Agente penitenciária ajudou preso a fugir nos EUA, dizem investigações

Atração por criminosos pode ser chamada de "hibristofilia"

Detento Casey White, de 38 anos, e a agente penitenciária Vicky White, de 56 anos, podem ter tido uma relação amorosa
Detento Casey White, de 38 anos, e a agente penitenciária Vicky White, de 56 anos, podem ter tido uma relação amorosa Divulgação

Mallika Kallingalda CNN

Ouvir notícia

Após mais uma semana de investigação do desaparecimento de um preso com uma agente penitenciária no Alabama, as autoridades dizem que a funcionária, Vicky White, e o recluso, Casey White, podem ter tido uma relação romântica.

Segundo todos os registros, Vicky White é descrita por seus supervisores como uma “funcionária modelo” e uma “pessoa confiável” – e o caso deixou amigos, familiares e todos os que a conheciam atônitos diante da possibilidade de que ela tenha desenvolvido uma paixão por um homem acusado de assassinato e possivelmente tenha o ajudado a escapar.

Mas o caso de Vicky White não é o único. Uma rápida busca na história de alguns homicidas e assassinos em série mostra que alguns tinham muitas seguidoras, e muitos se casaram com elas enquanto ainda estavam na prisão.

Os especialistas dizem que existe um termo para esse tipo de atração.

“Às vezes denominada na nossa cultura como ‘síndrome do homem mau’, a hibristofilia é a atração ou interesse sexual por aqueles que cometem delitos, particularmente delitos atrozes e violentos, como o estupro e o assassinato”, disse o criminólogo e professor de administração de Justiça e Direito Casey Jordan, da Universidade Estatal de Western Connecticut.

“Vicky White com certeza acredita que está apaixonada por Casy White, porque ele lhe dá a sensação de estar viva depois de décadas se sentindo séria, segura e ‘confiável'”, acrescentou Jordan.

Esses são alguns exemplos de romances que não encontraram obstáculos pelas grades da prisão:

Richard Matt e David Sweat

Richard Matt e Joyce Mitchell / Divulgação

A trabalhadora de uma prisão Joyce Mitchell, que ajudou dois assassinos condenados, Richard Matt e David Swat, a fugir de uma prisão no norte do estado de Nova York em 2015, foi condenada por promover contrabando penitenciário e facilitação de crime, e foi liberta em 2020, logo após completar cinco anos presa.

As autoridades disseram que Mitchell, alfaiate da prisão, deu ferramentas para Matt e Sweat para que pudessem cortar através das paredes das celas para escapar das instalações de Dannemora, em Nova York. Mas ela não conseguiu cumprir seu papel no plano de fuga, que incluía que Matt matasse o marido de Mitchell, Lyle Mitchell.

“O detento Matt e eu nos dávamos bem. Conversávamos todos os dias e ele me tratou com respeito e foi amável comigo. Fez com que eu me sentisse especial”, disse Mitchell em sua confissão.

Jordan disse que a psicologia de Vicky White parece coincidir com a de Mitchell.

“O profundo vazio que sentem na meia idade enquanto conflitam com o processo de envelhecimento, a dor da diminuição da atratividade e da perda do entusiasmo em suas vidas, se transformam de alguma maneira com a atenção de um ‘cara mau’…agem como adolescentes e assumem riscos inimagináveis sem se importar como terminará”, explicou Jordan.

“Sei que tinha aceitado ajudá-los a escapar e fugir com eles, mas entrei em pânico e não pude seguir adiante com o resto do plano. Realmente amo meu marido e ele é a razão pela qual eu não encontrei o detento Matt e o detento Sweat”, disse Mitchell em seus depoimentos na época.

“O comportamento humano é complexo, e as motivações por trás dele podem ser diversas. E para alguns, dependendo do que motivou o comportamento ou condições psiquiátricas que possuem, quando estão fora daquele contexto, ou outra coisa acontece em suas vidas, percebem os erros que cometeram”, disse Arielle Baskin-Sommers, professor associado de psicologia e psiquiatria na Yale University.

Ted Bundy

Ted Bundy casou-se com Carole Ann Boone / Divulgação

Ted Bundy predava jovens mulheres e eventualmente confessou mais de duas dúzias de assassinatos antes de ser executado, mas pode estar ligado a mais homicídios.

Enquanto estava no tribunal por homicídio, ele se casou com Carole Ann Boone, com quem teve um filho. Boone, que trabalhou com Bundy no Departamento de Serviços de Emergência do Estado de Washington, depôs a favor dele como testemunha de caráter, e eles se casaram durante o julgamento, literalmente enquanto ela depunha.

“Pessoas que querem consertar ou salvar alguém acreditam que receberam um sinal (normalmente de Deus ou de outro poder) para salvar o criminoso. Ela geralmente se recusa em admitir evidências de culpa, insiste que o crime foi forjado, e acredita que ele tem pensamentos únicos em sua psique”, disse Jordan.

Bundy, com sua aparência atraente e diploma universitário, também podia ser muito charmoso. Ele estudou psicologia na faculdade, trabalhou como voluntário em uma linha de ajuda para prevenção do suicídio enquanto estudava e foi diretor-assistente da Conselho de Prevenção do Crime de Seattle em dado momento.

“Em um nível humano, as pessoas querem se sentir desejadas, conectadas e elogiadas, e alguns desses homens são muito bons em fazer essas coisas. Bundy era muito charmoso e engajado. Então você pode imaginar que para qualquer ser humano, no momento em que você está envolvido e encantado, faz qualquer coisa para descontar os exemplos de comportamento que podem ser problemáticos”, afirmou Baskin-Sommers.

Charles Manson

Charles Manson e Afton “Star” Burton / Courtesia de Polaris

O assassino em massa Charles Manson, aos 80 anos, planejou casar-se com Afton “Star” Burton, de 26 anos, enquanto estava na prisão. Ela começou a se comunicar com ele via cartas e ligações, e então mudou-se para perto da prisão estatal Corcoran, na Califórnia, onde foi encarcerado quando ela tinha 19 anos.

Ela acreditava na sua inocência, passou anos tentando limpar seu nome, e continuou a apoiá-lo, ainda que ela disse saber que as pessoas pensavam que era louca.

“Eu não ligo para o que esse tipo de pessoa pensa. Não faz diferença. O homem que eu conheço não é que está nos filmes, documentários ou livros. Ele não é assim. Ele não diz às pessoas o que fazer. Ele não é nada manipulativo”, declarou Burton na época.

“Essas mulheres normalmente possuem um longo histórico de envolvimento com ‘bad boys’, buscando mudar seu jeito mau ou levá-los salvação. Em suas mentes, sua fé inabalável e comprometimento vão o consertar”, disse Jordan.

Baskin-Sommers disse que alguns assassinos condenados demonstram características consistentes com as de um transtorno chamado de psicopatia. “Seu distúrbio é associado com o comportamento raso e charmoso, e uma falta de relações genuínas…eles usavam mulheres para fazer coisas: ajudá-los a fugir da cadeia, pagar por serviços”, explicou.

Erik Lyle Menendez

Erik Menendez e seu irmão Lyle, que foram condenados pela morte de seus pais em 1989, casaram enquanto estavam encarcerados. Lyle Menendez casou-se com Anna Erikkson, com quem trocou cartas por muito tempo, mas eles se divorciaram e ele casou novamente. Erik Menendez casou-se com Tammi Ruth Saccoman.

“A razão implícita mais básica para a atração é a infâmia desses criminosos…que foram superestimados na mídia e são nomes conhecidos”, afirmou Jordan.

“Muitas pessoas profundamente inseguras que desejam atenção e validação de uma pessoa conhecida, procuram criminosos famosos para ser o sujeito de seu amor e atração. Suas vidas são geralmente vazias e sozinhas, sem perspectiva de conquistas ou autoatualização, então acreditam que a associação com um serial killer ajudará a preencher o vazio”.

Erik Menendez casou-se com Tammi Ruth Saccoman / Divulgação

Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

versão original

Mais Recentes da CNN