Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Por que tantos republicanos estão concorrendo contra Trump?

    Primárias pelo partido conservador americano prometem ser acirradas; ex-presidente tem o grande desafio de superar investigações na justiça

    Julian Zelizerda CNN

    Mais um republicano entrou no sorteio de indicações para a corrida presidencial de 2024 nos EUA. Na quinta-feira (15), o prefeito de Miami, Francis Suarez, anunciou que concorrerá ao lado de outros 12 candidatos nas primárias do partido Republicano. Com apenas 45 anos de idade, Suarez promete criar um “tipo de política que pode vencer eleições geracionais”. Embora careça de reconhecimento nacional, ele se junta a uma lista crescente de republicanos que ousaram entrar no campo de batalha com o ex-presidente Donald Trump.

    Por que tantas pessoas concorrem à indicação republicana?

    A resposta não é imediatamente óbvia. Ao contrário das lotadas primárias democratas de 1976 ou das primárias republicanas de 2016, que se transformaram em uma batalha real no estilo WWE de aspirantes a presidente, há um claro favorito desta vez: Trump.

    Embora não seja um titular concorrendo à reeleição, Trump ainda traz consigo muito desse poder residual, que geralmente é suficiente para dissuadir muitos adversários de jogar seus chapéus no ringue.

    Qual a aposta dos seus concorrentes?

    Como acontece com grande parte da política hoje em dia, a resposta volta para o próprio Trump. Mais do que qualquer outro político nas últimas décadas, Trump é caótico e imprevisível de uma forma que pode levar outros republicanos a acreditar que há uma chance de ele não chegar à convenção. E apesar de sua autoimagem invencível, os republicanos sabem que Trump pode perder – ele foi derrotado em 2020 e os republicanos sob sua bandeira se saíram mal nas eleições de 2018 e 2022.

    Uma parte significativa dessa incerteza pode ser rastreada até os muitos problemas legais que Trump enfrenta, que incluem desde duas grandes acusações, até investigações em andamento sobre suas ações após a derrota nas eleições de 2020, considerada o estopim para o ataque de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio dos Estados Unidos. (Trump negou irregularidades, alegando que está sendo alvo de injustiça.)

    Dado esse contexto incomum, os republicanos têm motivos legítimos para pensar que podem haver reviravoltas. Enquanto isso, Trump terá que provar que a força política que traz para a mesa é maior do que a bagagem que carrega.

    Trump também deu o exemplo em 2015, quando demonstrou que a sabedoria convencional e o conhecimento político nem sempre compreendem para que lado o vento está soprando. Afinal, foi ele quem provou que tudo pode acontecer na política presidencial. Essa mentalidade agora encoraja republicanos de longa data, como Suarez, a entrar na corrida.

    Mas qual a possível prévia das primárias pelo partido Republicano?

    Igualmente importante para alguns dos candidatos, como o ex-governador de Nova Jersey Chris Christie, está aproveitando esta oportunidade para ir atrás de Trump e do que ele representa para o partido. Se alguma vez houve um momento para o campo Never Trump ganhar força, pode ser esse. Mesmo que as chances de vitória de Christie sejam pequenas, existe a possibilidade de que ele possa iniciar um processo de mudança e criar um partido com mais espaço para ele no futuro.

    Alguns dos candidatos estão bem cientes de que suas chances de ganhar são quase nulas. Mas uma exibição decente em estados-chave pode elevar sua estatura nacional e aumentar suas chances de ser escolhido como companheiro de chapa ou oficial de gabinete. E quanto mais eles puderem provar suas habilidades de campanha e conhecimento da mídia, maiores serão as chances de que possam fazer um nome duradouro para si mesmos, mesmo que acabem desistindo da corrida.

    E depois há o argumento geracional que Suarez destacou. Assim como o presidente Joe Biden, Trump é relativamente velho para um presidente dos EUA, tendo completado 77 anos na quarta-feira (14). (“Que aniversário”, ele brincou em um popular restaurante cubano em Miami depois que foi indiciado por acusações federais na terça-feira (13).)

    Os republicanos entendem que, embora Trump continue sendo o principal candidato, há um desejo e uma necessidade de que os líderes mais jovens se apresentem. Para um partido voltado para eleitores brancos, rurais e mais velhos, temos visto novos rostos surgirem, muitos deles prometendo reenergizar e revigorar os eleitores republicanos. Ao fazer isso, eles estão realmente se preparando para 2028, 2032 e além.

    Portanto, enfrentar Trump faz todo o sentido – há benefícios claros em fazê-lo, mesmo que as chances de derrotá-lo para a indicação permaneçam pequenas. Devemos esperar ver mais republicanos entrando na arena – mesmo que isso signifique resistir a ataques devastadores do ex-presidente. Afinal, foi Trump quem ensinou a todos eles a nunca dizer nunca.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original