Ao menos 100 mil manifestantes vão às ruas em Belarus por renúncia de Lukashenko

Uma onda de protestos varreu Belarus desde a eleição presidencial de 9 de agosto, que os manifestantes dizem ter sido vencida por Sviatlana Tsikhanouskaya

Manifestantes em Belarus questionam resultado da última eleição presidencial, que elegeu Alexander Lukashenko para o sexto mandato.
Manifestantes em Belarus questionam resultado da última eleição presidencial, que elegeu Alexander Lukashenko para o sexto mandato. Foto: Tut.By via REUTERS

Da Reuters

Ouvir notícia

Pelo menos 100 mil manifestantes bielorrussos foram às ruas de Minsk neste domingo (13) em uma das maiores manifestações até então contra o presidente Alexander Lukashenko, depois que ele reivindicou uma vitória esmagadora em uma eleição que seus oponentes dizem ter sido fraudada.

Enquanto a raiva pública continuava crescendo contra Lukashenko, que governou a ex-nação soviética por 26 anos, Moscou ofereceu-lhe apoio dizendo que enviaria pára-quedistas Belarus para exercícios conjuntos da “Fraternidade Eslava”.

Leia mais:
Líder de atos em Belarus é detida tentando entrar na Ucrânia, dizem autoridades
Manifestantes de Belarus marcham na capital apesar do alerta do governo

Uma onda de protestos varreu Belarus desde a eleição presidencial de 9 de agosto, que os manifestantes dizem ter sido vencida por Sviatlana Tsikhanouskaya. Desde então, figuras-chave da oposição foram presas ou fugiram do país, com Tsikhanouskaya agora na Lituânia.

 Lukashenko nega que a eleição tenha sido fraudada e disse que potências estrangeiras estão por trás dos protestos.

Uma vasta coluna de manifestantes marchou pela capital Minsk em direção a um distrito governamental neste domingo, gritando “viva a Bielo-Rússia” e “você é um rato”, uma provocação que tem sido frequentemente usada contra Lukashenko durante as manifestações.

Eles pararam e gritaram “fascistas” enquanto centenas de policiais com escudos bloqueavam a estrada. Enquanto isso, na cidade de Brest, a polícia usou canhões de água contra os manifestantes, de acordo com o canal Nexta Live.

Tópicos

Mais Recentes da CNN