Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Ocidente teme uma aproximação entre Rússia e Coreia do Norte; China não

    Raro encontro entre as duas autoridades comunistas acendeu o alerta entre os países ocidentais, sobretudo dos Estados Unidos e de Kiev, partes interessadas na guerra da Ucrânia

    Kim Jong-un e Vladimir Putin se reúnem na Rússia
    Kim Jong-un e Vladimir Putin se reúnem na Rússia KCNA via REUTERS

    Simone McCarthyda CNN

    Um raro encontro entre o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e da Coreia do Norte, Kim Jong-un, em um centro de lançamento espacial no Extremo Oriente Russo, no início desta semana, provocou o alarme de países como Coreia do Sul, Japão, Ucrânia, Estados Unidos e os seus parceiros na Europa.

    Mas a China – a maior salvação econômica tanto para Moscou como para Pyongyang –, cuja fronteira fica a menos de 321 quilômetros de onde os dois líderes se encontraram, pode ter uma visão diferente.

    Em vez de procurar opor-se ou limitar a cooperação entre a Rússia e a Coreia do Norte, Pequim poderá ver mais benefícios do que riscos para si neste eixo emergente, dizem os analistas – particularmente no que diz respeito à sua rivalidade de grande potência com os Estados Unidos.

    E embora não esteja claro exatamente quanto conhecimento as autoridades chinesas têm sobre as negociações entre a Coreia do Norte e a Rússia, analistas dizem que a reunião em si pode não ter prosseguido com algum nível de consideração dos laços da China com os dois.

    “Dada a importância do apoio que a China presta a ambos, ela está, naturalmente, em segundo plano”, analisa Alexander Korolev, professor sênior de Política e Relações Internacionais na Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália.

    “A China é demasiado importante tanto para a Coreia do Norte como para a Rússia, por isso para eles seria tolice fazer algo pelas costas da China que ela não gostaria”, disse. “O fator China está aí.”

    ‘Entre dois países’

    Nem a Coreia do Norte, nem a Rússia divulgaram detalhes de quaisquer acordos alcançados durante as mais de cinco horas que Putin e Kim passaram juntos durante uma visita ao Cosmódromo de Vostochny, conversas a portas fechadas e um luxuoso jantar de Estado – onde ambos os líderes brindaram aos seus países e amizade crescente.

    Mas os observadores dizem que está claro o que cada um procura do outro.

    Moscou está desesperado por novos fornecimentos de munições para alimentar o que se tornou uma guerra de desgaste na Ucrânia – e acredita-se que Pyongyang esteja com um arsenal. Pyongyang, depois de anos de sanções devido ao seu programa de armas nucleares e mísseis, precisa de tudo, desde energia a alimentos e tecnologia militar – tudo o que a Rússia possui.

    É certo que o potencial bombeamento de munições pela Coreia do Norte para a Rússia poderia criar uma perspectiva estranha para a China, que representa a grande maioria do comércio da Coreia do Norte e continua a ser o parceiro diplomático mais poderoso da Rússia após a invasão da Ucrânia.

    A comunidade internacional há muito espera que Pequim exerça pressão sobre o seu governo para que siga as regras.

    Nos últimos meses, Pequim tem-se esforçado por se enquadrar como um defensor da paz no conflito na Ucrânia – parte de uma tentativa de reconquistar a boa vontade perdida na Europa, que recuou face à decisão de Pequim de continuar a reforçar os seus laços com a Rússia, apesar da guerra.

    Pequim já sinalizou qual seria a sua resposta oficial a qualquer cooperação militar entre os dois, com o seu Ministério dos Negócios Estrangeiros a dizer esta semana repetidamente aos jornalistas que a reunião de quarta-feira foi “entre os dois países” – o que implica que não é da conta da China.

    Mas embora a própria China tenha parecido cuidadosa em evitar qualquer apoio militar em grande escala à Rússia, analistas dizem que o apoio potencial da Coreia do Norte pode ser visto como um impulso ao seu próprio cálculo geopolítico, onde a Rússia continua a ser um parceiro crucial no meio das crescentes tensões com o Ocidente.

    “Se a Coreia do Norte estiver realmente preparada para fornecer munições à Rússia, seria bom para a expectativa chinesa de que a Rússia não sofra uma grande derrota militar no campo de batalha na Ucrânia”, disse Li Mingjiang, professor associado de relações internacionais na Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura.

    “Nesse aspecto, é bom para os interesses geopolíticos da China, em termos da China e da Rússia, por um lado, e dos países ocidentais, por outro”, disse ele.

    Equilíbrio de poder

    A China, que apoiou a Coreia do Norte comunista na Guerra da Coreia há cerca de 70 anos, tem mantido uma relação complicada com o seu vizinho.

    Tal como a Rússia, apoiou sanções anteriores das Nações Unidas contra os programas de armas da Coreia do Norte – embora também tenha sido acusado de praticar uma implementação arbitrária destes controles e nos últimos anos tenha bloqueado esforços para reforçar as sanções e liderado esforços para as aliviar.

    Agora, à medida que a China se sente constrangida pelo que considera ser os EUA e os seus aliados cada vez mais hostis, poderá acolher favoravelmente uma coordenação mais forte com a Rússia e a Coreia do Norte como contrapesos, dizem os analistas.

    Nesse sentido, uma mudança na relação entre a Rússia e a Coreia do Norte, que vê Moscou prestar apoio a Pyongyang, também poderia aliviar a pressão sobre a China – e fortalecer a sua posição na região.

    “A China apoiaria uma Coreia do Norte mais capaz em muitos aspectos – econômica e militarmente – e uma Coreia do Norte que continua a servir como encrenqueira para os EUA”, disse Li.

    Uma razão? “Quando tivermos uma Coreia do Norte mais assertiva, isso criará algum tipo de incentivo para os EUA e a Coreia do Sul procurarem a cooperação da China em termos de lidar com a Coreia do Norte”, disse ele.

    Entretanto, o apoio mútuo entre os dois vizinhos atingidos pelas sanções poderia mitigar a pressão internacional sobre a China devido aos seus fortes laços com ambos.

    “Uma vez que a China não é o único apoiador deles, reduz o isolamento da China pelo seu apoio a ambos”, disse Yun Sun, diretor do Programa China no Stimson Center em Washington, que afirmou que embora o estreitamento dos laços não seja sem desvantagens para Pequim, os seus líderes provavelmente ainda veriam isto como um “ganho líquido”.

    Mesmo uma transferência de tecnologia militar da Rússia para a Coreia do Norte, que pode ser preocupante para a China dado os seus interesses na estabilidade regional, pode ter uma fresta de esperança, segundo Sun.

    A China tem interesse em evitar que as tensões entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, aliada dos EUA, se transformem em conflitos, o que poderia desencadear um afluxo de refugiados através das suas próprias fronteiras – bem como uma resposta militar americana.

    Relembre:

    “Essa transferência [de tecnologia militar] será desestabilizadora para a região, mas a China virará a mesa e culpará os EUA e os seus aliados por terem empurrado tanto a Rússia como a Coreia do Norte para um canto. Isto reforça a oposição da China à ‘OTAN asiática’ que ela vê como orquestradora dos EUA”, apontou ela.

    Mas, apesar dos ganhos potenciais, os especialistas também dizem que a China não está imune aos riscos que podem advir de uma Rússia mais forte ou de uma Coreia do Norte mais forte.

    “Pequim tem um grande interesse no comércio global”, disse Leif-Eric Easley, professor da Universidade Ewha, em Seul.

    “[Ele] não pode arcar com danos colaterais decorrentes do comportamento desestabilizador do Estado, como a invasão da Ucrânia e a ameaça habitual do uso de armas nucleares”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original