Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Como Macron destruiu seu legado na França

    Como as ações ousadas e decisões controversas de Emmanuel Macron abriram caminho para a ultradireita, transformando seu legado no comando do país

    Presidente francês, Emmanuel Macron
    Presidente francês, Emmanuel Macron 12/06/2024REUTERS/Stephane Mahe

    Joseph Atamanda CNN Paris, França

    Parece que foi há uma vida atrás. Emmanuel Macron subiu ao palco em 2017, com um passo juvenil e uma empolgação ofegante em seu discurso de vitória: a grande entrada para sua presidência.

    Ele prometeu ser a esperança centrista da França após décadas de divisão, o grande reformador que impulsionaria o país para a vanguarda dos negócios globais. Agora, ele está encarando o que certamente será seu verdadeiro legado: Macron abriu as portas para a ultradireita na França.

    Após uma derrota esmagadora na eleição do Parlamento Europeu em maio, sua decisão de convocar uma eleição antecipada se mostrou, pelo menos parcialmente, um tiro no pé.

    Em um resultado surpreendente, a Nova Frente Popular (NFP), um conjunto de partidos de esquerda, ganhou 182 assentos na Assembleia Nacional, aquém da maioria, mas à frente tanto do bloco centrista de Macron quanto da ultradireita.

    Era amplamente esperado que o bloco de ultradireita ganhasse em primeiro, mas um esforço em todo o país para contê-lo, com candidatos de esquerda e centristas se retirando para concentrar os votos contra, teve sucesso.

    Um alívio para Macron, que deve ser salvo de uma cooperação forçada com um primeiro-ministro de ultradireita. Mas o caos político de um parlamento sem maioria absoluta aguarda: um contraste gritante com a vitória esmagadora que ele obteve em 2017.

    Ousado é como muitos resumiram sua ascensão meteórica à presidência francesa; arrogante é como muitos agora veem sua queda semelhante à de Ícaro. Macron demoliu a arquitetura da política francesa em sua ascensão meteórica ao Palácio do Eliseu.

    Criando um novo partido centrista a partir da direita e da esquerda políticas, sua vitória esmagadora em 2017 – após apenas um curto período como ministro do governo – o preparou para sufocar o cenário político, tentando satisfazer políticas anti imigração com proteções ambientais e sociais fiscalmente frouxas.

    Presidente da França, Emmanuel Macron, durante entrevista coletiva em Paris / 12/06/2024 REUTERS/Stephane Mahe

    Com Macron dominando o centro, o oxigênio político foi sugado para os extremos. Isso resultou em uma polarização das propostas políticas – desde a neutralização do secularismo sagrado da França pela esquerda até a perseguição às “ideologias islamistas” pela direita – e uma divisão profunda e dolorosa na sociedade francesa.

    Sua estrela política brilhou intensamente, mas já está colapsando sobre si mesma. Este é um fim de sua própria autoria.

    Relação de amor ou ódio

    Nunca com medo de traçar um caminho difícil, no início de sua presidência ele mergulhou em seu projeto de reforma: cortando impostos para os ricos e aumentando os preços do diesel. As propostas eram tipicamente macronianas: fiscalmente sólidas, voltadas para os negócios e mal divulgadas.

    A reação pública também se tornou clássica para Macron: um incêndio de indignação nas ruas da França.

    O imposto sobre o diesel desencadeou os piores protestos que a França havia visto em décadas. O movimento “coletes amarelos” tomou o país em 2018, trazendo milhares de franceses comuns às ruas, enfrentando policiamento rigoroso e conseguindo manter a agenda política do país como refém.

    “Acho que nenhum país avança se não ouvir também essa parte da raiva legítima do nosso povo”, disse ele, alguns meses após o início dos protestos. “Acho que eles são reconciliáveis e é isso que estamos fazendo”.

    Policiais ao lado de foco de incêndio durante protesto contra reforma da Previdência na França / 11/02/2023 REUTERS/Yves HermanFoi o mais longo protesto de rua em 50 anos, mas Macron eventualmente ouviu a raiva dos coletes amarelos, ou gilets jaunes.

    Para um ex-banqueiro transformado em ministro da economia, com pouca experiência relacionável com o cotidiano da França, sua solução foi um golpe audacioso de relações públicas: uma turnê nacional pelos municípios, uma chance de ouvir e ser ouvido. Um homem acusado de ser um político indiferente ofereceu uma face humilde.

    Combatente político

    Então veio a Covid-19. Macron adotou a abordagem preferida do tudo ou nada, com um dos regimes de lockdown mais rígidos da Europa, em ondas repetidas, e um protocolo rígido de vacinação.

    “Estamos em guerra”, disse ele à nação em março de 2020. “Dia e noite, nada deve nos distrair disso”.

    Ele adotou uma filosofia semelhante após a pandemia, enquanto a economia global lutava para se recuperar e as tensões sobre a Ucrânia ameaçavam estrangular o crescimento econômico.

    Macron gastou muito, protegendo empresas e consumidores franceses do pior dos aumentos nos preços da energia, apenas meses depois de gastos maciços pós-Covid. Até 2024, a França estava administrando um dos maiores déficits da zona do euro, mas o ex-ministro da economia obteve o que pagou.

    O crescimento francês está projetado para ser de 0,7% em 2024 e ganhar impulso no próximo ano, mostrando uma resiliência notável desde a pandemia. A inflação também deve cair significativamente.

    Macron e seus apoiadores apontam seu histórico econômico como motivo suficiente para votar nele. Mas os franceses raramente são tão generosos com seus presidentes em exercício – a gratidão é escassa.

    Arco do Triunfo, em Paris, na França
    Arco do Triunfo, na França, vazio durante lockdown da pandemia de Covid-19 / Benoit Tessier/Reuters (18.mar.2020)

    Hoje, as taxas de aprovação de Macron estão em 30%, abaixo dos quase 50% quando ele assumiu o cargo, mas suas taxas de desaprovação (agora em 65%) não caíram abaixo de 50% desde seus primeiros meses no cargo, segundo pesquisa Ipsos-Le Point.

    Os franceses adoram odiar seus políticos e Macron não é diferente. O limite constitucional de dois mandatos do país significa que Macron não pode se candidatar novamente à presidência em 2027.

    Um legislador do partido de Macron disse que a decepção pública com o presidente francês decorreu do quão publicamente ele estava investido na direção do país, deixando claro que seus quatro primeiros-ministros estavam estritamente seguindo sua liderança.

    “Ele foi, em última análise, muito ativo em seus dois mandatos de cinco anos, ao contrário de outros presidentes que ficavam em segundo plano e deixavam seu primeiro-ministro levar as pancadas”, disse um membro do parlamento, pedindo anonimato para falar francamente. “Sentimos que (os primeiros-ministros) eram muito dependentes dele”, acrescentou.

    Sob pressão em casa, ele gostava de atuar como estadista, seja reunindo forças por trás do projeto europeu ou enfrentando combativos homólogos, sejam eles Putin ou Trump. Ele foi um militante pela soberania militar e industrial europeia contra o patrocínio americano muito antes da guerra na Ucrânia tornar isso moda.

    E ele tem sido um aliado crucial para Kiev frente à invasão russa de 2022, liderando o fornecimento de tanques leves, depois mísseis de longo alcance e jatos de combate fabricados na França, enquanto mantinha os aliados europeus em sintonia com a Ucrânia.

    Nos primeiros dias da invasão, ele foi criticado por seus esforços com Putin – mais tarde revelados serem a pedido de Kiev. Mas depois, ele procurou manobrar Putin com força, levantando a questão do envio de tropas membros da Otan e cimentando o apoio inabalável do Ocidente à Ucrânia.

    PARIS, FRANCE - FEBRUARY 08: Ukrainian President Volodymyr Zelensky and German Chancellor Olaf Scholz meet with French President Emmanuel Macron at the Elysee Palace on February 08, 2023 in Paris, France. During his second trip outside Ukraine and after his speech at the UK Parliament, Volodymyr Zelensky is in France to meet French President Emmanuel Macron and Chancellor Olaf Sholz in Paris. (Photo by Aurelien Meunier/Getty Images)
    Presidente Zelensky encontra Macron em Paris / Aurelien Meunier/Getty Images

    Avisos não ouvidos?

    Com a autoconfiança (discutivelmente arrogante) que definiu sua imagem, Macron emitiu avisos repetidos sobre a ameaça da extrema direita.

    “Eu não quero pertencer a uma geração de sonâmbulos, não quero pertencer a uma geração que esqueceu seu próprio passado ou que se recusa a ver os tormentos do seu próprio presente”, disse ele ao Parlamento Europeu em 2018.

    Finalmente, após anos de avanços graduais da extrema direita, as eleições para o Parlamento Europeu de 2024 viram sua política centrista submergida por um chamado da extrema direita.

    Como Marine Le Pen e seu tenente Jordan Bardella, do Rassemblement National, enfatizam, muitos eleitores franceses – lutando com pressões econômicas e narrativas anti-imigração – se sentiram ignorados ou não ouvidos, aqueles que no próprio discurso de posse de Macron ele havia chamado de “homens e mulheres franceses que se sentem esquecidos por esse vasto movimento global”.

    Não ouvidos e ignorados foi como muitos cidadãos trabalhadores franceses se sentiram em 2023, quando a raiva por um aumento na idade para aposentadoria provocou meses de protestos. Foi um nó górdio da própria autoria de Macron.

    Resolver o dilema fatal do financiamento das pensões era uma política sólida no papel, mas terrivelmente vendida ao público. Foi finalmente promulgada sem o consentimento dos legisladores: o governo governando por decreto.

    Um estudante segura um cartaz em protestos contra propostas de Emmanuel Macron de fazer os franceses trabalharem mais antes aposentadoria / Alain Pitton/NurPhoto via Getty Images

    Despojado de sua maioria parlamentar em 2022 e ferido por uma rejeição de sua visão nas eleições europeias de 2024, ele apostou sua fé no eleitorado francês.

    “É, acima de tudo, um ato de confiança”, disse Macron ao convocar eleições parlamentares antecipadas, “na capacidade do povo francês de tomar a decisão mais justa”.

    Muitos na França se perguntaram por quê. Entre os parlamentares do partido de Macron, havia “muita incompreensão”, disse o legislador à CNN. Lutando com uma aritmética parlamentar desfavorável, “isso aconteceria de qualquer maneira”, disse o parlamentar. “Acho que o que tornou isso mais difícil para mim em comparação com os outros é que a pessoa que apertou o botão foi o presidente, então, obviamente, a culpa é dele”.

    O resultado foi efetivamente um referendo sobre o próprio Macron. Sua aliança centrista Ensemble agora detém 163 assentos, muito menos do que os 245 assentos conquistados em 2022, e ele se apresenta como uma figura enfraquecida no exterior e em casa.

    A extrema direita argumenta que não representa ameaça à França. “Não representamos nenhum perigo, além de fazer (Macron) perder o poder”, disse Marine Le Pen à CNN na semana passada.

    Mas há um medo real de um retorno ao poder da política de identidade em muitas partes da França culturalmente rica, mas complicada de hoje. Agora que a extrema direita tomou o poder legislativo – e tem como alvo o Palácio do Eliseu em 2027 – a ameaça representada pelas vitórias do Rassemblement National não se limita ao ego de Macron.

    Para inúmeras comunidades na França – francesas ou imigrantes – o legado da aposta de um homem e a incerteza que é seu legado cobrarão um preço muito mais alto.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original