Algas podem ser solução para crise do plástico do mundo

Startup londrina, Notpla está desenvolvendo embalagens que podem ser compostadas, dissolvidas ou até ingeridas após o uso

O Ooho pode substituir os pacotes de temperos e outros líquidos de porção individual. Já as caixas para delivery revestidas com algas são totalmente biodegradáveis
O Ooho pode substituir os pacotes de temperos e outros líquidos de porção individual. Já as caixas para delivery revestidas com algas são totalmente biodegradáveis Notpla

Jacqui Palumboda CNN

Ouvir notícia

Depois de terminar as suas batatas fritas, coma o sachê de ketchup. Quando colocar uma massa na água para ferver, jogue também o saco dentro da panela. 

As instruções parecem esquisitas, mas não para quem já conhece a Notpla, uma startup com sede em Londres (Inglaterra) que está criando um substituto à base de algas para embalagens de plástico descartáveis. Fundada em 2014, a empresa encerrou no mês passado uma rodada de financiamento de 10 milhões de libras esterlinas (cerca de R$ 76,9 milhões), liderada pela empresa VC Horizons Ventures, para escalar e desenvolver ainda mais a sua linha de produtos. 

Espera-se que os produtos da Notpla sejam compostáveis ou dissolvidos após o uso –e alguns são até comestíveis. As opções atuais incluem sachês de condimentos, água e até álcool; uma película para produtos da despensa ou banheiro, como café ou papel higiênico; e caixas para alimentos entregues no delivery que substituem o revestimento à base de plástico por um de algas para torná-las totalmente biodegradáveis. 

A diretora de design da Notpla, Karlijn Sibbel, diz que sua equipe olha para a natureza como inspiração “para a embalagem ideal”, tal qual a pele numa fruta. “Uma casca é sempre usada (como nutriente) pela natureza, desaparece e se torna parte do ciclo”, exemplificou. 

Trata-se de uma abordagem especialmente relevante enquanto o mundo lida com os efeitos de décadas de produção de plástico sem restrições. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), 331 milhões de toneladas de resíduos plásticos são produzidos globalmente todos os anos, e dos estimados 9,15 bilhões de toneladas de plástico produzido desde o início da década de 1950, cerca de 60% foram jogados em aterros ou descartados ao ar livre. Microplásticos (partículas minúsculas que são, frequentemente, o resultado de plásticos maiores que se desmembram) poluem o oceano, o ar e nossos corpos. 

As cascas de fruta serviram de inspiração para “a embalagem ideal”, de acordo com a diretora de design Karlijn Sibbel, porque se decompõem rapidamente e devolvem nutrientes à terra / David Lineton/Notpla

Ao longo dos últimos anos, tem havido um movimento crescente contra os plásticos de uso único. Muitos especialistas argumentam que os produtos são desnecessários e nocivos, e as empresas foram atacadas por utilizá-los excessivamente – por exemplo: em 2019, uma imagem de laranjas descascadas e empacotadas individualmente pela rede norte-americana Whole Foods viralizou na internet. Nos Estados Unidos, alguns estados e municípios tomaram medidas nesse sentido. O estado de Nova York proibiu a maior parte dos sacos de plástico para compras. Miami Beach tornou ilegal o uso de canudos de plástico. A União Europeia proibiu os plásticos de uso único em meados do ano passado, e a Índia planeja seguir o exemplo no próximo ano, conforme o governo anunciou em agosto. 

“Está cada vez mais claro o tamanho do problema do plástico”, disse Sibbel. Os fabricantes estão “usando materiais que duram milhares dos anos” para os produtos que serão usados “por alguns minutos”. 

“Essa incompatibilidade é algo que precisamos resolver”, acrescentou.

Repensar o plástico 

Os fundadores da Notpla, Rodrigo García González e Pierre Paslie, inicialmente procuraram algas como solução para o problema plástico do mundo porque elas são abundantes, crescem rapidamente, não competem com lavouras e sequestram o carbono do ar, conforme explicou a diretora da empresa. 

Há também muitas espécies diferentes de algas marinhas, e elas podem ser colhidas ou cultivadas. A Notpla utiliza espécies plantadas. 

“As algas não usam a terra, não precisam de pesticidas. Podem crescer nos oceanos e nos mares, para os quais trazem benefícios ao criar ecossistemas para que outros organismos prosperem”. 

Desde a sua fundação, a startup recebeu subsídios da agência governamental britânica Innovate UK e da organização sem fins lucrativos de economia circular Ellen MacArthur Foundation para o seu primeiro produto, o sachê Ooho, que embala porções individuais de líquidos. A nova rodada de financiamento busca aumentar a produção dos revestimentos Ooho e Notpla, ao mesmo tempo que desenvolve ainda mais o novo papel de algas marinhas e as películas multiuso. 

O papel é feito com fibras deixadas a partir da criação de outros produtos Notpla e pode ser aplicado em itens como embrulho para presente ou etiquetas de roupa. Já o filme ou película pode embrulhar a maioria dos produtos secos ou molhados com baixo teor de água. 

A película flexível da Notpla pode substituir a embalagem e o invólucro de plástico / David Lineton/Notpla

“O que é empolgante é que esta é uma película que pode substituir a maior parte das embalagens flexíveis que usamos no dia a dia”, contou Sibbel. Entre os potenciais produtos estão café moído, papel higiênico ou parafusos para montagem de mobiliário. Para os alimentos, tais como massas, eles até experimentaram a adição de sabores à embalagem, permitindo que a sua dissolução adicione um tempero ao prato. 

“É possível cozinhar com a embalagem. Como isso, podemos começar a repensar o que é possível fazer com esses materiais”, explicou. 

Mudanças na indústria 

Alguns dos produtos da Notpla estão disponíveis online. Além disso, a empresa fechou parcerias importantes no Reino Unido e na Europa Ocidental para fornecer bebidas em festivais como o DGTL em Amsterdã, nos Países Baixos, e o Glastonbury em Somerset, Inglaterra. Em 2019, a Notpla distribuiu 36 mil Oohos cheios da bebida energética Lucozade Sport durante a Maratona de Londres, e forneceu cápsulas comestíveis Glenlivet na London Cocktail Week. 

Corredores da maratona de Londres recebem um sachê de Lucozade Sport para os manter hidratados / Notpla

No ano passado, a startup testou 30 mil caixas de delivery em diferentes restaurantes do Reino Unido, em colaboração com o serviço de encomenda de alimentos online Just Eat. Planos para oferecer as caixas em toda a Europa em 2022 estão em curso. 

Com a ampliação da oferta, a equipe da Notpla espera que as algas possam substituir o plástico de uso único na cadeia de suprimentos de forma mais ampla. No entanto, Sibbel sabe que a tarefa é imensa, dado o volume de plásticos usados em todo o mundo. 

“Eu não acho que um material ou solução vai resolver tudo, mas as algas de fato se encaixam nos pontos certos”, comentou. 

Repensar quando e por qual razão utilizamos o plástico será crucial para que a Notpla atue em outros setores. “O plástico pode fazer muitas coisas. Mas é sempre importante se perguntar ele é de fato necessário para este ou aquele uso”. 

A executiva cita como exemplo a embalagem de tomates, que tem buracos para deixar os alimentos respirar. 

“As propriedades do plástico não são necessárias. Então, para quê usá-los?”, Sibbel perguntou, rindo. “Espero ver o setor se mexendo e abraçando a mudança de uma forma positiva”. 

FOTOS – A arte brasileira conectada às preocupações ambientais

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN