Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Rússia mergulha no isolamento após dois anos de guerra da Ucrânia

    Presidente Vladimir Putin busca reforçar controle interno sobre poder em meio à eleições em março

    Moscou, Rússia
    Moscou, Rússia Random Institute/Unsplash

    Matthew Chanceda CNN

    Moscou

    Há dois anos, quando a Rússia lançou a sua invasão em grande escala contra a Ucrânia, estava entre os muitos observadores de longa data do Kremlin que erraram.

    Poucos conseguiam compreender por que razão Vladimir Putin, o líder calculista da Rússia, embarcaria em uma aventura militar tão arriscada, especialmente quando a mera ameaça de uma invasão russa já estava a produzir resultados.

    Em junho do ano anterior, enquanto as forças russas se concentravam perto da Ucrânia, o presidente dos EUA, Joe Biden, encontrou-se com Putin numa cimeira ao estilo de superpotência, descrevendo os EUA e a Rússia como “duas grandes potências”, elevando o líder russo depois de administrações anteriores dos EUA terem procurado minimizar a importância da Rússia.

    Nos dias anteriores à invasão de 2022, Washington ofereceu uma “avaliação pragmática” das preocupações de segurança de Moscou, sinalizando abertura ao compromisso.

    Lançar forças russas contra um dos maiores exércitos permanentes da região parecia atipicamente imprudente e, portanto, improvável.

    Houve outros, porém, que consideraram, com razão, a invasão como inevitável, interpretando melhor as intenções do Kremlin e prevendo com confiança uma rápida vitória russa nas mãos das forças superiores de Moscou.

    Dois anos depois, gosto de pensar que aqueles de nós que duvidaram da decisão do Kremlin estavam errados pelas razões certas.

    Aquilo que Putin ainda chama eufemisticamente de “Operação Militar Especial” tem sido um banho de sangue de proporções catastróficas, nunca visto na Europa há gerações.

    Mesmo estimativas conservadoras projetam o número de mortos e feridos em centenas de milhares de pessoas de cada lado. Pequenos ganhos, como a recente captura de Avdiivka, tiveram um custo enorme.

    As outrora veneradas forças armadas da Rússia mostraram-se dolorosamente despreparadas e vulneráveis ​​às armas modernas nas mãos de uma determinada resistência ucraniana. Mesmo que a guerra termine amanhã, é provável que leve muitos anos até que a sua força e número recuperem.

    E os últimos dois anos de guerra brutal distorceram e distorceram a Rússia também internamente.

    Centenas de milhares de seus cidadãos fugiram para o exterior para evitar o recrutamento. As frustrações com a forma como a guerra estava a ser travada provocaram uma revolta armada em que mercenários do grupo Wagner armados marcharam em direção a Moscou, representando um desafio sem precedentes à autoridade do Kremlin.

    O desdém internacional fez da Rússia o país mais fortemente sancionado do mundo. Até o presidente Putin foi indiciado por crimes de guerra em Haia.

    E agora o crítico mais veemente de Putin – Alexey Navalny – está morto. No meio de uma repressão mais ampla à dissidência, este país mergulhou ainda mais no isolamento e na escuridão.

    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou / 27/10/2023 Sputnik/Gavriil Grigorov/Pool via REUTERS

    Se tivermos uma visão mais ampla, a direção da viagem parecerá tragicamente clara.

    Eu estava na Chechênia quando, em 2000, o recém-empossado Vladimir Putin colocou sob controle aquela região rebelde da Rússia, desencadeando um implacável exército russo.

    Em 2004, uma importante jornalista russa, Anna Politikovskaya, foi assassinada, no aniversário de Putin. Os seus corajosos despachos vindos da Chechénia tocaram em cheio. Outros críticos foram silenciados no país e no exterior.

    Em 2008, Putin interveio na vizinha Geórgia, separando regiões pró-Rússia do estado georgiano. Antes de o território da Crimeia ter sido anexado à Ucrânia em 2014, as forças russas apoiaram com sucesso durante anos o regime sírio na repressão brutal à rebelião daquele país, apesar da condenação internacional.

    Mas 24 de fevereiro de 2022 foi um divisor de águas.

    Não se trata apenas de Putin ter calculado mal a sua ambição de conquistar a Ucrânia, embora o que era considerado uma campanha limitada seja agora uma guerra sem fim.

    Pelo contrário, a sua invasão em grande escala contra a Ucrânia foi o momento em que Putin finalmente abandonou toda a aparência de cooperação com o Ocidente, e toda a pretensão de que a dissidência e a crítica dentro desta grande nação seriam toleradas.

    E atualmente há poucos sinais de qualquer mudança de rumo.

    Na verdade, dois anos após o início da sua Operação Militar Especial, Putin está a reforçar o seu controlo sobre o poder, com os opositores silenciados e as eleições de Março marcadas para confirmar o seu quinto mandato presidencial.

    Privadamente, muitos russos permanecem silenciosamente esperançosos de que um dia haverá uma mudança de rumo. Mas poucos acreditam que seja improvável que isso aconteça agora ou mesmo em breve.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original