradoras de funerária, mãe e filha são condenadas por vender partes de corpos ilegalmente nos EUA
    Administradoras de funerária, mãe e filha são condenadas por vender partes de corpos ilegalmente nos EUA REUTERS/Rick Wilking

    Paradise AfsharRebekah Riessda CNN

    Duas administradoras de funerárias no estado do Colorado, nos Estados Unidos, foram condenadas nesta quarta-feira (4) por venderem ilegalmente corpos e partes de corpos sem o consentimento das famílias, informou a Procuradoria dos Estados Unidos.

    Megan Hess foi condenada a 20 anos de prisão e sua mãe, Shirley Koch, recebeu 15 anos por seu envolvimento no esquema de venda de restos humanos para serviços de intermediação de corpos, de acordo com promotores federais.

    Cada uma delas se declarou culpada de uma acusação de fraude postal, auxílio e cumplicidade.

    “Essas duas mulheres atacaram vítimas vulneráveis ​​que recorreram a elas em um momento de luto e tristeza. Mas, em vez de oferecer orientação, essas mulheres gananciosas traíram a confiança de centenas de vítimas e mutilaram seus entes queridos”, disse Leonard Carollo, agente especial interino encarregado do FBI em Denver, em um comunicado à imprensa.

    Administradoras de funerária, mãe e filha são condenadas por vender partes de corpos ilegalmente nos EUA
    Megan Hess descreveu o negócio como uma pequena empresa familiar. Em 2016, ela disse que ela e sua mãe lidavam com cerca de 10 cadáveres por mês. / REUTERS/Mike Wood

    “Sem conhecimento ou consentimento, as mulheres desrespeitaram os desejos das vítimas em estado de luto e degradaram os corpos de seus familiares para vendê-los com fins lucrativos”, disse Carollo.

    As mulheres administravam a casa funerária Sunset Mesa em Montrose, Colorado. De 2010 a 2018, elas se reuniriam com pessoas que procuravam serviços de cremação para si ou para seus entes queridos, de acordo com o acordo judicial.

    “Em muitos casos, Koch e Hess não discutiram nem obtiveram autorização para doação de corpos de falecidos ou partes de corpos para serviços de corretores de corpos”, disse o comunicado à imprensa.

    “Em outros casos, o tema da doação foi levantado por Hess ou Koch e especificamente rejeitado pelas famílias. Em tais circunstâncias, apesar da falta de qualquer autorização, Koch e Hess recuperaram partes do corpo ou prepararam corpos inteiros de centenas de falecidos para serviços de corretores de corpos”, acrescentou.

    Mesmo quando as famílias concordaram com a doação, disse o comunicado à imprensa, Hess e Koch às vezes vendiam os restos mortais além do que a família havia autorizado.

    As duas mulheres também entregaram restos mortais cremados para famílias que não pertenciam aos entes queridos das famílias, disse o comunicado à imprensa.

    Em alguns casos, a dupla despachava corpos e partes de corpos com resultado positivo ou pertencentes a pessoas que morreram de doenças infecciosas – como hepatite B e C e HIV – depois de certificar aos compradores que os restos mortais estavam livres de doenças, informou o comunicado.

    As remessas foram enviadas pelo correio ou em voos comerciais, violando os regulamentos do Departamento de Transportes relativos ao transporte de materiais perigosos, disse o comunicado à imprensa.

    “A conduta das rés foi horrível e mórbida e motivada pela ganância, disse o procurador dos EUA Cole Finegan.

    “Elas se aproveitaram de inúmeras vítimas que estavam em seu ponto mais baixo devido à recente perda de um ente querido. Esperamos que essas sentenças de prisão tragam um pouco de paz aos familiares da vítima à medida que avançam no processo de luto”, concluiu.

    A CNN procurou os advogados de Hess e Koch para comentários.