Análise: Países nórdicos se perguntam se serão os próximos da lista de Putin

Destino desses Suécia, Finlândia e Noruega foi colocado em foco pela crise na Ucrânia; Noruega e Finlândia compartilham fronteiras terrestres com a Rússia

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante visita a escola de aviação em Moscou
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante visita a escola de aviação em Moscou 05/03/2022 Sputnik/Mikhail Klimentyev/Kremlin via REUTERS

Luke McGeeda CNN*

Ouvir notícia

A invasão em larga escala da Ucrânia pelo presidente russo Vladimir Putin fez mais para unificar a Europa Ocidental do que quase qualquer evento desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

As nações neutras forneceram armas aos ucranianos, governos que durante anos não cumpriram suas obrigações de gastos com defesa da Otan fizeram reviravoltas espetaculares, e países que tinham laços econômicos profundos com a Rússia foram mais longe em romper o vínculo do que qualquer um havia previsto seriamente há pouco mais de um mês.

A unidade quase sem precedentes do Ocidente em sanções, ação política e militar deixou muitos na Europa, apesar dos horrores da guerra de Putin, otimistas de que o continente emergirá melhor equipado para lidar com ameaças à segurança.

Em nenhum lugar isso é mais verdadeiro do que nas três nações nórdicas que ficam na Península Escandinava: Noruega, Suécia e Finlândia.

 

O destino desses três países foi colocado em foco pela crise na Ucrânia devido ao relacionamento único entre eles, o resto da Europa e a Rússia.

Tanto a Noruega quanto a Finlândia compartilham fronteiras terrestres com a Rússia, embora a da Noruega seja significativamente menor, com pouco menos de 200 quilômetros, em comparação com a fronteira da Finlândia, com quase 1.290 quilômetros. A mais ocidental das três, a Noruega é membro da Otan, mas não está na União Europeia, enquanto a Finlândia e a Suécia estão na UE, mas não na Otan.

Todas as três nações têm apoiado historicamente uma abordagem não-confrontacional com a Rússia desde o desmembramento da União Soviética devido à sua proximidade. Além disso, todos os três também são membros do espaço Schengen da UE, o que significa que há viagens sem fronteiras entre os três países.

São esses dois últimos fatos que desempenharam um papel significativo na grande reformulação da segurança europeia nas últimas três semanas: como se pode ter uma política de não-confronto quando também compartilha simultaneamente uma parte de terra aberta com a Rússia?

Um funcionário do alto escalão da defesa europeia disse à CNN que “se Putin for bem-sucedido na Ucrânia, já estamos fazendo a pergunta de quem será o próximo?”. Eles acrescentaram que, devido às fronteiras abertas entre os três, qualquer comprometimento da fronteira finlandesa seria “traumático” para a península.

Conversas ativas, antes vistas pela Suécia e pela Finlândia como um arriscado ato de provocação contra a Rússia, agora estão ocorrendo em ambos os países sobre a adesão à Otan. E, junto com a vizinha Noruega, ambos estão jogando a não-confrontação pela janela.

“A Finlândia e a Suécia romperam repentinamente com posições de longa data para não exportar armas para zonas de guerra e enviar suprimentos para a Ucrânia foi o maior choque para os europeus em termos da resposta nórdica — e suspeito para Putin”, disse Charly Salonius-Pasternak, pesquisador líder em segurança global do Instituto Finlandês de Assuntos Internacionais.

Ele antecipa que poderemos ver movimentos mais ousados ainda dos três devido aos compromissos assumidos no documento Visão 2025 da Cooperação Nórdica de Defesa (Nordefco, na sigla em inglês), que estabelece planos para uma cooperação militar mais estreita entre cinco nações nórdicas que têm relações diferentes com a Otan e a UE.

“Se de repente a Noruega, Suécia, Finlândia, Dinamarca e Islândia estão armazenando armas e unidades em outros países e coordenando suas ações, então estamos no território de segurança dura operando através das fronteiras da UE e da Otan, o que realmente tornará a vida mais difícil para a Rússia”, disse Salonius-Pasternak.

A severidade e a robustez da resposta nórdica aumentaram a perspectiva de a Finlândia se juntar à Otan.

Alexander Stubb, ex-primeiro-ministro da Finlândia, acredita que a adesão à Otan é muito mais provável porque Putin destruiu o equilíbrio cuidadoso que a Finlândia mantinha há anos.

“Estrategicamente, sempre quisemos continuar aderindo à Otan em nosso bolso como um impedimento para impedir a Rússia de comportamento agressivo. Mantivemos o equilíbrio de nossas forças armadas serem compatíveis com a Otan, embora não fossem membros da aliança”, disse Stubb à CNN.

No entanto, ele acredita que as ações de Putin tornaram esse equilíbrio impossível. “A Finlândia é movida pelo que chamo de medo racional. Podemos ver a agressão da Rússia e não queremos ficar sozinhos como ficamos na Segunda Guerra Mundial”.

Embora a adesão à Otan seja uma declaração importante, há um argumento a ser feito de que isso faz pouca diferença em um mundo onde há uma repulsa universal pelas ações de Putin.

“Durante anos, a Finlândia e a Suécia tomaram medidas para mitigar o fato de não estarem na Otan, fortalecendo os laços com os EUA, o Reino Unido e o resto da comunidade transatlântica”, diz Håkon Lunde Saxi, professor associado da Universidade de Defesa da Noruega.

Ele diz que coisas como Nordefco e nações nórdicas cooperando mais estreitamente em segurança tornam a região menos vulnerável de uma forma que, em alguns aspectos, transcende a adesão à UE e à Otan.

“A mensagem mais poderosa das últimas semanas foi a unidade”, disse Saxi.

“Primeiro, Dinamarca e Suécia enviaram equipamentos letais para a Ucrânia, depois a Finlândia e a Noruega seguiram o exemplo. A urgência da situação é garantir que esse tipo de cooperação seja acelerado, o que torna mais possível nos protegermos contra qualquer oponente”, acrescentou.

Deve ser difícil para Putin e seus cúmplices entenderem, mas sua guerra bárbara na Ucrânia galvanizou partes da Europa que antes se curvaram para acomodar a Rússia em ações anteriormente impensáveis.

Seja quando for que o horror venha a terminar, ele pode acordar para uma Europa muito diferente que é quase irreconhecível para aquela que ele conseguiu intimidar com gás e retórica. E alguns dos oponentes mais vocais podem estar esperando à sua porta.

 

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN