Alemanha considera comprar sistema antimísseis, diz chanceler Olaf Scholz

Tecnologia israelense pode ser escolhida para a defesa alemã, que deve receber forte investimento do governo

Chanceler da Alemanha, Olaf Scholz
Chanceler da Alemanha, Olaf Scholz 24/02/2022 Michael Kappeler/Pool via REUTERS

Sabine SieboldEmma Thomassonda ReutersDan Williams

Ouvir notícia

A Alemanha está considerando adquirir um sistema de defesa antimísseis para se proteger de um potencial ataque da Rússia, disse o chanceler alemão, Olaf Scholz, na noite de domingo (27).

“Esta é certamente uma das questões que estamos discutindo, e por bons motivos”, afirmou ele à emissora pública ARD quando perguntado se a Alemanha poderia comprar um sistema de defesa como o Domo de Ferro, de Israel.

Ele não especificou que tipo de sistema o governo está avaliando.

Quando perguntado se a Alemanha pretendia adquirir um sistema de defesa antimíssil com um alcance mais longo do que suas baterias existentes, Scholz disse: “Precisamos estar cientes de que temos um vizinho que está preparado para usar a violência para fazer valer seus interesses”.

O jornal Bild am Sonntag noticiou mais cedo que um escudo de defesa antimíssil para todo o território da Alemanha foi um dos tópicos discutidos por Scholz em um encontro com Eberhard Zorn, o chefe da defesa alemã.

Especificamente, eles falaram sobre uma possível aquisição do sistema israelense “Flecha 3”, destacou o jornal.

O Ministério da Defesa alemão se recusou a comentar a reportagem. O Ministério da Defesa de Israel não tinha nenhum comentário imediato.

Em um discurso marcante dias após a invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, Scholz anunciou que a Alemanha aumentaria drasticamente seus gastos com defesa para mais de 2% de sua produção econômica e injetaria 100 bilhões de euros no setor.

A Rússia afirma que os objetivos do que Putin chama de “operação militar especial” incluem a desmilitarização e “desnazificação” do país vizinho. A Ucrânia e seus aliados ocidentais chamam isto de um pretexto para uma invasão não provocada.

Mais Recentes da CNN