Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Putin quer que a China acredite na capacidade da Rússia de derrotar a Ucrânia

    Enquanto Xi Jinping reflete sobre suas crescentes tensões com os Estados Unidos. a guerra na Ucrânia fornece uma lição objetiva sobre quais armas são melhores, o que funciona e onde estão as fraquezas dos norte-americanos

    Fumaça sobe após um ataque de míssil russo em Kiev, na Ucrânia, em 18 de maio.
    Fumaça sobe após um ataque de míssil russo em Kiev, na Ucrânia, em 18 de maio. Stringer/Reuters

    Nic Robertsonda CNN

    O massivo bombardeio de mísseis russos em Kiev nesta semana foi o ataque mais rápido e complexo à capital ucraniana até o momento. O Kremlin alegou ter atingido um dos prestigiosos sistemas de defesa antimísseis Patriot dos Estados Unidos.

    Foi uma afirmação ousada, mas não foi totalmente sem mérito. O complexo sistema automatizado de mísseis sofreu danos mínimos – possivelmente devido à queda de destroços – mas não foi destruído e continuou a funcionar, disseram autoridades americanas à CNN.

    No entanto, a especulação naquele dia levantou preocupações de que o escudo antimíssil quase invencível de Kiev, em grande parte doado por parceiros da Otan, poderia agora ter buracos vulneráveis ​​que a Rússia poderia explorar.

    Na noite seguinte, porém, os céus da capital estavam calmos. O som muito familiar e desconcertante de foguetes interceptadores sendo lançados em cargas letais recebidas não aconteceu.

    O enviado do presidente Xi, Li Hui, passaria a noite lá em uma visita planejada e anunciada publicamente. Um míssil que perturbasse sua paz ou, pior ainda, o atingisse poderia ter mudado o rumo da guerra.

    Mas Putin precisava de sangue metafórico do nariz de Volodymyr Zelensky quando as autoridades ucranianas se encontraram com Li. Ele quer persuadir o único líder mundial que pode equilibrar sua luta estagnada com a Ucrânia de que ele pode vencer e que sua ofensiva merece o apoio militar.

    Nada teria falado mais alto do prestígio de Moscou do que seu tão alardeado e caro míssil hipersônico Kinzhal por ter vencido um duelo com os Patriots americanos.

    Voando até 10 vezes a velocidade do som, os seis mísseis hipersônicos Kinzhal disparados naquela noite custaram um total de US$ 60 milhões (cerca de R$ 300 milhões).

    Os nove mísseis de cruzeiro disparados de sua frota do Mar Negro quase dobraram a conta, e isso antes de adicionar o custo dos mísseis Iskander e S400 que também faziam parte do ataque daquela noite.

    Ancara na cerca diplomática

    Xi não é o único líder envolvido na guerra da Ucrânia que Putin parece estar tentando conquistar.

    O volátil líder turco Recep Tayyip Erdogan recebeu um telefonema de Putin no mesmo dia em que Li deixou Kiev. Poucas horas depois da ligação, meses de disputas com Moscou sobre o “Acordo dos Grãos do Mar Negro” haviam terminado.

    O acordo, negociado pela ONU para garantir que a Ucrânia possa levar seus grãos aos mercados mundiais, fundamental para a segurança alimentar na África Oriental e outras regiões empobrecidas, foi assinado pela primeira vez em julho e é renovado a cada poucos meses.

    Toda vez que Moscou se arrasta, o suprimento de grãos vacila e quase para antes de Putin sinalizar que pode ir em frente.

    O acordo tornou-se mais uma tentativa de influência russa sobre a Turquia. Desde que a guerra começou, Putin tentou fazer com que Erdogan abandonasse a cerca diplomática e parasse de apoiar a Rússia e a Ucrânia, para as quais ele envia drones vitais para o campo de batalha.

    No final do ano passado, Putin ofereceu a Erdogan um acordo potencialmente lucrativo para sediar um novo centro de exportação de gás russo para a Europa, agora que o gasoduto Nord Stream 2, que passa sob o Mar Báltico para a Alemanha, foi destruído.

    Erdogan é um caçador perpétuo, sempre procurando maneiras de garantir sua posição como presidente e a influência da Turquia com seus parceiros internacionais. A geopolítica é seu bazar comercial favorito, e Putin joga nele.

    Deixar o acordo de grãos do Mar Negro se arrastar por mais 60 dias foi o presente de Putin a Erdogan. Isso poderia ter tornado as coisas mais difíceis e potencialmente mais perigosas politicamente para o líder turco, que enfrenta um segundo turno na eleição presidencial de seu país em 28 de maio.

    Putin provavelmente calculou que não precisava se comprometer com o acordo até depois do primeiro turno das eleições turcas na semana passada. O resultado deles parece indicar que Erdogan provavelmente vencerá o segundo turno, tornando o acordo de grãos um investimento diplomático útil para Putin.

    Claro, não há garantias de que Erdogan vencerá. Também não há garantia de que Xi estará interessado na salva de mísseis de Putin contra as baterias de mísseis Patriot de Kiev, mas ele deve ter prestado atenção.

    Tática militar cara

    Um padrão ouro em proteção, os Patriots são enviados para os aliados dos EUA em todo o mundo; são um sinal de apoio político e um ato de defesa militar em tempo real, um poderoso símbolo de segurança coletiva.

    Enquanto Xi reflete sobre suas crescentes tensões com os EUA e um possível confronto sobre a disputada ilha de Taiwan, a guerra na Ucrânia fornece uma lição objetiva sobre quais armas são melhores, o que funciona e onde estão as fraquezas dos Estados Unidos.

    Embora a verdadeira estratégia de guerra de Putin – além de tentar forçar 40 milhões de ucranianos à submissão – seja difícil de entender, ele certamente valoriza muito seu relacionamento com Xi.

    Foi Xi quem ele visitou na véspera de sua invasão injustificada e ilegal da Ucrânia no ano passado.

    Foi Xi quem veio a Moscou e falou sobre um acordo de paz que nunca reconheceu a violação da soberania da Ucrânia e do direito internacional pela Rússia. O líder chinês também não mencionou a depravação moral das tropas de Putin e os crimes de guerra que eles e o Kremlin cometeram.

    Em suma, do ponto de vista de Putin, Xi é a coisa mais próxima de um aliado poderoso que ele tem no momento, mas seria muito mais útil se acreditasse que Moscou poderia vencer a guerra.

    Esmagar o Patriot de Kiev na véspera da visita do enviado chinês seria um sinal de que o poderio militar da Rússia não foi completamente desperdiçado no campo de batalha e que Putin ainda tem alguns socos restantes.

    Enquanto isso, Kiev acredita que também tem boas razões para cortejar Li. O governo Zelensky acredita que Xi ouve seu lado da história da guerra, que ele vê como instrumental para minar a narrativa de Putin como vítima.

    Nas Nações Unidas, em Nova York, às vésperas do primeiro aniversário da guerra, a Ucrânia obteve 141 votos a favor de sua moção exigindo que a Rússia deixasse seu território.

    Os chineses não divulgaram o plano de paz de 12 pontos de Xi até o dia seguinte. A Ucrânia considera isso respeitoso, o que indica que o diálogo vale a pena.

    Apesar das tentativas de Putin de eliminar os Patriots, a visita de Li não parece ter mudado essa visão.

    Tanto Pequim quanto Kiev – apesar das grandes diferenças – ainda falam sobre o papel “construtivo” que a China pode desempenhar. Esse certamente não é o retorno sobre o investimento que o Kremlin esperava.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original