Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Ucrânia teve uma semana terrível por culpa dos EUA e União Europeia

    País está mal na guerra contra a Rússia, mas finge que problemas não existem enquanto apoio do bloco e de Washington reduz

    Bandeira ucraniana acenada em meio à destruição provocada pela guerra
    Bandeira ucraniana acenada em meio à destruição provocada pela guerra Metin Aktas/Anadolu Agency via Getty Images

    Nick Paton Walshda CNN

    Londres

    A Ucrânia desenvolve um problema de “afogamento”: o país tem dificuldade em dizer claramente sua situação na guerra contra a Rússia.

    Fazer uma avaliação pública sincera sobre o quão mal está um conflito pode ser uma atitude imprudente para uma nação, pois pode resultar na drenagem da moral e do apoio que lhe restam. Depois de Obama ter reforçado as tropas no Afeganistão, por exemplo, o apoio público aos EUA diminuiu ao longo dos anos, em parte devido à falta de realismo sobre a forma como a guerra decorria.

    A péssima apresentação de seus problemas, por parte da Ucrânia, deve-se principalmente à miopia dos seus aliados.

    A falta de compreensão em partes do Congresso dos EUA, por exemplo, é impressionante. Um congressista sugeriu, na última semana, que a Ucrânia deveria definir um valor finito e um objetivo simples e específico. É surpreendente, depois de duas guerras voluntárias dos EUA nas duas últimas décadas, que custaram bilhões de dólares, que a memória do Congresso seja tão curta e a compreensão acerca do conflito tão limitada.

    Em vez disso, Kiev aponta consistentemente para sucessos passados ​​e objetivos futuros. É certo que eles recuperaram cerca de metade do território que a Rússia conquistou no ano passado e danificaram estrategicamente a presença do inimigo no Mar Negro. Segundo Zelensky, há um plano para 2024, mas é secreto.

    Na verdade, a manchete mais útil para Kiev deveria ser o quão indescritivelmente sombrias são as linhas da frente agora. Em quase todas as direções, as notícias são sombrias. As forças russas estão isolando partes da cidade oriental de Avdiivka, outra cidade onde Moscou parece contente em tirar milhares de vidas, apesar da sua importância mínima.

    Ao longo da linha da frente de Zaporizhzhia, onde a contraofensiva foi concentrada, mas, em última análise, lenta e pouco recompensadora, as unidades russas regressaram com vigor renovado, e a defesa é dispendiosa para a Ucrânia. O exército ucraniano fez uma corrida corajosa (ou imprudente) através do Rio Dnipro, com alguns pequenos progressos em direção às linhas russas. No entanto, quantidade de vítimas foi imensa, as linhas de abastecimento são problemáticas e as perspectivas são escassas.

    Kiev enfrenta agora ataques quase noturnos com mísseis de cruzeiro, em sua maioria contidos pelas defesas aéreas, dizem autoridades ucranianas. Enquanto estas proteções continuarem, a Ucrânia poderá ter a oportunidade de entrar na Primavera com a sua infraestrutura intacta, mas as defesas aéreas podem ser as primeiras afetadas, segundo a administração Biden, quando o dinheiro dos EUA acabar.

    Zelensky teve uma semana verdadeiramente péssima. A sua equipe alardeou a vitória simbólica nas negociações de adesão à União Europeia (UE), o que ele chamou de um sinal de que “a história é feita por aqueles que não se cansam de lutar pela liberdade”. Mas para a adesão efetiva a guerra tem de acabar, e tem de terminar com a Ucrânia sendo uma nação viável. Nenhuma dessas coisas está garantida atualmente.

    Distante disso, Zelensky deve enfrentar dois desastres financeiros urgentes em quatro dias. Uma delas é a decisão da Hungria de vetar U$ 55 bilhões de dólares em financiamento da UE para os esforços de guerra na Ucrânia, que foi recebida com garantias de responsáveis ​​pelo bloco de que, no início de Janeiro, haverá provavelmente uma votação unânime e positiva.

    Viktor Orban – um populista de direita com um carinho inexplicável pelo criminoso de guerra indiciado Vladimir Putin – abriu a porta à desunião europeia. A coesão do Ocidente até este ponto era atípica. As eleições em toda a Europa e as hesitações que se avizinham provavelmente ouvirão maiores exigências de diplomacia e respostas sobre como a guerra terminará.

    A viagem de Zelensky a Washington e os apelos sinceros que fez fracassaram. Mesmo que os EUA consigam retomar o financiamento no início do próximo ano, isso já prejudicou a Ucrânia. A paralisação e o teatro político tornaram a assistência vital – para defender os aliados europeus dos EUA na Otan de serem arrastados cada vez mais para a pior guerra terrestre na Europa desde a década de 1940 – um jogo justo para negociações partidárias.

    O debate no Congresso dos EUA não foi sobre a política de guerra na Ucrânia, ou sobre a eficiência de Kiev, ou sobre o por que da contraofensiva ter falhado. Foi muito mais superficial: um comércio de olho por olho na política fronteiriça dos EUA, juntamente com exigências irracionais para que a Ucrânia previsse o curso futuro da guerra. É um fracasso impressionante da política externa americana, cujas consequências repercutirão nas próximas décadas. Desde que Neville Chamberlain teve um pedaço de papel nas mãos, sugerindo que os nazistas poderiam ser negociados, não havia tanta coisa em jogo.

    O quadro militar sombrio da Ucrânia existia antes do Congresso ter paralisado a ajuda dos EUA. Agora, o desafio que há pela frente – a possibilidade de a Ucrânia poder enfrentar a Rússia sem o apoio da Otan – pesa nas mentes daqueles que deveriam estar concentrados nas batalhas de Inverno que se avizinham.

    “Sem ajuda, estamos acabados”, disse-me um taciturno médico ucraniano na quinta-feira, depois de meses a reconstituir as tropas e a perder um colega no verão. Outras tropas conseguem ser mais estoicas e insistem que continuarão a lutar porque não têm escolha. Mas não tenha dúvidas: nenhum dinheiro dos EUA ou da UE – ou se apenas um deles falhar – significa muito. Provavelmente a maior parte da Ucrânia cairá sob ocupação russa nos próximos dois anos.

    Isso colocaria forças militares russas beligerantes, sobrecarregadas e sedentas de vingança nas fronteiras da Otan, algo que se tornaria imediatamente um problema de Washington. Por quê? Porque fora do tratado de defesa mútua da Otan, num nível puramente prático, as democracias seguras e livres na Europa são parceiras comerciais dos norte-americanos, fundamentais e à base do peso global dos EUA.

    No entanto, Zelensky enfrenta um aliado nos EUA tão dividido e ignorante em parte do seu corpo político que tem de fingir que as coisas não estão assim, tão más. Admitir que a Ucrânia está em dificuldades reforça o argumento de que não faz sentido financiar um perdedor. Se ele diz que a Ucrânia está ganhando, então por que é que precisa de mais ajuda? Se for um impasse, então, certamente, não será tão ruim depois de dois anos?

    Alguns republicanos marginais insistem que a Rússia sempre vencerá, então por que adiar o inevitável fornecendo ajuda que causa a morte de ucranianos? Aqueles que querem dizer não à Ucrânia precisam de poucas desculpas. Mas isso atrasa a próxima questão, mais sombria, de quando é que finalmente se dirá “não” a Moscou? Quanto da Ucrânia, ou talvez mais tarde dos seus vizinhos europeus, é aceitável que Putin subjugue ou arrase? Esta pergunta parece familiar?