Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Alemanha emite alerta preliminar para escassez de gás após ameaça russa

    Rússia disse que queria ser paga em rublos e ameaçou cortar fornecimento de gás para Europa se a demanda não fosse atendida

    Robert Habeck, ministro de Assuntos Econômicos e Proteção Climática, realiza uma coletiva de imprensa em seu ministério sobre segurança energética em Berlim, Alemanha, em 30 de março.
    Robert Habeck, ministro de Assuntos Econômicos e Proteção Climática, realiza uma coletiva de imprensa em seu ministério sobre segurança energética em Berlim, Alemanha, em 30 de março. dpa/picture alliance via Getty I

    Chris SternMark Thompsonda CNN

    em Berlim e Londres

    A Alemanha emitiu um “aviso antecipado” de possível escassez de gás natural depois que a Rússia disse que queria ser paga em rublos e ameaçou cortar o fornecimento se sua demanda não fosse atendida.

    Falando em uma entrevista coletiva em Berlim nesta quarta-feira (30), o ministro da Economia alemão, Robert Habeck, disse que o estágio de alerta é de natureza preventiva e significaria um maior monitoramento do fornecimento de gás.

    Desencadeando o primeiro de três níveis de crise, o anúncio desta quarta-feira ainda não prevê restrições de fornecimento do governo.

    Habeck pediu às empresas e consumidores que usem o gás com moderação. O armazenamento de gás alemão está atualmente cheio até 25% da capacidade, de acordo com Habeck.

    Atualmente, “não há escassez de oferta”, disse o ministro da Economia, Robert Habeck. “No entanto, devemos tomar mais medidas de precaução para estarmos preparados para qualquer escalada da Rússia”.

    Os temores de que a Rússia encerre suas entregas de gás para a Alemanha surgiram depois que o presidente russo, Vladimir Putin, exigiu que os países “hostis” começassem a pagar pelo gás natural com rublos em vez de dólares americanos ou euros, conforme acordado em seus contratos de fornecimento.

    A Alemanha, o maior cliente de energia da Rússia na Europa, descartou a diretiva de Putin como “chantagem”.

    “Um pagamento com rublos não é aceitável”, disse o ministro da Economia alemão, Robert Habeck, na segunda-feira, acrescentando que “não seremos divididos e a resposta dos estados do G7 é inequívoca: os contratos serão cumpridos”.

    Contexto: A Rússia é central para o sistema global de energia. É o maior exportador mundial de petróleo, representando cerca de 8% do mercado global . E fornece à Europa 45% do seu gás natural, 45% do seu carvão e 25% do seu petróleo. Em 2019, antes dos preços deprimidos da Covid-19, as receitas de petróleo e gás natural representavam 40% do orçamento federal do país. Petróleo e gás representaram quase metade das exportações totais de bens da Rússia em 2021.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original