Antártica: Últimos meses foram os mais frios já registrados no continente

Enquanto as temperaturas caem no Polo Sul, o contrário acontece no Polo Norte e no restante do globo

Manto de gelo na Antártica
Manto de gelo na Antártica Getty Images

Allison Chincharda CNN

Ouvir notícia

Em um ano de calor extremo, os últimos seis meses da Antártica foram os mais frios já registrados.

“Para o período de escuridão polar, de abril a setembro, a temperatura média foi de -60,9 graus Celsius, um recorde para aqueles meses”, disse o Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo dos Estados Undios (NSIDC, na sigla em inglês).

Os últimos seis meses coincidem com o período mais escuro no Polo Sul, de onde vem o nome escuridão polar (também chamada de noite polar). Nele, o sol se põe pela última vez em torno do equinócio da primavera e não se levanta novamente até perto do equinócio de outono, seis meses depois.

Para todo o continente Antártico, o inverno de 2021 foi o segundo mais frio já registrado, com a “temperatura para junho, julho e agosto de 3,4°C mais baixa do que a média de 1981 a 2010 em -62,9°C”, de acordo com um novo relatório do NSIDC.

“Este é o segundo inverno mais frio (meses de junho-julho-agosto) já registrado, atrás apenas de 2004 no recorde climático de 60 anos na Estação Polo Sul Amundsen-Scott”, disse o NSIDC.

“O frio incomum foi atribuído a dois longos períodos de ventos mais fortes do que a média ao redor do continente, que tendem a isolar a camada de gelo das condições mais quentes”, explicou o NSIDC. “Um forte vórtice polar da atmosfera superior também foi observado, levando a um buraco de ozônio significativo. O buraco de ozônio parece ter atingido seu pico a partir, com medições iniciais relatando que está no quartil superior (25 por cento superior) do ozônio eventos de redução desde 1979.”

Mesmo nos meses de verão austral, de novembro a fevereiro, nunca fica realmente “quente” no Polo Sul. A Estação Polo Sul Amundsen-Scott, que fica a uma altitude de 2.835 metros, tem uma temperatura média mensal no verão austral de -28°C.

A Fundação de Ciência Nacional (NSF, na sigla em inglês), que administra o programa da Antártica dos Estados Unidos, aponta que as temperaturas do inverno tiveram um impacto mínimo no apoio científico do Polo Sul, uma vez que a maior parte do trabalho de campo profundo ocorre no verão austral. No entanto, os ambientes polares ainda são desafiadores.

antártica
Mudanças climáticas trarão clima ainda mais extremo, alertam pesquisadores / REUTERS

“Todo mundo se adapta ao frio de maneira diferente, e o equipamento de hoje o torna muito mais seguro do que na época em que Shackleton e os outros exploradores tinham pouco equipamento especializado; eles tinham apenas meias de lã e sapatos de couro para proteger os pés!” disse um porta-voz da NSF. “Todos os participantes do Programa Antártico dos EUA (USAP) da NSF recebem equipamentos para clima frio extremo e são treinados para reconhecer os perigos do frio extremo.”

Um inverno extremamente frio é intrigante do ponto de vista de manutenção de registros, mas uma estação sozinha não muda a progressão de longo prazo, que é o aquecimento rápido.

Tempo versus clima

É importante entender que o tempo é diferente do clima. O tempo é o que acontece em períodos mais curtos de tempo (dias a meses), como a previsão de sete dias. O clima é o que acontece durante períodos de tempo muito mais longos, como vários anos ou mesmo gerações inteiras.

“Um exemplo é uma onda de frio, que pode acontecer devido a mudanças repentinas na circulação atmosférica e pode não estar ligada à mudança climática”, disse Tom Slater, pesquisador do Centro de Observação e Modelagem Polar da Universidade de Leeds. “O Texas é um bom exemplo disso; embora partes dele tenham experimentado um frio extremo no início deste ano, quando o ar do Ártico foi empurrado para o sul, olhando para a mudança de temperatura a longo prazo nos diz que o Texas está 1,5 grau mais quente em média agora do que há 100 anos. Isso é o clima.”

Manto de gelo na Antártica
/ Foto: NASA/OIB/Jeremy Harbeck

Os cientistas também concordam que, desde 1950, ocorrem ondas de frio extremas, mas as mudanças climáticas estão trazendo muito mais registros de calor do que de frio.

“Em outras palavras, embora o globo possa estar mais quente do que a média como um todo, algumas áreas ainda observarão temperaturas mais frias e até mesmo surtos de frio severos”, disse Zack Labe, Cientista do Clima da Universidade Estadual do Colorado.

“Essa variação regional se deve às influências dos oceanos, montanhas, desertos, mantos de gelo e outras características geográficas que afetam nosso tempo e clima. É também a partir de mudanças nos padrões climáticos que estão relacionados à posição da corrente de jato (tempestade), que pode variar de um dia para o outro ou mesmo de um mês para o outro.”

Portanto, este recente trecho de inverno de junho a agosto é definitivamente interessante do ponto de vista de pesquisa, mas não reflete necessariamente o que está acontecendo na Antártica a longo prazo.

Um grande exemplo disso é que, embora junho-agosto deste ano tenha sido bastante frio, o mês de fevereiro do ano anterior registrou um novo recorde histórico para o continente Antártico. Em 6 de fevereiro de 2020, a Estação de Pesquisa Esperanza registrou uma alta temperatura de 18,3°C. Isso quebrou o recorde anterior para a região da Antártica (continental, incluindo o continente e as ilhas vizinhas) de 17,5°C registrado em março de 2015 na mesma estação.

“Havia milhares e milhares de pinguins em perigo porque estavam superaquecidos e não havia neve”, Camille Seaman, uma fotógrafa que viajou para a Antártica, disse à CNN em agosto. “Eles estavam procurando por qualquer pequeno pedaço de neve ou gelo para ficar. ”

Opostos polares

O que está acontecendo em um polo não é necessariamente igual ao que está acontecendo no outro.

Graças ao frio extremo próximo ao Polo Sul, a extensão do gelo marinho da Antártica tem estado acima da média nos últimos meses, com pico no final de agosto, quando atingiu o quinto maior recorde de satélite.

No entanto, o gelo perto do Polo Norte fez exatamente o oposto.

O verão de 2021 foi relativamente frio perto do Polo Norte em comparação com muitos anos recentes, de acordo com o NSIDC, o que permitiu que a extensão do gelo de setembro fosse a mais alta desde 2014.

No entanto, embora possa parecer bom, tenha em mente que os últimos 15 anos (2007 a 2021) tiveram as 15 extensões de gelo mais baixas já registradas em setembro.

A extensão média do gelo do mar Ártico em setembro foi de 4,92 milhões de quilômetros quadrados, o que a tornou a 12ª mais baixa em 43 anos de manutenção de registros. Literalmente, todos os outros lugares estão aquecendo.

O que está acontecendo nos pólos da Terra não significa que esteja acontecendo igualmente em todo o globo.

“Embora as temperaturas globais tenham subido cerca de 1,1 grau nos últimos 150 anos em média, diferentes partes do globo aqueceram em taxas diferentes devido a variações naturais no sistema climático, como cobertura de nuvens, cobertura da terra e padrões de circulação atmosférica”, Slater disse.

“Os polos da Terra aqueceram mais rápido do que em qualquer outro lugar, principalmente devido ao derretimento do gelo e da neve. Embora a Antártica tenha tido um inverno frio este ano, nas últimas décadas as partes mais ao norte da Antártica aqueceram cinco vezes mais rápido do que a média global – isso é mais rápido do que em qualquer outro lugar no hemisfério sul.”

Enquanto os cientistas tomam nota das mudanças que ocorrem nos polos da Terra, o maior perigo reside nos continentes mais populosos onde as pessoas vivem e trabalham.

“Como cientista do clima, estou particularmente alarmado com a projeção de que ondas de calor extremas, como a que impactou o noroeste do Pacífico neste verão, se tornem mais comuns no futuro”, disse Labe. “Mas agora temos uma grande oportunidade. Podemos ajudar a reduzir a gravidade e a frequência das futuras ondas de calor extremas (e da mudança climática geral) reduzindo sistematicamente nosso consumo de combustíveis fósseis.”

O impacto para humanos e animais é o centro das atenções na crise climática.

“Calor e umidade extremos podem representar sérios riscos à saúde das pessoas que precisam suportá-los – em média, o mundo agora experimenta 14 dias extras por ano com temperaturas de 45°C a mais do que há 40 anos atrás “, diz Slater. “É por isso que espero que vejamos as nações aumentando seus compromissos de lidar com as mudanças climáticas na COP26 em apenas algumas semanas”.

Texto traduzido. Leia o original em inglês.

Mais Recentes da CNN