Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Putin corre risco de perder o controle no poder e próximas 24 horas são críticas

    Presidente russo enfrenta a mais séria ameaça ao seu poder em todos os 23 anos em que comandou o Estado nuclear

    Nick Paton Walshda CNN

    Isso simplesmente não acontece na Rússia de Vladimir Putin. Especialmente em público.

    O presidente russo está enfrentando a mais séria ameaça ao seu poder em todos os 23 anos em que comandou o Estado nuclear. E é impressionante ver o verniz de controle total que ele manteve durante todo esse tempo – o ponto de venda definitivo de sua autocracia – desmoronar da noite para o dia.

    Era inevitável e impossível. Inevitável, pois a má administração da guerra significava que apenas um sistema tão fechado e imune a críticas quanto o Kremlin poderia sobreviver a uma desventura tão hedionda. E impossível porque os críticos de Putin simplesmente desaparecem, ou caem das janelas, ou são envenenados de forma selvagem. No entanto, agora o quinto maior exército do mundo está enfrentando um fim de semana em que o fratricídio – virar suas armas contra seus companheiros soldados – é a única coisa que pode salvar a elite de Moscou do colapso.

    Estamos tão acostumados a ver Putin como um mestre tático, que as salvas iniciais da desobediência do chefe do grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, foram às vezes avaliadas como uma simulação – uma tentativa de Putin de manter seus generais no limite com um capanga leal como seu crítico franco. Mas o que estamos vendo hoje – com Putin forçado a admitir que Rostov-on-Don, seu principal centro militar, está fora de seu controle – acaba com qualquer ideia de que isso foi administrado pelo Kremlin.

    É provável, no entanto, que as unidades de Wagner tenham planejado isso por um tempo. A justificativa para essa rebelião parecia urgente e espontânea – um aparente ataque aéreo em um acampamento Wagner na floresta, que o Ministério da Defesa russo negou – apareceu horas depois de uma notável dissecação da lógica por trás da guerra por Prigozhin.

    Ele falou parcialmente a verdade sobre o início desastroso da guerra: a Rússia não estava sob ameaça de ataque da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e os russos não estavam sendo perseguidos. O único engano que ele manteve foi sugerir que o alto escalão da Rússia estava por trás do plano de invasão, e não o próprio Putin. As forças de Wagner se reuniram muito rapidamente e se moveram também rapidamente para Rostov. Isso é difícil de fazer espontaneamente em uma tarde.

    Talvez Prigozhin tenha sonhado que poderia forçar Putin a uma mudança no topo de um ministério da Defesa que o chefe do grupo Wagner repreendeu publicamente por meses. Mas o discurso de Putin na manhã deste sábado (24) erradicou essa perspectiva. Esta é agora uma escolha existencial para a elite da Rússia – entre o regime vacilante do presidente e o sombrio e mercenário Frankenstein que criou para fazer seu trabalho sujo, que se voltou contra seus mestres.

    É um momento de clareza também para os militares da Rússia. Alguns anos atrás, as críticas moderadas de Prigozhin teriam levado forças especiais de elite em balaclavas a afastá-lo. Mas agora ele vaga livremente, com o objetivo de marchar abertamente para Moscou. Onde estão as forças especiais do Serviço Federal de Segurança (FSB)? Dizimados pela guerra, ou sem vontade de enfrentar seus camaradas armados e experientes do grupo Wagner?

    Esta não é a primeira vez nesta primavera que vimos Moscou parecer fraca. O ataque de drones ao Kremlin em maio deve ter levado a elite em torno de Putin a questionar como diabos as defesas da capital eram tão fracas. Dias depois, casas de campo de elite foram alvo de mais drones ucranianos. Entre os ricos russos, os eventos de sexta-feira (23) removerão qualquer dúvida sobre se eles deveriam duvidar do poder de Putin.

    A Ucrânia provavelmente celebrará o momento desastroso dessa insurreição dentro das fileiras da Rússia. Provavelmente alterará o curso da guerra a favor de Kiev. Mas as rebeliões raramente terminam na Rússia – ou em qualquer lugar – com os resultados que pretendiam alcançar. A remoção de 1917 do czar Nicolau II na Rússia se transformou na Revolução Bolchevique, Lenin e depois no Império Soviético.

    À medida que esse raro drama jacobino da fragilidade humana básica russa se desenrola, não é inevitável que haja melhorias. Prigozhin pode não vencer e os alicerces do controle do Kremlin podem não entrar em colapso. Mas um Putin enfraquecido pode fazer coisas irracionais para provar sua força.

    Ele pode se mostrar incapaz de aceitar a lógica da derrota nos próximos meses na linha de frente na Ucrânia. Ele pode não estar ciente da profundidade do descontentamento entre suas próprias forças armadas e não ter controle adequado sobre suas ações. A posição da Rússia como potência nuclear responsável depende da estabilidade no topo.

    Muito mais pode dar errado do que certo. Mas é impossível imaginar que o regime de Putin jamais voltará às suas alturas anteriores de controle a partir deste momento. E é inevitável que mais turbulências e mudanças estejam por vir.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original