Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aliados de Putin, Xi Jinping e Lukashenko pedem paz “o mais breve possível” na Ucrânia

    Rússia depende do apoio de ambos os países durante a guerra no Leste Europeu

    Presidentes de Belarus, Alexander Lukashenko, e da China, Xi Jinping, se cumprimentam durante encontro em Pequim
    Presidentes de Belarus, Alexander Lukashenko, e da China, Xi Jinping, se cumprimentam durante encontro em Pequim BelTA/Pavel Orlovsky/Divulgação via REUTERS

    Da Reuters

    Os presidentes da China, Xi Jinping, e de Belarus, Alexander Lukashenko, pediram um acordo de paz “o mais rápido possível” para a Ucrânia em negociações em Pequim nesta quarta-feira (1º), informou a agência de notícias estatal belarussa Belta.

    A cúpula reuniu dois dos líderes estrangeiros de quem o presidente russo, Vladimir Putin, mais depende para obter apoio enquanto seu exército luta para alcançar os objetivos de sua invasão de um ano.

    A Belta disse que os dois líderes emitiram uma declaração conjunta na qual expressaram “profunda preocupação com o desenvolvimento do conflito armado na região europeia e extremo interesse no estabelecimento de paz o mais rápido possível na Ucrânia”.

    “Belarus e China estão interessadas em evitar uma escalada da crise e prontas para fazer esforços para restaurar a paz e a ordem regional”, acrescentou a agência em sua reportagem sobre a declaração.

    Pequim tem se expressado cada vez mais para pedir a paz à medida em que o conflito na Ucrânia se arrasta, e negou que forneceria armas a Moscou depois que autoridades dos Estados Unidos disseram que a China estava considerando fazê-lo.

    Na semana passada, o governo chinês emitiu um documento de 12 pontos pedindo um cessar-fogo abrangente na Ucrânia, que resumia em grande parte a posição anterior da China e foi recebido com ceticismo no Ocidente.

    Em comentários televisionados, Xi disse que a China deseja fortalecer a confiança e a cooperação com Belarus “dada a instabilidade e turbulência da situação internacional”.