Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Navalny vai voltar, mas só depois do fim do governo de Putin

    Aliados dizem que memória de opositor russo vai sobreviver nas novas gerações

    Homenagem a Alexei Navalny em Kappara, Malta
    Homenagem a Alexei Navalny em Kappara, Malta 19/2/2024 REUTERS/Darrin Zammit Lupi

    Nathan Hodgeda CNN

    As imagens foram emocionantes: pessoas em luto por Alexei Navalny fazendo fila na sexta-feira (1°) em torno da Igreja do Ícone da Mãe de Deus, no distrito de Maryino, em Moscou, arriscando a prisão para prestar as últimas homenagens a um homem que chamam de seu herói.

    Cada cravo vermelho carregado por um apoiador do dissidente russo pode ser visto como um pequeno cto de resistência num país onde o Estado limpou o cenário de toda a competição política. E um dos gritos dos apoiadores de Navalny no funeral – ne prostim (não perdoaremos) – parecia dirigido ao presidente russo, Vladimir Putin.

    Mas o fato de o funeral de Navalny ter sido realizado, após duas semanas cruéis de atraso burocrático e ofuscação oficial, é talvez um sinal da confiança do Kremlin. A sua repressão à dissidência é tão completa e a oposição política genuína é tão marginalizada que o evento foi autorizado a realizar-se. O funeral de Navalny foi o funeral do movimento de oposição russo – por enquanto.

    Na verdade, um grande contingente de policiais estava presente para garantir que o evento não ultrapassasse os limites do protesto aceitável. O grupo de monitorização independente OVD-Info informou que 91 pessoas foram presas em 19 cidades da Rússia no dia do funeral de Navalny, muito menos do que as centenas detidas no dia da invasão em grande escala da Rússia na Ucrânia.

    A invasão em grande escala da Ucrânia aumentou os riscos para o protesto público na Rússia, introduzindo novas e rigorosas sanções penais para a difamação dos militares do país. Centenas de milhares de russos foram para o exílio, muitos dos quais faziam parte do círculo eleitoral de Navalny. A pessoa que assumiu o manto da liderança carismática de Navalny – a sua viúva, Yulia Navalnaya – está fora do país e não representa imediatamente uma ameaça política direta a Putin, que está prestes a navegar para a reeleição dentro de duas semanas. Tudo isto torna a participação de sexta-feira mais notável, mas que futuro existe para a forma de oposição de Navalny?

    Navalny regressou à Rússia após a recuperação de um envenenamento em 2021, precisamente porque queria continuar a ser um ator ativo na política. E a sua forma de ativismo digitalmente engajado continuou, mesmo enquanto os promotores estaduais acumulavam acusações contra ele.

    Por isso, pagou o preço: qualquer que fosse a causa final da sua morte na prisão, a pena de Navalny numa remota colônia penal a norte do Círculo Polar Ártico foi concebida para o quebrar física e psicologicamente.

    Atrás das grades, Navalny permaneceu um poderoso símbolo de resistência, enviando mensagens que zombavam da administração penitenciária. Mesmo na morte, seu senso de humor e conhecimento da cultura pop vieram à tona. Kira Yarmysh, sua colega, observou que a música de um blockbuster de Arnold Schwarzenegger foi tocada enquanto seu corpo descansava.

    “Alexey considerou Terminator 2 o melhor filme do mundo”, escreveu ela. “A música da cena final foi tocada em seu funeral.”

    Para citar o Exterminador do Futuro, Navalny estará de volta.

    “As crianças ouvem falar de heróis nas escolas, mas aqui temos um verdadeiro herói com quem ficamos felizes em trabalhar ao longo dos anos”, disse sua assessora de longa data, Maria Pevchikh, em uma transmissão ao vivo no YouTube na sexta-feira. “Navalny se tornará uma figura gigante na história da Rússia”,

    Mas enquanto Putin estiver no poder, o nome do ativista anticorrupção não será visto nas ruas e praças. Portanto, quanto tempo os alunos russos esperarão até que ele entre em seus livros de história é uma questão muito aberta.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original