Ao menos 20 países flexibilizaram medidas restritivas de combate à pandemia em 2022

Autoridades afirmam que fim das restrições acontece em momento de alta imunidade da população e queda de casos, resultado do avanço da vacinação e infecções prévias

Clientes sem máscaras almoçam em restaurante de Israel após fim de medidas restritivas
Clientes sem máscaras almoçam em restaurante de Israel após fim de medidas restritivas Foto: Mostafa Alkharouf/Anadolu Agency via Getty Images

Emylly AlvesVinícius BernardesVinícius Tadeuda CNN*

em São Paulo

Ouvir notícia

Com o avanço da vacinação ao redor do mundo e o aumento do número de pessoas que tiveram infecções prévias por Covid-19, governantes de ao menos 20 países anunciaram a flexibilização das medidas restritivas de combate à pandemia do novo coronavírus.

Determinações que chegaram a ser obrigatórias, como o uso de máscaras e o distanciamento social, passaram a ser revogadas e algumas nações, inclusive, passaram a considerar o coronavírus como um “vírus endêmico”.

Ao classificar um vírus como “endêmico”, pressupõe-se que a doença é “comum”, e o país passa a trabalhar com a consciência de que um número esperado de casos e óbitos ocorra em uma quantidade já prevista para determinada época do ano ou região.

Autoridades do mundo todo ressaltam que a alta imunidade da população só foi obtida através dos níveis de vacinação e das infecções prévias, possibilitando a derrubada gradual das medidas restritivas e o retorno do convívio social ao nível pré-pandêmico.

No momento, a Europa é o continente que mais acumula flexibilizações, com pelo menos 15 países decretando o fim de diversas medidas restritivas.

Europa

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou que as restrições sanitárias terminarão na Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte — que compõem o Reino Unido — nesta quinta-feira (24). No dia 1º de abril, testes gratuitos para a Covid-19 deixarão de ser fornecidos à população em geral.

O plano “vivendo com a Covid” estabelece que a exigência legal de autoisolamento para aqueles que testem positivo será abandonada. De acordo com o premiê, os esforços de combate à pandemia realizados pelo governo permitem que agora as restrições se tornem uma questão de responsabilidade pessoal.

Com uma estabilização nos casos da variante Ômicron, a França entrou na primeira fase de flexibilizações das medidas restritivas. A partir desta quarta-feira (23), espaços culturais e esportivos estão funcionando sem limite de capacidade. O uso obrigatório de máscaras também termina na quarta e o trabalho remoto será apenas recomendado, e não obrigatório.

O governo da Suíça anunciou que irá exigir o uso de máscaras apenas no transporte público e hospitais. O isolamento obrigatório de cinco dias para as pessoas que testarem positivo para a Covid-19 permanecerá em vigor apenas até o final de março.

Na Noruega, o primeiro-ministro Jonas Gahr Støre anunciou que trabalhar em casa não será mais obrigatório e a exigência de quarentena será retirada, com exceção de quem estiver infectado.

A Lituânia determinou o fim da exigência do certificado de vacinação contra a Covid-19 para espaços públicos fechados, alegando que a medida não oferece mais progeção devido à prevalência da variante Ômicron, que é facilmente transmitida.

O governo da Dinamarca suspendeu todas as restrições contra a Covid-19 no país. A doença não é mais considerado “socialmente crítica” pelo governo e o uso obrigatório de máscaras, certificado de vacinação para bares e restaurantes e o autoisolamento deixaram de estar em vigor.

A Áustria suspenderá a maioria das restrições restantes contra a Covid-19 até 5 de março, incluindo o fim do limite de horário de fechamento para bares e restaurantes e permitindo a reabertura de casas noturnas. Uma vez que as internações e casos diminuíram, o governo determinou que pessoas que não estão totalmente vacinadas não precisam mais cumprir lockdown.

A Holanda anunciou que a partir de março os estabelecimentos não terão mais que cumprir restrições de horário, e que o distanciamento social e o uso de máscaras não serão mais exigidos na maioria dos lugares.

O governo da Espanha admitiu a possibilidade de considerar a Covid-19 como uma “gripe comum”, e as restrições contra a doença estão sendo retiradas gradativamente. O uso de máscaras ao ar livre foi retirado e o limite de horário e capacidade em bares e restaurantes também deixou de ser exigico.

Embora o uso de máscaras e a comprovação de vacinação continuem sendo exigidos em alguns estados, a Alemanha permitiu a realização de eventos com mais de 10 mil pessoas em lugares abertos e 4 mil pessoas em locais fechados.

Diante da queda do número de casos, a Bélgica anunciou o fim do limite de capacidade e horário de funcionamento em todos os estabelecimentos do país.

Assim como seus vizinhos Dinamarca e Noruega, a Suécia também está flexibilizando a maioria das medidas restritivas contra a Covid-19. O país determinou o fim do limite de horário e capacidade para estabelecimentos além de não exigir mais o uso de máscaras no transporte público.

Portugal é mais um país europeu que anunciou a flexibilização de medidas restritivas. O governo do país anunciou que nos próximos dias o certificado de vacinação e um teste negativo para Covid-19 não serão mais exigidos para a entrada em estabelecimentos de todos os tipos.

O governo da Finlândia confirmou que pretende, até o início de março, remover todas as restrições contra a Covid-19 no país. Até lá, os estabelecimentos já estão funcionando até a meia-noite e sem restrições de horário ou capacidade de público.

América

Após quase dois anos de fechamento, o Equador anunciou que concordou em reabrir a sua fronteira terrestre com o Peru. Além disso, o país vem gradualmente reabrindo a fronteira terrestre com a Colômbia desde dezembro.

O governo da Colômbia não exigirá mais o uso de máscaras ao ar livre em áreas onde mais de 70% da população foi vacinada contra a Covid-19. O presidente Ivan Duque afirmou que a medida é mais uma flexibilização das medidas restritivas, e que o país pretende vacinar pelo menos 80% dos seus 50 milhões de habitantes.

África

Quase dois anos depois que o governo fechou bares e restaurantes e proibiu apresentações musicais ao ar livre, a vida noturna de Uganda está voltando. O governo do país citou o nível crescente de vacinação para permitir que os estabelecimentos funcionem até a madrugada.

Ásia

Em Israel, a entrada de turistas que não foram vacinados voltou a ser permitida. No entanto, o país ainda exige testes PCR antes e depois do voo. O governo israelense também decretou o fim da exigência de vacinação para a entrada em diversos estabelecimentos.

Oceania

A Austrália abriu suas fronteiras para turistas vacinados de todas as partes do mundo. É a primeira vez em quase dois anos que o país reabre totalmente suas fronteiras, encerrando uma das restrições de viagens mais rígidas e duradouras do mundo.

Outros países planejam medidas de flexibilização

Governos de pelo menos outros três países anunciaram que irão adotar medidas de flexibilização nas próximas semanas. Na Itália, o primeiro-ministro Mario Draghi disse que o país continuará “neste caminho de reabertura e com base em evidências científicas anunciaremos um cronograma para o fim das restrições atuais”.

Além disso, é esperado que Islândia e Nova Zelândia determinem o fim de grande parte das medidas restritivas contra a Covid-19 como o uso de máscaras e os limites de horários.

*Com informações da CNN Internacional e da Reuters

Mais Recentes da CNN