Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Líderes do G7 se reúnem na Itália, longe da turbulência doméstica

    Eleições europeias colocam em cheque autoridade de líderes ocidentais contestados

    Polícia tenta garantir segurança da Puglia. na Itália, onde será realizado o G7
    Polícia tenta garantir segurança da Puglia. na Itália, onde será realizado o G7 Francesca Volpi/Bloomberg/Getty Images via CNN Newsource

    Kevin Liptakda CNN*

    Quando o G7 posar para a sua fotografia institucional, nesta quinta-feira (13), na costa rochosa do Adriático, na Itália, a imagem não será a de líderes no auge da sua força política.

    Em vez disso, os líderes reunidos num resort de luxo na Apúlia encontram-se enfraquecidos em casa por eleições, escândalos ou perda de influência. Por entre oliveiras e piscinas, os sentimentos antititulares que atravessam as democracias ocidentais criam riscos extraordinariamente elevados para a geopolítica global.

    Raramente a reunião anual das principais economias do mundo foi tão ofuscada pelas vulnerabilidades políticas de quase todos os seus membros. Levanta questões sobre a eficácia do “comitê diretivo do mundo livre”, como os assessores do Presidente dos EUA, Joe Biden, rotularam o G7, pode realmente ser no meio da raiva e do descontentamento das suas próprias populações.

    Ocorrendo menos de uma semana depois de os partidos de extrema-direita terem dominado as eleições para o Parlamento Europeu e antes das votações críticas em França, no Reino Unido e nos Estados Unidos, a cúpula do G7 ocorrerá no meio de uma ansiedade persistente quanto a um ressurgimento populista.

    Num jantar de Estado realizado em homenagem a Biden no Palácio do Eliseu, em Paris, na semana passada, legisladores franceses reunidos sob lustres de cristal falaram abertamente sobre os seus receios de uma potencial vitória de Donald Trump, segundo um participante. Isso aconteceu um dia antes de o Presidente da França, Emmanuel Macron, sofrer perdas acentuadas para a extrema direita, o que o levou a dissolver a Assembleia Nacional e a convocar eleições antecipadas.

    As preocupações com a migração e o fardo de defender a Ucrânia fazem parte do que está a impulsionar a mudança para a direita. Estas têm sido questões centrais para o G7 desde que Biden se juntou ao grupo em 2021 e prometem voltar a ser o tema condutor da cúpula deste ano.

    O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, comparecerá e convocará uma entrevista coletiva conjunta com Biden nesta quinta-feira (13). Os líderes estão sob pressão para encontrar formas de reverter o ímpeto do campo de batalha depois que a Rússia tomou a iniciativa em meio a atrasos no apoio americano, pelos quais Biden pediu desculpas a Zelensky na semana passada.

    “Tivemos dificuldade em conseguir um projeto de lei que precisávamos aprovar e que continha dinheiro de alguns de nossos membros muito conservadores que o estavam impedindo”, disse ele. “Mas finalmente conseguimos”.

    Antes da cúpula, os diplomatas tentavam finalizar os planos para emprestar à Ucrânia dezenas de bilhões de dólares para reconstruir a sua infraestrutura devastada, financiada pelos juros dos ativos russos congelados. O plano um tanto complicado, que levou anos para os aliados ocidentais chegarem a um consenso, ainda estava sendo discutido enquanto Biden voava para a Itália.

    E o presidente planeja apresentar um novo pacto de segurança bilateral com a Ucrânia, um acordo que estabelece um caminho para a relação de segurança a longo prazo dos EUA com Kiev, mas que também poderá ser desfeito por futuras administrações dos EUA.

    Na verdade, o espectro da mudança de liderança nos Estados Unidos e nos outros países é o pano de fundo desconfortável para o G7 deste ano, conferindo um certo grau de urgência ao seu trabalho.

    “Este não é um G7 normal”, disse Josh Lipsky, diretor sênior do Centro de GeoEconomia do Atlantic Council, apontando para a série de eleições que se aproximam e para o grupo mais vasto convidado para a rodada de reuniões deste ano. “Ouve-se muito isto quando se fala com responsáveis ​​dos EUA e da Europa: se não conseguirmos fazer isto agora, seja sobre a China, seja sobre os ativos, podemos não ter outra oportunidade. Não sabemos como será o mundo daqui a três meses, seis meses, nove meses”.

    Entre os líderes do G7, é o anfitrião, a primeira-ministra italiana de direita Giorgia Meloni que aparece no terreno político mais estável. Ela emergiu como a única líder europeia do G7 apoiada pelas eleições para o Parlamento Europeu da semana passada.

    Outrora um cético que expressou publicamente as suas preocupações sobre o tipo de populismo de direita de Meloni, Biden encontrou no sua homóloga italiana uma aliada um tanto improvável na Ucrânia. Ela resistiu a líderes de extrema direita em outros lugares como uma firme defensora da ajuda contínua a Kiev.

    Ainda assim, ela e Biden divergem em vários outros tópicos. Meloni atraiu comparações com Trump e discursou na Conferência de Ação Política Conservadora em 2022. O seu partido, Irmãos de Itália, tem raízes pós-fascistas.

    “Estou orgulhoso de que a Itália se apresente ao G7, à Europa, com o governo mais forte de todos. Isto é algo que não aconteceu no passado, mas está acontecendo hoje, é uma satisfação e também uma grande responsabilidade”, disse Meloni na segunda-feira após as eleições da UE, segundo a Reuters.

    Os líderes de França e da Alemanha enfrentam conjuntos de circunstâncias políticas muito diferentes. Depois de um aumento da extrema direita, Macron arrisca agora eleições parlamentares dentro de algumas semanas, o que poderá prejudicar gravemente a sua capacidade de governar durante os restantes três anos do seu mandato.

    Na Grã-Bretanha, o primeiro-ministro Rishi Sunak convocou eleições em julho, nas quais o seu partido deverá perder o poder pela primeira vez em 14 anos. Justin Trudeau, do Canadá – agora o líder mais antigo no G7 – é impopular, sendo necessárias eleições gerais no próximo ano. O japonês Fumio Kishida foi assolado por um escândalo de corrupção partidária que fez com que os seus índices de aprovação despencassem.

    E Biden, que passou o seu mandato anunciando um renascimento das alianças tradicionais e uma defesa do Ocidente, está competindo lado a lado com um rival que foi condenado por crimes e que Biden acusa de minar a própria democracia.

    Se será Trump na mesa do G7 no próximo ano ou Biden está entre as grandes questões que pairam sobre a reunião. Poucos líderes que sobreviveram a isso acolheriam com agrado o retorno da animosidade que marcou as cúpulas da era Trump, sejam as batalhas sobre o clima numa encosta na Sicília, as negociações sobre o comércio nas florestas do Quebeque ou uma discussão sobre a readmissão da Rússia num farol em Biarritz.

    No final do seu mandato, Trump começou a questionar a utilidade de participar nas reuniões, fardo do que considerava uma experiência desagradável e hostil.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original