Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: 11 de setembro não foi falha de inteligência; ataque do Hamas pode ser

    Segundo analista, o governo dos EUA tinha informações de inteligência sobre ataque contra as torres gêmeas, mas teria subestimado seus inimigos

    Peter Bergenda CNN*

    Comparações estão sendo feitas entre o 11 de setembro e os ataques do Hamas em Israel, e certamente há paralelos. Em ambos os casos, organizações terroristas mataram um grande número de civis em ataques que pareciam surgir do nada, chocando as duas nações.

    Os ataques do Hamas também estão sendo atribuídos a uma falha de inteligência, tal como o foi o de 11 de setembro.

    Mas isso é um mal entendido fundamental sobre os ataques de 11 de setembro, que não foram tanto uma falha de inteligência, mas sim uma falha política.

    Primeiro, vamos definir que as agências de inteligência não elaboram políticas; elas fornecem informações –muitas vezes imperfeitas e incompletas– para que os decisores políticos possam tomar decisões mais bem informadas sobre o que fazer.

    Na primavera e no verão de 2001, a CIA emitiu uma série de avisos de que a Al-Qaeda estava planejando algo grande. A inteligência distribuída a funcionários da administração George W. Bush incluía avisos intitulados “Bin Ladin planeja ataques de alto perfil”, “Ataques de Bin Ladin podem ser iminentes” e “O planejamento de ataques de Bin Ladin continua, apesar do atraso”. “Bin Ladin” era a grafia usada pelo governo dos EUA na época.

    O mais conhecido destes avisos foi transmitido a Bush no seu rancho no Texas, em 6 de agosto de 2001, e intitulava-se “Bin Ladin determinado a atacar os Estados Unidos”. A administração Bush não fez muita coisa no verão de 2001 em resposta a esses avisos.

    A razão pela qual sabemos isso agora é o excelente trabalho da Comissão do 11 de setembro; a administração Bush só relutantemente aderiu a uma comissão de investigação mais de um ano depois dos ataques, na sequência de intensa pressão pública por parte das famílias das vítimas.

    Certamente, os ataques do Hamas em Israel foram uma surpresa, tal como o foi o 11 de setembro, mas é prematuro classificá-los como uma falha da inteligência.

    Ainda não sabemos o que as agências de inteligência de Israel, como o Shin Bet, diziam sobre o Hamas aos decisores políticos israelenses, assim como os americanos não tinham ideia do que a CIA dizia à administração Bush sobre as intenções da Al-Qaeda até pelo menos um ano depois dos ataques de 11 de setembro terem acontecido.

    Torres do World Trade Center após ataques em 11 de setembro de 2001 / Getty Images

    Culpar a falta de inteligência pelas falhas políticas é uma fuga fácil para os funcionários do governo porque, normalmente, as agências de espionagem não podem se defender publicamente dos fatos, que são frequentemente confidenciais, e, de qualquer forma, elas trabalham para os decisores políticos.

    Depois do 11 de setembro, Bush, que tinha números anêmicos nas pesquisas antes dos ataques, subitamente teve os números mais elevados nas pesquisas de qualquer presidente em muitas décadas, com uma classificação favorável de 90%, se beneficiando de um efeito de “comício em torno da bandeira” na sequência de uma tragédia de tão grande escala.

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, provavelmente também se beneficiará deste efeito, pelo menos a curto prazo.

    Mas à medida que o choque inicial dos ataques do Hamas passar, presumivelmente, o público israelense exigirá uma prestação de contas sobre onde está o erro.

    Neste momento, não temos ideia se houve sinais no meio do “ruído” que chegou à inteligência israelense sobre um provável ataque do Hamas. Em retrospectiva, esses sinais muitas vezes parecem muito mais claros do que no presente.

    Foguetes disparados de Gaza para Israel / REUTERS/Mohammed Salem

    Em seu estudo de 1962, “Pearl Harbor: Aviso e Decisão”, Roberta Wohlstetter mostrou como, quando se tratou do ataque surpresa japonês à base naval dos EUA em 7 de dezembro de 1941, separar os “sinais” do “ruído” foi muito mais fácil depois do fato, escreveu:

    “Depois do evento, é claro, um sinal é sempre cristalino; agora podemos ver que desastre estava sinalizando desde que o desastre ocorreu. Mas antes do acontecimento, é obscuro e repleto de significados conflitantes. Chega ao observador imerso numa atmosfera de ‘ruído’, ou seja, em todo tipo de informação que é inútil e irrelevante para prever o desastre.”

    Na verdade, um bom exemplo disso é a guerra do Yom Kippur, que ocorreu há quase meio século. Foi também um ataque surpresa contra Israel, neste caso pelos exércitos do Egito e da Síria e também foi descrito na época como uma falha de inteligência porque os movimentos de tropas egípcias e sírias foram interpretados pelos decisores políticos israelenses como exercícios e não como preparativos para a guerra.

    Além disso, como escreveu o veterano ex-funcionário da CIA Bruce Riedel, as autoridades israelenses não podiam acreditar que o Egito e a Síria iniciassem uma guerra em que provavelmente perderiam.

    Essa presunção estava obviamente errada, e uma análise post-mortem do governo dos EUA sobre a guerra do Yom Kippur aberta ao público concluiu que a informação de que os egípcios e os sírios estavam provavelmente planejando um ataque tinha, de fato, sido “abundante, sinistra e muitas vezes precisa”.

    Com bandeira dos EUA ao fundo, rosa homenageia vítimas do 11 de Setembro no Pentágono
    Com bandeira dos EUA ao fundo, rosa homenageia vítimas do 11 de setembro no Pentágono / Win McNamee – 11.set.2021/Getty Images

    O erro que os israelenses cometeram há 50 anos e que a administração Bush cometeu antes do 11 de setembro, apesar dos avisos dos serviços secretos, foi subestimar as capacidades dos inimigos das suas nações.

    Ainda não sabemos o que foi dito ao governo de Netanyahu, se é que foi dito alguma coisa, sobre um possível ataque a partir de Gaza, mas, dada a natureza em grande escala dos ataques, parece concebível que houvesse algumas indicações de que um ataque estava a caminho.

    Os israelenses provavelmente só descobrirão se houver uma exigência real de responsabilização e se o governo de Netanyahu concordar em fornecê-la.

    Por enquanto, compreensivelmente, os israelenses estão concentrados no conflito em curso. “Ficamos surpresos esta manhã”, disse o tenente-coronel Richard Hecht, porta-voz internacional das Forças de Defesa de Israel.

    “Sobre fracassos, prefiro não falar neste momento. Estamos em guerra. Estamos lutando. Tenho certeza de que esta será uma grande questão quando terminar”.

    “Presumo que a questão da inteligência será discutida no futuro e saberemos o que aconteceu lá”.

    Em tantos ataques “surpresa”, desde Pearl Harbor até à guerra do Yom Kippur e ao 11 de setembro, verifica-se que informações relevantes geradas por agências de espionagem foram disseminadas aos decisores políticos, mas não foi levadas em conta porque não se enquadravam nas suposições que tinham sobre a verdadeira natureza e escala da ameaça.

    *Nota do Editor: Peter Bergen é analista de segurança nacional da CNN, vice-presidente da New America, professor de prática na Arizona State University e apresentador do podcast “In the Room With Peter Bergen”, no Audible, Apple e Spotify. Ele é o autor de “A ascensão e queda de Osama bin Laden”. As opiniões expressas neste artigo são dele. Veja mais opiniões na CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original