Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Trump é obrigado a seguir as regras no tribunal e não gosta disso

    Status do ex-presidente como réu significa que ele não pode fazer ou dizer o que quiser

    Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump em Nova York, EUA
    Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump em Nova York, EUA 18/10/2023 REUTERS/Brendan McDermid/Arquivo

    Stephen Collinsonda CNN

    Um juiz que assistiu ao julgamento por fraude de Donald Trump em Nova York passou a quarta-feira a se debater com um dilema que o mundo político há muito tempo não conseguiu responder: como conter a fúria, os acessos de raiva e o impulso do ex-presidente para quebrar todas as regras.

    Em um dia extraordinário no tribunal em que ele foi obrigado a prestar depoimento para explicar a sua conduta, Trump pode ter tido um vislumbre do seu futuro antes de quatro julgamentos criminais que podem gerar uma reviravolta divisiva no ano eleitoral.

    O juiz de Nova York desprezou o homem que já foi o mais poderoso do mundo e disse que ele não era “crível” – uma inversão da dinâmica de poder típica de Trump e um lembrete de que ninguém está acima da lei.

    O status de Trump como réu significa que ele não pode fazer ou dizer o que quiser – uma dinâmica que não apenas afetará o julgamento atual, mas parece o início de um padrão, já que o principal candidato à indicação do Partido Republicano em 2024 enfrentará outros julgamentos no próximo ano.

    Dois impeachments e uma derrota eleitoral podem não ter detido Trump – em parte porque ele é muito bom em atiçar a ira pública, criar realidades alternativas e confundir a verdade – mas o ambiente do tribunal, baseado em fatos, talvez o detenha.

    A fúria latente de Trump

    Trump pareceu estar ardendo de raiva durante grande parte deste julgamento de fraude, que pode impedir que a empresa que leva seu nome siga fazendo negócios em Nova York.

    O juiz Arthur Engoron entendeu, mesmo antes de tudo começar, que Trump, sua empresa e seus filhos adultos tinham fraudado bancos e companhias de seguros ao inflacionar o valor dos seus ativos. O ex-presidente apelou desta decisão. Mas a frustração de Trump pareceu transbordar em alguns incidentes bizarros na quarta-feira.

    Primeiro, Trump pareceu fazer um novo ataque ao secretário do juiz, desafiando uma ordem de silêncio. Ele comentou com os repórteres que Engoron era muito partidário e tinha uma “pessoa muito partidária sentada ao seu lado”.

    O juiz convocou uma audiência para investigar o comentário e acabou multando o ex-presidente em US$ 10 mil por violar uma ordem de silêncio restrita que o proibia de atacar funcionários do tribunal. Trump negou a acusação e insistiu que se referia ao seu ex-advogado, Michael Cohen, que também se sentou ao lado do juiz durante o depoimento contra o ex-chefe.

    Não foi a primeira vez que Trump foi multado por violar a ordem de silêncio. Na semana passada, ele recebeu uma multa de US$ 5 mil por não retirar do ar uma postagem nas redes sociais atacando o funcionário de Engoron.

    “Não faça isso de novo ou será pior”, disse Engoron, no tipo de repreensão que Trump – que tem sido a figura dominante em todos os espaços durante décadas – raramente ouve.

    As multas são apenas uma gota a menos no oceano para alguém tão rico como Trump, mesmo que a sua fortuna não seja tão grande como afirma, o que é uma questão central neste caso.

    É improvável que essas somas façam com que um ex-presidente acostumado a dizer exatamente o que quer se controle. Mas é uma pequena amostra das consequências que o sistema legal poderá impor nos vários julgamentos sobre ele – seus negócios, suas tentativas de anular as eleições de 2020, seu acúmulo de documentos confidenciais e o pagamento pelo silêncio de uma estrela do cinema adulto.

    Trump nega irregularidades em todos os casos pendentes.

    Mais tarde, Trump saiu furioso da sala do tribunal depois de o juiz ter se recusado a encerrar o caso com base no testemunho aparentemente inconsistente de Cohen sobre se o ex-presidente havia lhe pedido para inflacionar as demonstrações financeiras. “Estou saindo”, exclamou Trump enquanto saía pelas grandes portas do tribunal.

    Engoron rejeitou a moção de forma absoluta, rebatendo a afirmação da equipe de Trump de que Cohen seria a testemunha principal. “Há provas suficientes neste caso para encher esta sala do tribunal”, observou Engoron.

    O hábito de Trump de fornecer comentários aos repórteres sobre o caso, que não é televisionado, sugere que ele é um pesadelo de cliente para os seus advogados. Essa dinâmica pode se repetir nos julgamentos futuros e colocá-lo em ainda mais problemas. Mas o comportamento é consistente com seu método de usar sua fama e destaque para moldar percepções.

    Enquanto os advogados julgam o caso dentro do tribunal, Trump conduz o seu próprio julgamento público no corredor. “Estamos sendo atropelados aqui”, disse Trump na quarta-feira. “Isso é uma coisa muito injusta.”

    Mas, ao contrário de quando era magnata e presidente, as explosões de Trump podem não dar a ele o que quiser, porque as regras do tribunal e as restrições da lei são imunes a argumentos emocionais e políticos.

    Como as defesas judiciais se transformaram em uma campanha política

    A contranarrativa de Trump visa claramente reforçar a sua estratégia de campanha mais ampla de se apresentar como vítima de um sistema legal transformado em arma pelo presidente Joe Biden para condenar a sua candidatura à Casa Branca em 2024.

    Esta tem sido uma arma política poderosa enquanto ele avança nas primárias do Partido Republicano e o ajudou a aumentar as contas de arrecadação de fundos que ele está usando para pagar suas multas legais. Proferir frases provocativas também garante que Trump permaneça nas notícias e abafe seus rivais de campanha.

    Engoron não é o único juiz que está tentando descobrir como lidar com Trump enquanto ele quebra as regras. A juíza Tanya Chutkan, que supervisiona o julgamento de subversão nas eleições federais em Washington, está tendo um problema semelhante.

    Ela congelou temporariamente sua ordem de silêncio anterior – para proteger testemunhas, funcionários do tribunal e promotores dos ataques de Trump nas redes sociais – enquanto aguarda alguma decisão sobre o pedido de Trump para que essa ordem fosse suspensa enquanto seu recurso não é concluído.

    Mas antes de impor inicialmente a medida, Chutkan avisou Trump que o seu estatuto de réu criminal significa que há limitações sobre o que ele pode dizer sobre um caso. “Ele não tem o direito de dizer e fazer exatamente o que quiser”, disse Chutkan aos advogados de Trump no tribunal no início deste mês.

    A equipe do ex-presidente respondeu à disputa argumentando que Chutkan e o Departamento de Justiça da administração Biden estão tentando silenciá-lo, a fim de reprimir a sua campanha presidencial.

    Trump encontrou apoio em uma situação surpreendente nesse caso da quarta-feira. A União Americana pelas Liberdades Civis e sua filial em Washington argumentaram que a amplitude da ordem viola os direitos de Trump à Primeira Emenda da Constituição americana.

    Mas também na quarta-feira, os promotores pediram a Chutkan que restabelecesse a ordem, argumentando que Trump já retomou os posts sobre possíveis testemunhas nas redes sociais – apontando para seu comentário na rede social Truth Social sobre o ex-chefe de gabinete Mark Meadows no início desta semana.

    Trump demonstrou ao longo de uma carreira empresarial e política conhecida pela impunidade que pode agir e falar como quiser. E agora essa sensação de que ele tem direito a ir contra as convenções está formando a base da sua defesa nos processos judiciais.

    Na questão da subversão das eleições federais, por exemplo, a equipe de Trump argumenta que os esforços do ex-presidente para anular as eleições se enquadravam nas suas funções oficiais e que, portanto, ele está imune de ser processado por atos que ocorreram enquanto ele estava no poder.

    O procurador especial Jack Smith argumentou que isso significaria que um presidente em exercício poderia se comportar de maneira ilegal de várias maneiras, sabendo que estaria para sempre livre de processos.

    No cargo, Trump argumentou frequentemente que não poderia haver controle de seu comportamento. “Quando alguém é o presidente dos Estados Unidos, a autoridade é total, e é assim que tem que ser”, disse Trump numa entrevista sobre o coronavírus na Casa Branca em abril de 2020.

    Em um discurso em Washington em 2019, ele afirmou falsamente que a Constituição americana – escrita especificamente para impedir a onipotência monárquica – lhe dava autoridade total. “Tenho o artigo II, onde tenho o direito de fazer o que quiser como presidente”, disse ele.

    Mas os argumentos constitucionais incompletos de Trump sugerem que se ele ganhar a eleição à Presidência em novembro de 2024, seu segundo mandato, que ele já prometeu que usaria para “retribuir” o que fizeram com ele, seria ainda mais ilegal do que o primeiro.

    Trump já avisou que usaria o sistema legal para perseguir seus inimigos.

    Por enquanto, Trump está descobrindo que existem barreiras de proteção no sistema jurídico. Mas se ele se tornar presidente novamente, todas as apostas estarão canceladas.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original